Compreendendo o suicídio: sinais de alerta e prevenção

É hora de nós, como sociedade, falarmos abertamente sobre o sério impacto dos desafios do suicídio e da saúde mental. O suicídio é um assunto difícil de ser discutido por muitas pessoas, embora ocasionalmente seja trazido à opinião pública em casos como a morte de Antony Bourdain.

Os números por trás do suicídio são surpreendentes. As estatísticas mostram que quase 40.000 pessoas morrem de suicídio nos Estados Unidos a cada ano. Os Centros para controle e prevenção de doenças o listam como a décima principal causa de morte nos EUA. De fato, pode-se estimar que um jovem morra de suicídio a cada duas horas. Um dos fatos mais desencorajadores sobre o suicídio é que a maioria das pessoas que tentam o suicídio nunca procura ajuda ou ajuda profissional.

Mortes por suicídio não afetam apenas a pessoa que termina sua vida. O suicídio também tem um impacto negativo nos amigos, familiares, conhecidos e comunidade deixados para trás. Evitar efetivamente o suicídio é difícil e dificultado pelo estigma associado a ele. No entanto, uma melhor conscientização e compreensão podem ajudar a reduzir o que é um grave problema de saúde pública altamente evitável. É essencial que as atitudes do público mudem e damos as boas-vindas a outras pessoas para compartilhar sua dor e buscar ajuda quando necessário.

Para avançar nas discussões e compreensão sobre o suicídio, é útil dissipar os mitos comuns sobre o suicídio.

Mitos sobre o suicídio

1. Suicídio não é um problema global.(Sim é!)

Isto simplesmente não é verdade. Apenas cerca de 5% dos suicídios em todo o mundo acontecem nos EUA. A Organização Mundial de Saúde estima que 800.000 pessoas morrem por suicídio todos os anos, o que equivale a cerca de uma morte por suicídio a cada 40 segundos. Enquanto algumas culturas, grupos sociais e idades têm taxas mais altas de suicídio, o suicídio apresenta um problema em todas as culturas, sexos e idades. De fato, muitas pessoas pensam passivamente sobre o suicídio em um ponto ou outro, já que a dor e o sofrimento internos tendem a pesar sobre quase todos de uma vez ou outra.

2. Se alguém falhar em uma tentativa de suicídio, ele ou ela não tentará novamente.(Sim tentará!)

Quase 20% das pessoas que morrem por suicídio fizeram pelo menos uma tentativa anterior de suicídio. Na verdade, os indivíduos que tentaram o suicídio uma vez correm maior risco de tentar novamente. Qualquer pensamento ou comportamento suicida deve ser considerado uma preocupação séria. As pessoas que se sentem suicidas precisam de apoio imediato para trabalhar em direção a uma resolução. A terapia, às vezes em conjunto com a medicação, provaram serem eficazes na prevenção de múltiplas tentativas de suicídio.

 

3.Se alguém resolveu terminar a sua vida, não pode ser dissuadido.(Sim, pode!)

A maioria das pessoas que pensa em suicídio não quer morrer; eles simplesmente querem acabar com a dor que estão experimentando. Embora haja alguns casos em que ninguém poderia prever um suicídio, na maioria dos casos, se  ajuda e apoio necessários forem dados a uma pessoa disposta a aceitar, um resultado poderá ser evitado. É possível que pessoas que são suicidas mudem de ideia; Terapia, encorajamento, amor incondicional e intervenções psiquiátricas podem ajudá-los em seu caminho para a recuperação.

4. Perguntar a alguém se ele se sente suicida pode encorajar tentativas de suicídio.(Não!)

Ter uma conversa séria sobre suicídio com alguém não cria nem aumenta o risco de morte. Conversar com alguém sobre sua ideação suicida pode realmente ajudar a diminuir o risco. A maneira mais apropriada de identificar a possibilidade de um suicídio é perguntar diretamente. Discutir abertamente e ouvir atentamente os pensamentos suicidas de alguém pode dar-lhes uma fonte de alívio e pode ser importante para ajudá-los a prevenir o risco imediato de suicídio.

