Saiba porque Beethoven seria um “crush” perfeito.

Ludwig van Beethoven (17 de dezembro de 1770 – 26 de março de 1827) perdura como um dos compositores mais influentes e amados de todos os tempos. Não somente isso, Beethoven direcionou toda sua arte e inspiração para construir algumas das cartas de amor mais impressionantes de todos os tempos.

Beethoven nunca se casou, mas aos quarenta e poucos anos se viu profundamente apaixonado por uma mulher misteriosa que permanece conhecida como “amada imortal” – termo delicadamente escolhido por ele para se dirigir à sua amada  em suas cartas. Sua verdadeira identidade estimulou a criação de livros, mas os historiadores atualmente acreditam que ela era Antonie Brentano – uma aristocrata vienense casada com um empresário de Frankfurt.

Estas cartas foram encontradas entre seus pertences pessoais, e nunca foram enviadas pelo correio – uma bela e trágica evidência para o fato de que o caso deles, como todos os assuntos, era atormentado e vitalizado pela consciência de que os dois amantes nunca poderiam ter um ao outro completamente.

Antonie Brentano

Em seu primeiro registro de  5 de julho de 1812, Beethoven escreve:

 

“Meu anjo, meu próprio eu … Por que essa profunda tristeza, quando a necessidade fala – pode o nosso amor suportar sem sacrifícios, sem exigirmos tudo um do outro?

Você pode alterar o fato de que você não é totalmente meu, que eu não sou totalmente seu? – Querido Deus, olhe para a Natureza em toda a sua beleza e acalme seu coração sobre o que deve ser – O amor exige tudo, e com razão… Sem dúvida nos encontraremos em breve; e hoje também o tempo me deixa sem saber os pensamentos que durante estes últimos dias esteve girando em torno de minha vida – Se nossos corações estivessem sempre intimamente unidos, eu certamente não nutria tais pensamentos. Meu coração transborda com um desejo de lhe dizer tantas coisas – Oh – há momentos em que eu acho que a fala é bastante inadequada – Seja alegre – e seja para sempre meu fiel, meu único amor, meu tudo, como eu sou seu. Os deuses devem nos enviar todo o resto, seja qual for e deve ser nosso destino – seu fiel Ludwig”

Na noite seguinte, Beethoven é um fervente caldeirão de saudade, a mais inebriante e desorientadora das emoções:

“Que vida!!!! Como é agora !!!! Sem você – perseguido pela bondade das pessoas aqui e ali, uma bondade que eu penso – que eu gostaria de merecer tão pouco quanto eu mereço – homenagem do homem ao homem – que me dói – e quando me considero no cenário de o universo, o que sou e o que é esse homem – a quem chamamos o maior dos homens – e ainda – por outro lado está o elemento divino no homem … Por mais que você me ame – meu amor por você é ainda maior – mas nunca se esconda de mim – boa noite – Querido Deus – tão perto! tão longe! O nosso amor não é realmente fundado no céu – e, o que é mais, tão fortemente cimentado no firmamento do céu?  “

Na manhã de 7 de julho, registra sua forte ansiedade e desespero:

“Mesmo quando estou na cama, meus pensamentos correm para você, minha amada imortal, de vez em quando com alegria, e novamente tristemente, esperando saber se o Destino ouvirá nossa oração – Para encarar a vida, devo viver completamente com você ou nunca ver você … Deus, por que alguém  que é tão querido deve estar separado. No entanto, minha vida em Vienna no presente é uma vida miserável – Seu amor fez de mim o mais feliz e infeliz dos mortais …”

E Beethoven finaliza sua carta assim:

Fique calma; pois apenas considerando calmamente nossas vidas, podemos alcançar nosso propósito de viver juntos – seja calma – ame-me – Hoje – ontem – o desejo sofrido por você – por você – você – minha vida – meu tudo – todos os bons votos para você – Oh , continue a me amar – nunca julgue mal o coração mais fiel de seu amante.
Sempre teu

Sempre minha

Sempre nosso

Se você é fã de romance, assim como eu, pode encontrar esta carta e tantas outras escritas no mesmo nível de intensidade, e que certamente farão rios de lágrimas rolarem pelo seu rosto no livro “ Para Sempre – 50 Cartas de Amor de Todos os Tempos”. O livro traz em seu interior cartas que em sua maior parte se concentram nos últimos três séculos do milênio passado. Nele contém  cartas não só  de autores brasileiros ou portugueses, mas também cartas originalmente escritas em latim, francês, inglês, entre outros idiomas de personalidade como  Cícero; Plínio, Tsui Inging; Henrique VIII; Sra. Shigenari; Voltaire; Beethoven; D. Pedro I; Victor Hugo, entre outros.

TAGS: Ludwig van Beethoven, Antonie Brentano

 

Paula41 Posts

Amante das belezas da vida, Paula sempre está por dentro do que está acontecendo no cenário cultural na cidade de São Paulo. Bacharel em Ciências e Humanidades e Técnica em Gestão Pública com foco em políticas culturais, Paula vem colecionando uma bagagem de conhecimentos nas áreas de Gestão Cultural e Jornalismo Cultural. Hoje Trabalha no programa de incentivo cultural Pro-MAC da Prefeitura de São Paulo

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password