O Rio de Janeiro nos olhos de Kitty Paranaguá

Kitty Paranaguá traz poética do Rio de Janeiro à Janaina Torres Galeria

Fotógrafa carioca sobe os morros e projeta as imagens da cidade no interior das casas e sobre os corpos dos moradores, além de mostrar uma Copacabana múltipla, num registro emocionante e original

Autora de um trabalho que transborda poesia, fruto de sua relação com as pessoas, lugares e objetos que fotografa, a carioca Kitty Paranaguá apresenta, a partir de 22 de agosto, Campos de Altitude, sua primeira individual na Janaina Torres Galeria. Com uma carreira estabelecida há mais de 20 anos, Kitty expõe pela primeira vez em São Paulo, abrindo também a programação oficial paralela da SP-Arte/Foto/2017.

Além da série que dá nome à mostra, a artista também apresenta ao público paulistano Copacabana. Os dois ensaios trazem uma visão emocionante e original da fotógrafa sobre sua cidade natal, o Rio de Janeiro.

Campos de Altitude revela a cidade através de personagens que vivem na tensão morro-asfalto. Ao longo de um ano e meio, Kitty subiu os morros em busca de vistas que trouxessem a impressão das transformações urbanas ocorridas ao longo do tempo. As comunidades de Pavão Pavãozinho, Tavares Bastos, Chapéu Mangueira, Cantagalo, Vidigal e Rocinha foram algumas das representadas pela fotógrafa.

Para obter novos ângulos, a Kitty entrou na casa dos moradores das favelas e descobriu ali algo além de uma boa vista: pessoas, histórias, memória e afetividade. Como numa câmera escura, Kitty projetou as imagens capturadas dentro das casas e sobre os corpos dos próprios moradores. Sob o seu olhar, crianças, adultos e idosos ganharam novos contornos e suas casas, novas cores.

Como resultado, a artista alcançou um retrato inédito do Rio de Janeiro, obtido a partir da linha sutil entre a relação – ou dissolução – do exterior com o interior, com alto impacto estético e emocional. Kitty Paranaguá registrou também os depoimentos dos personagens, que integram a exposição por meio de um áudio aberto no espaço da galeria.

“A série se debruça sobre a ideia de mostrar a paisagem do Rio de Janeiro e saber quem são os personagens que, mesmo vivendo no limite da exclusão social, possuem as melhores vistas da cidade do Rio de Janeiro”, afirma Kitty. “A comunidade é uma extensão das moradias, as vidas se entrelaçam, o limite entre o privado e o público é bem tênue”, completa.

O título do ensaio vem de uma expressão usada na botânica, que se refere às “relíquias de vegetação”, onde vivem plantas raras e isoladas em um contexto distinto da flora dominante, assim como são os personagens, dentro da sua criação.

Com a curadoria de Diógenes Moura, Campos de Altitude foi um dos destaques da 10ª edição do FotoRio, encontro internacional de fotografia no  Rio de Janeiro, cujo intuito é valorizar a fotografia como bem cultural, dando visibilidade aos grandes acervos e coleções públicas e privadas, assim como à produção fotográfica contemporânea brasileira e estrangeira. Em outubro, a exposição segue para a China – foi eleita como representante do evento carioca no Festival Internacional de Fotografia de Pequim, cujo tema deste ano será ‘Origem e Imaginação’. A iniciativa é resultado de uma parceria entre as duas instituições. Recentemente, fotografias da série foram ainda doadas para o Museu de Arte do Rio (MAR).

 

Sem  título  (da  Série  Copacabana),  2008  -  13,  Pigmento  sobre papel de algodão, 30x40cm - 75x100cm 1
Sem título (da Série Copacabana), 2008 – 13 | Pigmento sobre papel de algodão | 30x40cm – 75x100cm

Copacabana

Também compõe a exposição a série Copacabana, outro importante trabalho da fotógrafa, que acaba de ser incorporado pelo acervo da Maison Européenne de la Photographie, em Paris, um dos principais espaços dedicados à fotografia contemporânea.

O ensaio retrata muitas Copacabanas, a partir de aspectos subliminares como paixões, humores e crenças, a série, feita na mítica praia, se distancia do aspecto estético da beleza natural, para incluir o fator humano e sensível, que cativa o olhar.

Para o artista Marco Antonio Portela, Kitty “nos coloca dentro de seus devaneios poéticos, em uma Copacabana que não é um lugar geográfico, mas um lugar dentro de todos nós”.

A série foi ainda eternizada em livro lançado em 2011, que traz não apenas os registros de Kitty, mas também textos do escritor e colunista Joaquim Ferreira dos Santos.

Sobre Kitty Paranaguá

Kitty Paranaguá iniciou sua carreira como repórter fotográfica no Jornal do Brasil. Em 2010, fundou o Ateliê Oriente. Suas obras retratam aspectos e espaços geográficos a partir da conexão que estabelece com suas paixões, crenças, humores e memórias. A fotógrafa tem obtido reconhecimento internacional. Exemplo disso é a já citada incorporação de 10 de seus trabalhos da série Copacabana no acervo da MEP, em Paris.

Campos de Altitude, de Kitty Paranaguá
Local: Janaina Torres Galeria
Endereço: Rua Joaquim Antunes 177, sala 11
Abertura: 22 de agosto, terça-feira,  das 19h às 22h
Período expositivo: de 22 de agosto a 30 de setembro
Horário de Funcionamento: seg a sex – das 10h às 19h  e sábados – das 11h às 15h
Entrada gratuita

Paulo Varella1185 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password