Granizo, o pão de trigo que escureceu o céu

De 15 de Junho a 01 de Julho de 2018, os coletivos Novo Teatro em Ruínas e Tela Suja Filmes, em parceria com a Desalambrar Filmes, apresentam estreia e temporada do projeto Granizo, O Pão de Trigo Escurece o Céu. A temporada será composta pela exibição do filme (em caráter de work-in-progress e seguido de debate), dias 15, 23, 29/6 as 19h30 e dia 30/6, as 18h30, na Oficina Cultural Oswald de Andrade, e apresentação da peça teatral dias 16, 24, 30/6 e 01/7, as 16h00, na Rua Tenente Pena (altura do nº 414, localizada a 13 minutos da Oficina Cultural Oswald de Andrade). A proposta de exibir o filme em caráter de work-in-progress, busca uma relação ativa e dinâmica do espectador também no cinema, sendo que a cada semana será exibido um corte distinto do filme, transformado a partir deste diálogo com o público.

 

Dramaturgia teatral e roteiro cinematográfico partem dos mesmos referenciais disparadores: os fragmentos da peça A Padaria, de Bertolt Brecht, o rascunho do libreto de ópera melodramática O Café, de Mário de Andrade, e o livro Os Despossuídos, de Daniel Bensaïd. O material levado a cena no teatro e cinema, inspirados pelos materiais disparadores que foram produzidos à partir da realidade, também dialoga com uma representação documental do tempo histórico atual, à partir da reunião de cinco pessoas que narram e reencenam o assassinato de uma pessoa que lutava contra uma injustiça cometida a uma mulher, mãe de 7 filhos, despejada e espoliada.

 

GRANIZO é um filme e uma peça teatral sobre derrotados e derrotadas. Narrados, ambos, em um beco sem saída, este também metáfora de um tempo em que vivemos. Um tempo sem saída? Esta é a premissa de provocação do trabalho. Afinal, é neste beco que a história é narrada por pessoas comuns, anônimas e que não possuem o poder de narrar em nosso mundo. Mas persistem em narrar. Resgata-se, portanto, a narrativa oral como resistência e disputa-se no teatro e no cinema contemporâneo, o espaço de narrar a história. Ao propor uma temporada híbrida, divide-se com os espectadores a pesquisa sobre o tema e sobre as duas linguagens artísticas, neste ensaio épico terceiro-mundista de cinema e teatro.

 

GRANIZO, O PÃO DE TRIGO ESCURECE O CÉU foi escrito e dirigido pelo cineasta e ator Renan Rovida. O elenco é composto por Natasha Karasek, Rafaela Carneiro, Rani Guerra, Rene Costanny e Talita Araujo, que investigam a atuação realista, épica e narrativa em ambas as linguagens – cinema e teatro. A direção musical e trilha sonora é de Bruno Menegatti e a preparação vocal de Rani Guerra, com músicas que narram, distanciam e acompanham a peça e o filme. Cássio Brasil e Ruth Melchior assinam a arte, dando unidade entre as duas linguagens. E a produção do filme e da peça fica a cargo de Maria Tereza Urias.

 

As duas Obras resultam do projeto Os Despossuídos da Padoca, contemplado pelo Edital ProAC de Artes Integradas em 2017, da Secretaria de Estado da Cultura, do Governo do Estado de São Paulo. E nesta temporada conta com o apoio da Oficina Cultural Oswald de Andrade – instituição da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo gerenciada pela Poiesis.

 

CINEMA

GRANIZO, O PÃO DE TRIGO ESCURECE O CÉU

Sinopse

Cinco despossuídos se reúnem num beco sem saída e narram uma história durante toda a noite. A história de uma derrota exemplar, como tantas derrotas anônimas dos subjugados do século XX. Uma mulher jovem se levanta contra uma injustiça cometida a outra mulher, mãe de sete filhos, despejada e apartada de seus únicos pertences. Uma reflexão crítica sobre nosso tempo e metáfora sobre tantas injustiças não narradas e naturalizadas em nossa história.

