Por que pagar US$ 450 milhões por Salvator Mundi? Não foi pela pintura

Quem tem acompanhado um pouco o mercado de arte ja sabe que a pintura de Leonardo da Vince foi vendida por uma quantia alucinatória de US $ 450,3 milhões superando 4,5 vezes a o preço mínimo pedido pela pintura de US $ 100 milhões.

Desde  o acontecimento então, todo mundo com algum interesse em arte se sentiu compelido a lidar com o resultado inesperado de alguma forma, mesmo que apenas vocalizando o quanto este dinheiro poderia se dedicar a outros assuntos mais importantes.

Estamos acostumados com alguns valores elevados que aparecem de vez em quando em um leilão, mas US$450,3 milhões é um punhado de dinheiro acima o esperado para se gastar em uma pintura.

Isso não quer dizer que todos deveriam se preocupar com a solução da novela mexicana do mercado de arte que entrou em erupção novamente neste mês, assim como acontece sempre que um lote de leilão de alto perfil excede dramaticamente as expectativas.

Até agora ninguém sabe quem comprou a obra. Será que foi o Bill Gates com o dinheiro da Microsoft? Um rei dos Emirados com a riqueza riqueza do petróleo? Um multi-bilionário na China?

Grande parte porque as circunstâncias sugerem que o novo dono de Salvator Mundi não estava apenas interessado em adquirir o “Last da Vinci”, ou mesmo uma obra de arte de renome de qualquer tipo. Ele provavelmente tinha a intenção de adquirir o título de Colecionador mais famoso do mundo.

Então, quando o leilão superou US $ 267 milhões, o vencedor também sabia que ultrapassaria Ken Griffin, que teria comprado a obra de Willem de Kooning por US $ 300 milhões em um acordo privado no ano passado. De repente, o comprador ganhou a distinção de ter pago a soma mais alta por uma peça em QUALQUER venda. ( alguns especularam que Griffin poderia estar atrás da compra do da Vinci também.)

 

Aqui está a verdadeira parte de tudo isso: o leilão continuou subindo mais US $ 133 milhões após o valor de US $ 267 milhões. Isso equivale a metade do total anterior da obra de arte mais cara já conhecida por ter sido comprada nos tempos modernos.

O mais louco disto tudo é que US $ 30 milhões desse valor apareceu no lance final, quando o seu representante, Alex Rotter, deu um salto de US $ 370 milhões para US $ 400 milhões.

Esta não foi apenas uma aquisição. Esta foi, sem dúvida, a maior prova de diferença socioeconômica que as artes já viram, tornado possível por um nível obsceno de desigualdade de riqueza e interesse em consumo.

Ela pensando: Que mundo desigual que vivemos

 

 

Fonte: hyperallergic.com, artnet.com

Imagens: Getty images

 

 

Paulo Varella1238 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password