Conheça as obras de Fernanda Junqueira em Petrópolis

A exposição que não pretende ser uma retrospectiva, apresenta um recorte na trajetória da artista. Serão apresentados em torno de dezesseis trabalhos entre pinturas, esculturas, fotografias em formatos variados (150 x 150 cm, 100 x 200 cm, 100 x 100 cm, 50 x 50 cm, 30 x 30 cm) das séries “Conjunto Vazio”, “Camarupa”, “Submersos” realizados entre 2002 e 2018.

A ideia da exposição é simples: revisitar algumas séries de trabalhos que a artista Fernanda Junqueira desenvolve desde 2001 até hoje (2018) – e que foram expostas durante este tempo individualmente em exposições coletivas e/ou exclusivas da artista.

O conjunto que pretendemos apresentar na galeria A2 + Mul.ti.plo, no Vale das Videiras (RJ), reúne obras representativas desse percurso. Algumas que a artista mantém no seu acervo e outras que foram revisitadas recentemente, como a série Camarupa Água & Nuvens, 2009/2017, em que as telas pintadas em 2009 unem-se em díptico com fotos realizadas na mesma ocasião (nunca antes ampliadas em papel até então). Dessa forma, uma nova configuração transforma poeticamente a ideia de Camarupa. Um desses trabalhos participa da exposição atual Feito Poeira no Ar, no MAR, Museu de Arte do Rio, no Rio de Janeiro.

Ao selecionar trabalhos da série Conjunto Vazio até a série Submersos, a exposição não pretende abarcar (nem poderia) uma produção que estende-se desde pequenos e sutis desenhos em papel até instalações – como a instalação Coletor de Sonhos realizada na Caixa Cultural, em 2010, ou, a mais recente, Jardins Submersos no Palácio Gustavo Capanema em 2014.  A mostra atual é um recorte para refletir sobre a visualidade de uma poética que se desenha no tempo e que, agora, temos oportunidade de apreciá-la na galeria A2+ Mul.tiplo.

Sobre a artista:

Artista plástica carioca, atuante desde meados da década de 1980, formada em Pintura pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e mestrado ( latu-sensu) no curso de Especialização em história da arte e arquitetura no Brasil pela PUC-RJ. De seu currículo constam diversos cursos nas áreas de arte e filosofia, cursos práticos de desenho, fotogravura e outros na Escola de Artes Visuais do Parque Lage e no MAM-RJ; curso de fotografia profissional no Senac; e curso de arte na educação na Escolinha de Arte do Brasil, no Rio de Janeiro.
Trabalhou na área cultural, no setor educativo da Fundação Raymundo Castro Maya, Rio de Janeiro, de 1982 a 1985; na Assessoria do Centro de Arte Hélio Oiticica, Rio de Janeiro, de 1997 a 1999; e na produção executiva de exposições de arte em diversas instituições nacionais.
Em 2000, recebe o Prêmio de Bolsa do 5º Programa de Bolsas do Instituto Municipal de Arte e Cultura do Rio de Janeiro, RioArte, com o projeto Conjunto vazio, um espaço topológico. A pesquisa iniciada com esculturas de grandes formatos em cerâmica possibilita uma série de investigações que resulta na realização de exposições individuais em amplos espaços, entre eles, o Paço Imperial, Rio de Janeiro, e o Centro Cultural Maria Antônia, em São Paulo, ambas em 2002-2003.
Em junho de 2013, o Prêmio Projéteis de Arte Contemporânea, Funarte-RJ, inaugura novas investigações com a instalação intitulada Jardins submersos, um espaço líquido, criada especificamente para o local, a Galeria Mezanino no Palácio Capanema, Rio de Janeiro. Em fevereiro de 2014, realiza a mostra Aquarelas submersas, na Galeria MUL.TI.PLO Espaço Arte, no Rio de Janeiro.

Entre as exposições coletivas, podemos destacar, em 2014, além das participações na Art-Rio e na SP-Arte com a Galeria Mul.TI.PLO Espaço Arte em 2013, 2012 e 2011: as coletivas Múltiplo+Múltiplo, Galeria Múltiplo Espaço Arte, Rio de Janeiro, 2013 e 2012; Arte Brasileira: além do sistema”, curadoria Paulo Sérgio Duarte. Galeria Estação, São Paulo, SP 2010; Projetos IN-Provados, com curadoria de Sonia Salcedo, Caixa Cultural Rio de Janeiro, 2010; Ar opaco – variações cariocas, Galeria Amarelonegro Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, 2009; Coletiva, Espaço Gávea Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, 2007; Núcleos Contemporâneos, Valu Oria Galeria de Arte, São Paulo, 2004; Quatro Matérias, exposição itinerante no Sesc, e Grande Orlândia, São Cristóvão, Rio de Janeiro, ambas em 2003; Pequenos Formatos, Escritório de Arte Mercedes Viegas, Rio de Janeiro, 2001; Desenho Contemporâneo – Quatro artistas brasileiros, Centro Cultural São Paulo e Caelum Gallery, Nova York, EUA, 1999, e Paço Imperial, Rio de Janeiro, 2000; MercoArte, Mar del Plata, Argentina, 1999; Gesto Mínimo, com curadoria de Luiz Sérgio Oliveira, Galeria de Arte UFF, Niterói, 1997; Influência Poética, com curadoria de Paulo Venâncio Filho, Paço das Artes, Belo Horizonte, e Paço Imperial, Rio de Janeiro, 1996.

Entre as principais exposições individuaisJardins Submersos, um espaço líquido – Prêmio Projetéis Funarte de Arte Contemporânea, Palácio Gustavo Capanema, Rio de Janeiro, 2014; Aquarelas Submersas, Galeria Múl.ti.plo Espaço Arte, Rio de Janeiro, 2014; Voluminosos, Galeria 90 Arte Contemporânea, Rio de Janeiro, 2005; Conjunto Vazio, Valu Oria Galeria de Arte e Centro Cultural Maria Antônia, ambas em São Paulo, 2003; Conjunto Vazio, Paço Imperial, Rio de Janeiro, e Galeria Sérgio Porto, Rio de Janeiro, 2002; Desenhos, Valu Ória Galeria de Arte, São Paulo, 1997; Centro Cultural São Paulo, e Galeria Macunaíma, Funarte, Rio de Janeiro, ambas em 1996; Galeria Paulo Cunha e Galeria de Arte Sesc, Rio de Janeiro, 1985.

 

Título: Fernanda Junqueira

Quando: até 02 de setembro.

Local: Galeria A2 + Múl.ti.plo

Endereço: Armazén das Videiras – Estrada Almirante Paulo Meira 8400, loja 5 – Petrópolis –  tel: (24) 2225 8753

Paulo Varella1489 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password