Você sabe onde vieram os museus? Os gabinetes da curiosidade

O ‘gabinete de curiosidades’ é um ancestral do museu moderno que apareceu por volta do renascimento na Europa e teve um papel fundamental no desenvolvimento da ciência moderna, mesmo que eles não exercessem um papel propriamente ‘científico’. Não era raro se encontrar na coleção dos gabinetes sangue seco de dragão ou esqueletos de animais míticos. A popularidade do gabinete de curiosidades diminuiu durante o século XIX, uma vez que foi substituído por instituições oficiais e coleções particulares.

Vênus do período Paleolítico

Mas que era exatamente um gabinete de curiosidades?

Um gabinete de curiosidades – ou wunderkammer – armazenava e exibia uma grande variedade de objetos e artefatos, com uma inclinação especial para o raro, eclético e esotérico. Através desta seleção de objetos, ele contava uma história particular sobre o mundo e sua história.

Musei Wormiani

Os gabinetes comumente apresentavam antiguidades, objetos de história natural (como animais empalhados, insetos secos, conchas, esqueletos, herbários, fósseis) e até mesmo obras de arte. Em gabinetes de curiosidades, coleções eram muitas vezes organizadas em cerca de quatro categorias (nomes em latim):

  • Artificialia, que agrupava os objetos criados ou modificados por humanos (antiguidades, objetos de arte);
  • Naturalia, que incluía criaturas e objetos naturais (com um interesse particular para monstros);
  • Exoticas, que incluía plantas e animais exóticos; e
  • Scientifica, que reunia instrumentos científicos.

Naturalia, que incluia criaturas e objetos naturais, com um interesse particular nas monstruosidades

Nós não sabemos a procedência deste bezerro com duas cabeças do Museu de História Natural de Veneza. Os animais com múltiplas cabeças (polycephalous) têm a mesma origem como gêmeos siameses e sua malformação deriva, na verdade, de uma separação incompleta de gêmeos monozigóticos. Estes indivíduos são muitas vezes destinados a uma vida tragicamente curta devido a problemas com alimentação, respiração e movimento. Mas policefalia, embora rara na natureza, é amplamente documentada e representada na cultura, especialmente no que ocorre em répteis e anfíbios, mas também em mamíferos tais como seres humanos. Às criaturas Polycephalous são tradicionalmente atribuídos poderes sobrenaturais de clarividência; na verdade, muitas divindades pertencentes a religiões politeístas são retratados como seres de várias cabeças.

Animalia e criaturas fantásticas

Basilisk do Museu de Historia Natural de Veneza

As pessoas acreditaram em basilisks desde os tempos antigos. “Basiliskos”, palavra grega para “pequeno rei”, que se refere ao rei das serpentes. Não foi até a Idade Média que o basilisco tornou-se uma criatura mítica. Um híbrido de um galo, um sapo e uma serpente. Ele supostamente se escondia em adegas, poços e lugares sombrios e tanto a sua respiração fétida e seu olhar macabro eram letais.

Até o século 17, a existência do mais terrível de todos os animais era raramente duvidada; basilisks foram o tema de dissertações e  nunca podiam faltar em um armário de curiosidades real na era renascentista.

 

Exóticas, que inclui plantas e animais exóticos

Chimera do Museu de História Natural de Veneza

Esta vitrine com pássaros está em exposição na Galeria de Aves do Museu de História Natural. Ela tem 1.80 de altura e contém mais de 100 pequenos pássaros brilhantes. Isto era muito comum na era vitoriana e constantemente procurado por colecionadores.

Infelizmente, a origem desta vitrine não é clara. O nosso melhor palpite é que ela veio do museu através do colecionador William Bullock, quando foi vendido em um leilão em 1819. No documento ‘Um companheiro para o Sr. Bullock’, seu armário de pássaros está listado como ‘a melhor coleção na Europa das aves’. Era dito que ‘pedras preciosas não podiam ser comparadas com estas jóias da natureza’. (Como os gostos variam ao longo do tempo, não?)

Armário de Pássaros

 

Scientifica, mostra uma coleção de instrumentos científicos

A ciência médica no período Edo (1603-1868) era uma mistura hábil de medicamentos tradicionais japoneses e ocidentais.

Precursores de instrumentos médicos contemporâneos, os instrumentos mostrados aqui combinam uso técnico e beleza estética. Hoje eles são mais frequentemente considerados como obras de arte e design, mostrando habilidade que desperta tanto a nossa curiosidade quanto as nossas emoções.

A parede da biodiversidade no Museu für Naturkunde de Berlim pode ser vista como uma versão moderna do gabinete de curiosidades. Digitalizado em gigapixel super-alta resolução, você pode ver aqui e explorar estes tesouros de perto.

Paulo Varella1487 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password