5. As pessoas que falam sobre suicídio não tentam ou completam.(tentam sim!)

As pessoas que falam sobre seus pensamentos suicidas podem tentar o suicídio no futuro, por isso é essencial que você não descarte qualquer conversa sobre suicídio de outras pessoas. A maioria das pessoas que morrem por suicídio confiaram em alguém nos dias ou semanas antes de sua morte. Ouvir, oferecer apoio e ajudar alguém que é suicida a obter ajuda profissional imediata pode salvar vidas.

Sinais de alerta

Quando os desafios da vida estão além da nossa capacidade de lidar, podemos vivenciar um estresse extremo.

Quando a angústia emocional parece insuportável, o pensamento de uma pessoa pode tornar-se nebuloso e pode levá-la a sentir que a morte é a única opção.

Eles podem sentir que ninguém pode ajudar, o que pode levar ao isolamento social e agravar ainda mais a angústia e a sensação de estar preso e sem esperança, levando a pensar que o suicídio é a única opção.

Quando alguém mostra algum dos seguintes sinais sérios de alerta,  devemos imediatamente obter ajuda de um provedor de saúde mental ou serviços de emergência, como a polícia:

  • Fazendo ameaças para machucar ou se matar
  • Buscando formas ou meios de se matar
  • Falar ou escrever sobre morte, morte ou suicídio

Os seguintes sinais podem apresentar uma situação menos urgente, mas não devemos hesitar em entrar em contato e obter ajuda para a pessoa que mostra qualquer um destes:

  • Expressando desesperança e perda de propósito em viver
  • Mostrando raiva ou raiva ou buscando vingança
  • Comportamento imprudente
  • Sentindo-se preso
  • Aumentando o uso de álcool ou drogas
  • Retirada de amigos, família ou sociedade
  • Sentindo ansiedade ou agitação ou tendo mudanças dramáticas de humor
  • Lutando para dormir ou dormir o tempo todo
  • Sentindo que eles são um fardo para os outros

Nem todo mundo que tenta cometer suicídio deixa os outros saberem de suas intenções, mas a maioria mostra sinais de alerta como esses. Então leve esses sinais a sério!

Mesmo que a ajuda profissional não esteja prontamente disponível, o poder de amigos e familiares  pode ser bem grande.

Prevenção

Aqui estão algumas coisas úteis que a família e os amigos podem fazer:

Ajuda com coisas concretas. Se a pessoa está passando por uma crise que afeta sua segurança e necessidades básicas, ofereça-se para fornecer ajuda tangível, mas deixe que a pessoa escolha aceitá-la ou não. Por exemplo, se alguém se torna suicida devido à perda de um emprego, ajudá-lo a encontrar vagas de emprego oferece opções de escolha e ajuda a libertá-lo de se sentir preso.

Pergunte se eles estão considerando suicídio. Quando você está preocupado que alguém está angustiado e mostrando sinais de alerta de suicídio, pergunte se eles estão considerando suicídio. Fazer isso pode ser desconfortável, mas é melhor descobrir perguntando diretamente se eles estão considerando o suicídio. Pode abrir a porta para a pessoa falar sobre seus problemas e preocupações.

Exemplos de tais questões podem ser “Isso parece muito para qualquer um manipular. Você está pensando em suicídio? ”Ou“ Com todas essas dores que você está vivenciando, estou imaginando se você está considerando o suicídio. ”Se elas não são suicidas, elas provavelmente o informarão.

Se você sentir que eles não estão abertos com você sobre pensamentos suicidas, fique de olho nos sinais indiretos. Você pode ficar com a pessoa até que ela possa se abrir para você.

Fique com a pessoa e peça ajuda. Se alguém lhe disser que é suicida, fique com a pessoa e peça que falem com você sobre o que está incomodando. Se eles falam sobre métodos específicos e tempo para o suicídio, ajude a pessoa a contatar uma linha direta de crise ou departamento de emergência psiquiátrica local.

 

Aonde procurar ajuda imediata?

O CVV – Centro de Valorização da Vida realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email, chat e voip 24 horas todos os dias.

Home

 

Paulo Varella1489 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password