Atuação das mulheres na luta pelo direto à moradia é tema de evento no MIS

O que terá na mostra? Debate e making of do filme Era o Hotel Cambridge.

Onde vai ser? MIS.

É um bom programa? O MIS possui uma programação cultural diversificada voltada para todos os públicos e abre espaço para novos artistas, debates e atualidades, então vale a pena conferir. Dê uma olhada na agenda do Arteref para este dia também!

Quando? 8 de março de 2017.

Atuação das mulheres na luta pelo direto à moradia é tema de evento no MIS

Além de um debate, acontece a exibição do making of do filme Era o Hotel Cambridge, premiado longa dirigido por Eliane Caffé que narra a trajetória de refugiados recém-chegados ao Brasil que, juntos com trabalhadores sem-teto, ocupam um velho edifício abandonado no centro de São Paulo

No dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o MIS – instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo – traz um evento especial, Mulheres guerreiras, que discutirá a atuação das mulheres na luta pelo direito à moradia.  A entrada é gratuita, com retirada de senha na recepção do MIS a partir das 19h. O evento começa às 20h.

Mulheres guerreiras tem início com a exibição do making of do filme Era o Hotel Cambridge, dirigido por Eliane Caffé, que estreia nacionalmente no dia 16 de março e narra a trajetória de refugiados recém-chegados ao Brasil que, juntos com trabalhadores sem-teto, ocupam um velho edifício abandonado no centro de São Paulo.

A exibição do making of será seguida de debate com a diretora de arte do filme, Carla Caffé, a protagonista do documentário, Carmen Silva, da FLM – Frente de Luta por Moradia e a diretora do filme, Eliane Caffé. Também está prevista a participação de duas mulheres refugiadas, Ola AlSaghir, da Síria, e Mamie Pemba Bazonga, da República Democrática do Congo. No debate será abordada a luta pelo direito à moradia sob a perspectiva destas mulheres, mães, estrangeiras e refugiadas, a partir de suas experiências pessoais.

“A presença mais atuante e surpreendente dos movimentos de luta por moradia é feminina. São mulheres corajosas, agregadoras e sensíveis aos sofrimentos – e também às alegrias – de centenas de milhares de famílias que lutam dia a dia, no mundo todo, nos corredores dos prédios e terrenos abandonados pela especulação imobiliária. Carmen Silva, que representa no filme a mobilização do gênero feminino como a principal força transformadora do século XXI, dividirá neste bate-papo no MIS esta experiência com o público”, diz a diretora, Eliane Caffé.

“A mulher como figura centrada e acolhedora  se encarrega cada vez  mais com  a responsabilidade  da proteção. Assim, na necessidade, torna-se  a protagonista da defesa de direitos  pelos seus entes. Por  ser uma sobrevivente  sensível, permissiva e compreensiva, ao mesmo  tempo que se fortalece, agrega aos demais toda sua força intensa”, salienta Carmen Silva, que recebeu o prêmio APCA 2016, categoria Apropriação urbana, pelas ações desenvolvidas na ocupação Cambridge.

Saiba mais sobre as participantes do debate:

Eliane Caffé iniciou a carreira no cinema com os curtas Arabesco (1990) e Caligrama (1995). Em seguida, realizou os longas-metragens, Kenoma (1998), Narradores de Javé (2004),   O sol do meio-dia (2009) e Era o Hotel Cambridge; todos com prêmios importantes em vários festivais e mostras nacionais e internacionais. Também dirigiu séries e documentários para TV. Paralelamente ao cinema, a diretora dedica-se a coordenação de oficinas audiovisuais em zonas de conflito nas cidades e no interior do Brasil.

Carla Caffé, além de diretora de arte de Era o Hotel Cambridge, é arquiteta e ilustradora. No cinema, entre outros filmes, assinou a direção de arte do Central do Brasil (1998) e O primeiro dia (1998), ambos de Walter Salles;  Bossa Nova (2000), de Bruno Barreto e Narradores de Javé (2004), de Eliane Caffé. Desde 2010 é professora de desenho na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Escola da Cidade e nas Oficinas de Criatividade do Sesc Pompéia.

Carmen Silva, Diretora da FLM – Frente de Luta por Moradia – atua no filme Era O Hotel Cambridge como protagonista fazendo o papel de si mesma. É uma das principais lideranças na cidade de São Paulo no movimento em favor dos sem-teto, pelo direito à moradia. Para superar uma situação de violência doméstica, Carmen Silva mudou-se da Bahia para São Paulo e ela mesma foi uma sem-teto. Imigrante, com oito filhos, entrou na luta pela reforma urbana e constituiu vários oásis de solidariedade e respeito em São Paulo.

Mamie Pemba Bazonga, de Kinshasa, República Democrática do Congo, vive há três anos no Brasil. Casada e mãe de duas filhas, Priscila de sete e Estrela, que completará um ano em 2017. Trabalhava como cinegrafista em seu país. No Brasil, ainda não conseguiu trabalho.

Ola AlSaghir nasceu na cidade Homs, Síria. E formada em administração de empresas, e considera-se uma refugiada desde o seu nascimento: “Meus pais eram palestinos, mas residiam na Síria quando nasci. Eles me ensinaram que a nacionalidade vem do sangue, das origens, portanto, as minhas raízes são palestinas”. Ao se casar em 2012, mudou-se para Damasco justamente no ano em que a guerra se intensificou e por isso precisou retornar para Homs, pois sua casa fora destruída. Vivendo em situação de guerra por três anos e já com um filho pequeno, resolveu embarcar para o Brasil com o marido com a esperança de poder começar uma nova vida, deixando sua família em sua cidade natal. Desde que chegou ao Brasil, em março de 2015, vem se dedicando à sua carreira profissional como cantora de música árabe. E, ao lado do marido também produz a Comida da Vovó Árabe.

Making do filme Era o Hotel Cambridge (Dir. Eliane Caffé, Brasil, 28’)

O making of traz diversas cenas e material de bastidores do filme Era o Hotel Cambridge. O filme conta a inusitada trajetória de um grupo de refugiados que divide com os sem-teto uma ocupação no centro de São Paulo. Na tensão diária pela ameaça de despejo, revelam-se pequenos dramas, alegrias e diferentes visões de mundo dos ocupantes.

Serviço
MULHERES GUERREIRAS

Making do filme Era o Hotel Cambridge + debate

DATA  08.03
HORÁRIO 
20h
LOCAL 
Auditório MIS (172 lugares)
INGRESSO 
Gratuito (sujeito à lotação da sala – retirada de ingressos com uma hora de antecedência na Recepção MIS)
CLASSIFICAÇÃO 
livre
DURAÇÃO 90 minutos

Museu da Imagem e do Som – MIS
Avenida Europa, 158, Jardim Europa, São Paulo | (11) 2117 4777 | www.mis-sp.org.br
Estacionamento conveniado: R$ 18. Acesso e elevador para cadeirantes. Ar condicionado.

Equipe Editorial2218 Posts

Os artigos assinados pela equipe editorial representam um conjunto de colaboradores que vão desde os editores da revista até os assessores de imprensa que sugeriram as pautas.

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password