O que o futuro nos reserva? Veja a resposta através de jovens artistas.

Não é fácil vencer no mundo das artes. Aliás, nessa nossa atualidade cercada de desafios, não é fácil vencer em área nenhuma. Competição acirrada, velocidade insana da informação, mudanças de foco, crises econômicas e políticas, violência, retorno de posições extremistas e retrógradas, etc. etc. etc.

A lista segue indefinidamente e nós nos vemos no olho do furacão! O que dizer então de jovens artistas e curadores, que recém-formados, se arriscam a enfrentar essas águas turbulentas?

É preciso coragem e persistência e é preciso sobretudo desvincular-se de velhos valores e métodos e abrir-se para o novo. Vivemos um mundo de relações líquidas, fugazes e imprevisíveis, mas que não deixam de exercer uma enorme pressão sobre os indivíduos.

Pensando nisso, uma jovem brasileira, Stephanie Wruck, abraçou com coragem seus ideais e lançou-se em um projeto de curadoria na Filadélfia, que questionava sobretudo o futuro, o porvir. De forma colaborativa e com baixíssimo orçamento foi montada a exposição The Future Show.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Essa questão do futuro, recorrente na história da arte, sempre surge em tempos de crises de identidade e conceitos, quando velhos modelos já não podem ser seguidos, mas não existem fórmulas ou métodos para ditar o que virá a seguir.

Partindo dessa premissa, foi pedido a 6 artistas brasileiros e americanos, que criassem dentro de suas perspectivas uma visão do futuro.

Apesar de todos fazerem parte da chamada geração de milleniums, crescida e alimentada com todos os gadgets tecnológicos, o resultado foi surpreendente.

Trabalhos feitos artesanalmente: desenho, pintura, escultura e instalações que abriram mão do conforto das ferramentas digitais.

O que isso tem a nos dizer? Assim como um espiral a história anda em círculos recorrentes e crescentes em que antigos valores são retomados, para se impulsionar novos propósitos.

O futuro visto a partir de 2017 está longe daquele imaginado por nós nos anos 90 e 2000. O futuro de hoje prevê um retorno a antigos materiais e à naturalidade em oposição à artificialidade. O paradoxo disso é que  o ser humano anseia pelo conforto da simplicidade,  alcançada através de muito trabalho duro.

Ironicamente, já na segunda década do século XXI, percebemos que o fazer das próprias mãos são ainda a ferramenta mais sofisticada da humanidade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A exibição aconteceu na Filadélfia, de forma colaborativa entre o grupo de jovens artistas: Stephanie Wruck, Patrick Dias, Matt Giulliano, Marina Pedrosa, Cara Lucia, Jeremy Sims e Luiza Cardenutto.

Para saber mais clique aqui.

Gabriela Albuquerque25 Posts

Com formação em Letras e Crítica e Curadoria de Artes, Gabriela é daquelas pessoas que caminha pelo mundo prestando atenção em linhas, formas, cores e sons. Atualmente mora na capital dos EUA , Washington DC, de onde irá compartilhar impressões e descobertas dentro desse universo incrível que só a arte proporciona.

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password