A Art Basel | Buenos Aires com o patrocínio do governo Argentino

A primeira etapa da programação da iniciativa “Art Basel|Cidades” é direcionada ao público local.

Na quarta-feira, uma delegação de 100 VIPs internacionais, curadores, colecionadores e diretores de museus, participou da recepção recepção borbulhante – atendida pelo curador do Museu Hirshhorn, Gianni Jetzer, Brett Littman, diretor do Centro de Desenhos de Nova York e colecionador Bruxelas Alain Servais, entre outros – marcou o lançamento do novo e nebuloso programa Art Basel Cities.

A colaboração experimental entre a feira, o governo local e as principais galerias e instituições busca elevar o perfil da cidade no cenário mundial do mundo da arte. Como o diretor global da Art Basel, Marc Spiegler, explicou no lançamento, a idéia é oferecer a Buenos Aires o “efeito Art Basel” – apenas sem a parte da feira de arte. Todo o programa foi desenvolvido com a participação de “key players” na cena local e assinado pelo governo.

“Todos os anos, a Miami obtém um estímulo calculado na receita de meio bilhão de dólares por causa da Art Basel Miami Beach“, disse Marc Spiegler ( diretor Global da Art Basel). “Nós nunca pedimos que eles invistam na feira, mas se tivéssemos, eles teriam ficado felizes”.

O projeto, financiado por meio de uma combinação de dinheiro público e patrocínio privado, é o resultado de dois fatores: um impulso por parte do governo local de Buenos Aires para expandir iniciativas artísticas e reformas mais amplas do mercado livre implementadas pelo presidente da Argentina, Mauricio Macri, que assumiu o cargo em 2015.

O negociante de artes Leopol Jose Maria Mones Cazon, da Galerie Isla Flotante, com sede em Buenos Aires, observou que, embora algumas galerias tenham participado de feiras e eventos de arte internacionais há anos, o mercado tem sido mais lento para se desenvolver dentro do país.

A cena da arte local foi invalidada por muitos anos por razões políticas”, disse Patrick Foret, diretor de iniciativas de negócios da Art Basel, referindo-se à longa história de políticas protecionistas do país. “Temos agora um governo na Argentina que é muito mais aberto ao intercâmbio internacional”.

 

Desenvolvimento profissional

O primeiro capítulo público da iniciativa iniciou este fim de semana com um programa de negociações e workshops destinados a oferecer ferramentas de desenvolvimento profissional para artistas e instituições locais.

Os eventos, que coincidem com a feira de arte ArteBA, serão realizados no recém-batizado Art Basel Cities House, um prédio das Beaux-Artes do século XIX, decorado como um hip-star. Portas francesas gloriosas  se misturam com longas mesas de trabalho comunais, almofadas de piso maciços.

Ao longo do fim de semana, Art Basel acolherá 33 horas de oficinas e sessões de coaching na casa com palestrantes, incluindo Pablo Leon De La Barra, curador do Guggenheim, Victoria Noorthoorn, diretora do Museo de Arte Moderno em Buenos Aires e Hans Ulrich Obrist, diretor artístico das Serpentine Galleries em Londres.

Cosmin Costinas e Frances Wu Giarratano, do centro de arte contemporânea de Hong Kong, receberão uma aula principal na sexta-feira focada em como desenvolver uma audiência, enquanto Stefan Benchoam, do museu pint-size da Cidade da Guatemala, NuMu, se concentrará em modelos alternativos sem fins lucrativos.

Chega de Feiras

Spiegler estava ansioso para reiterar que, apesar do “estado pré-feira”, a empresa não tem planos de lançar uma nova edição da feira Art Basel em Buenos Aires – pelo menos não agora, ou no futuro próximo. “Há uma capacidade limitada para o mundo da arte gerar trabalho suficiente para preencher uma quarta feira Art Basel com o mesmo nível de qualidade”.

“Para Buenos Aires, a idéia é que o investimento da cidade que será recuperado através do desenvolvimento econômico, bem como a coisa muito valiosa de se posicionar como uma capital cultural. Felizmente, nos tendo como parceiros, podemos trazer muita receita “.

La Boca, Buenos Aires

Na verdade, com os empreendimentos anteriores da Art Basel, o dinheiro do patrocínio é abundante. A empresa anunciou esta semana que seu patrocinador de longa data, a UBS, atuaria como patrocinador principal do programa Cities. Audemars Piguet, BMW e Chandon também assinaram. A iniciativa também conseguiu garantir o patrocínio de empresas locais como o VIP Club dos Aeropuertos, a Bodega del Desierto e a Bodega Colomé, reforçando ainda mais seu orçamento de programação não divulgado.

 

Fonte: Artnet

Paulo Varella1227 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password