Hegel e a relação mestre-escravo em que vivemos

Georg Wilhelm Friedrich Hegel

A dialética mestre-escravo é o nome comum de uma famosa passagem do livro Fenomenologia do Espírito, de Georg Wilhelm Friedrich Hegel (baixe o livro aqui). Embora a expressão alemã original, Herrschaft und Knechtschaft, seja mais adequadamente traduzida como Domínio e escravidão. Este tema é amplamente considerado um elemento-chave no sistema filosófico de Hegel e influenciou fortemente muitos filósofos subseqüentes.

A passagem descreve o desenvolvimento da autoconsciência como se fosse o resultado de um encontro entre dois seres distintos e também autoconscientes; a essência da dialética é o movimento ou movimento de reconhecimento, no qual duas autoconsciências são constituídas, cada uma delas sendo reconhecida pelo outro. Esse movimento, inexoravelmente levado ao extremo, toma a forma de uma “luta até a morte” na qual um quer dominar o outro, apenas para descobrir que tal ação faz o próprio reconhecimento de que o que ele procurava ser impossível, já que o mestre, nesse estado, não é livre para oferecer a liberdade.

Contexto

“Autoconsciência Independente e Dependente: Senhorio e escravo” é a primeira de duas seções intituladas no capítulo “Autoconsciência” da Fenomenologia. É precedido no capítulo por uma discussão sobre “Vida” e “Desejo”, entre outras coisas, e é seguido por “Livre Autoconsciência: Estoicismo, Ceticismo e a Consciência Infeliz”.

Hegel escreveu essa história ou mito a fim de explicar sua ideia de como a autoconsciência dialeticamente se sublima no que ele refere-se como Conhecimento Absoluto, Espírito e Ciência.

A obra sobre Fenomenologia pode ser considerada como um trabalho independente, aparentemente considerado por Hegel como um a priori para a compreensão da Ciência da Lógica, e como parte da Ciência da Lógica, onde Hegel discute o conhecimento absoluto.

O mito de Hegel

Para explicar como isso funciona, Hegel usa uma história que é, em essência, uma história abstrata e idealizada sobre como duas pessoas se encontram. No entanto, a idéia de Hegel do desenvolvimento da autoconsciência da consciência, e sua sublação em uma unidade superior em conhecimento absoluto, não é o cérebro contornado da ciência natural e da biologia evolutiva, mas um constructo fenomenológico com uma história; um que deve ter passado por uma luta pela liberdade antes de se perceber.

A linguagem abstrata usada por Hegel nunca permite que se interprete essa história de maneira direta. Pode ser lido como a autoconsciência chegando a si mesma através do desenvolvimento de uma criança ou adulto, ou a autoconsciência chegando ao início da história humana (ver hominização) ou como a de uma sociedade ou nação realizando a liberdade.

Que a dialética mestre-escravo possa ser interpretada como um processo interno ocorrendo em uma pessoa ou como um processo externo entre duas ou mais pessoas é um resultado, em parte, do fato de que Hegel afirma um “fim à antítese de sujeito e objeto”. O que ocorre na mente humana também ocorre fora dela. O objetivo e o subjetivo, de acordo com Hegel, sublimam um ao outro até que sejam unificados, e a “história” leva esse processo através de seus vários “momentos” quando o levantamento de dois momentos contraditórios resulta em uma unidade superior.

Primeiro, as duas consciências abstratas encontram-se e ficam impressionadas com a realização do eu como um objeto estranho. Cada um pode optar por ignorar o outro, caso em que nenhuma autoconsciência se forma e cada um vê o outro apenas como um objeto animado, em vez de um assunto equivalente. Ou, eles ficam hipnotizados pelo outro tipo de espelho e tentam, como já haviam feito antes, controlar seu próprio corpo, para afirmar sua vontade.

De acordo com Hegel,

“Ao aproximar-se do outro, perdeu seu próprio eu, já que se encontra como outro ser; em segundo lugar, sublocou o outro, pois essa consciência primitiva não considera o outro como essencialmente real, mas vê o seu próprio eu no outro. “

A filosofia de Hegel é uma das mais difíceis, então se você esta com dificuldades para entender, isto é normal…. Mas Vamos continuar.

Quando confrontados inicialmente com outra pessoa, o eu não pode ser imediatamente reconhecido: “Aparecendo assim imediatamente na cena, eles são um para o outro como objetos comuns, formas independentes, indivíduos submergidos no ser (ou imediatismo) da Vida”. ]

Luta de morte

Uma luta para a morte segue. Entretanto, se um dos dois morrer, a conquista da autoconsciência fracassará. Hegel refere-se a essa falha como “negação abstrata”, não a negação necessária. Essa morte é evitada pelo acordo, comunicação ou subordinação à escravidão. Nessa luta, o Mestre surge como Mestre porque não teme a morte, pois não vê sua identidade dependente da vida, enquanto o escravo desse medo consente com a escravidão. Essa experiência de medo por parte do escravo é crucial, no entanto, em um momento posterior da dialética, onde se torna a experiência pré-requisito para o desenvolvimento posterior do escravo.

Escravidão e domínio

A verdade de si mesmo como autoconsciente só é alcançada se ambos viverem; o reconhecimento do outro dá a cada um deles a verdade objetiva e a autoconfiança necessárias para a autoconsciência. Assim, os dois entram na relação de mestre / escravo e preservam o reconhecimento mútuo.

Contradição e Resolução

No entanto, este estado não é feliz e não atinge a plena autoconsciência. O reconhecimento pelo escravo é meramente sob pena de morte. A autoconsciência do mestre depende do escravo para o reconhecimento e também tem uma relação mediada com a natureza: o escravo trabalha com a natureza e começa a moldá-la em produtos para o mestre. Como o escravo cria mais e mais produtos com cada vez maior sofisticação através de sua própria criatividade, ele começa a se ver refletido nos produtos que criou, ele percebe que o mundo ao seu redor foi criado por suas próprias mãos, assim o escravo não é mais alienado de seu próprio trabalho e alcançando autoconsciência, enquanto o mestre, por outro lado, tornou-se totalmente dependente dos produtos criados por seu escravo; assim o mestre é escravizado pelo trabalho de seu escravo.

Como vivemos isto no nosso dia a dia?

Exemplo: Bens de consumo.

As vezes nos sentimos escravos dos bens de consumo e sujeitos aos mandos e desmandos do fornecedor deste bem. Entenda que esta relação é interdependente. O aumento do preço do Diesel pode ser um exemplo claro, onde o Mestre (Governo) aparentemente tem o completo controle sobre os preços, enquanto os caminhoneiros tomam o papel de escravo. Entretanto, a partir do momento em que o escravo se recusa a fazer o seu trabalho, o mestre se torna refém e os papéis ficam menos claros. Em um ponto da greve, o Mestre se viu em uma situação de perigo e foi obrigado a ceder.

Isto vale para todas as situações do nosso dia a dia, no trabalho e até nas relações entre nossos amigos e familiares.

 

Paulo Varella1473 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password