 

TEATRO

GRANIZO, O PÃO DE TRIGO ESCURECE O CÉU

Sinopse

Num beco sem saída no bairro do Bom Retiro, desempregados atuais narram uma história de injustiça e opressão do século XX. As personagens narram a história de um levante em uma esquina, na frente da padaria, pelo direito ao trabalho e, consequentemente, ao pão e ao teto: um levante pelas condições mínimas de sobrevivência.

 

Sobre os coletivos Novo Teatro em Ruínas e Tela Suja Filmes

 

O Novo Teatro em Ruínas foi formado em novembro de 2016 pela junção dos artistas Natasha Karasek, Renê Costanny e Renan Rovida, e desde então vem pesquisando o limiar entre Teatro e Cinema, o teatro épico e o cinema-ensaio, o documentário (no teatro e no cinema) e a tradição oral falada e cantada. Este é o primeiro trabalho que será apresentado ao público.

 

O Coletivo Tela Suja Filmes foi fundado em 2011 na cidade de São Paulo e atualmente é formado pelos artistas Maria Tereza Urias, Renan Rovida e Talita Araujo. O coletivo se dedica a pesquisar, produzir e exibir cinema popular e de baixíssimo orçamento. Nestes anos realizou o projeto As Veias Abertas do Cinema Latino Americano, contemplado pelo ProAC de Ações de Fomento ao Audiovisual, e produziu os filmes Entre Nós, Dinheiro (curta-metragem integrante da Competitiva Oficial do 34º Festival del Nuevo Cine Latino Americano de Havana e da 15ª Mostra de Cinema de Tiradentes ), Coice no Peito (curta-metragem exibido em inúmeros festivais entre os quais se destacam o 33º Festival Cinematográfico Internacional do Uruguai e 25º Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, e premiado no 1º Festival Internacional de Cinema de Caracas na Venezuela, 14ª Goiânia Mostra Curtas, Semana Paulistana do Curta Metragem, 1º Olha de Cinema de Curitiba, XI CineFest Gato Preto e 17ª Mostra de Cinema de Tiradentes), e Sem Raiz (longa-metragem integrante da Competitiva Oficial da 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes, da Competitiva de Novos Realizadores do 36º Festival Cinematográfico Internacional do Uruguai e integrante da Competitiva Panorama Latino Americano do 5º Festival Latino Americano de Cinema de Quito, Equador), todos dirigidos por Renan Rovida, e Capital/Interior (curta-metragem exibido na 20ª Mostra de Cinema de Tiradentes), dirigido por Danilo Dilettoso e Talita Araujo, os quatro filmes foram produzidos por Maria Tereza Urias.

Notas da Direção

 

No filme, pessoas comuns vão narrar em um beco que está separado do trem por um muro. Nesta noite narram como um fato grandioso, um acontecimento já naturalizado em nossa sociedade e vivido por muita gente comum. Portanto essa conotação grandiosa a fatos ordinários reforça um caráter da arte épica organizada por Bertolt Brecht e desenvolvida por tantos e tantas cineastas como Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, Ruy Guerra, Jorge Bodansky, Fernando Birri.

 

Na peça, o público se dirige ao mesmo beco que o filme usou como locação e assiste em cadeiras no asfalto, a narrativa de desempregados que lutam pelo mínimo: sobreviver. Cinco atrizes e atores narradores, contam e encenam essa história utilizando do próprio beco sem saída como metáfora do momento atual ao qual a história novamente chegou em nosso país e continente. Uma história contada sobre o século XX, no asfalto de nosso século.

 

Temporada GRANIZO, O PÃO DE TRIGO ESCURECE O CÉU

CINEMA (em caráter de work-in-progress)

Datas e Horários: 15, 23, 29/06/18 as 19h30 e 30/06/2018 as 18h30

Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade – Rua Três Rios, 363 – Bom Retiro

Duração: 60 min

Capacidade: 50 lugares

 

TEATRO

Data e Horários: 16, 24, 30/06 e 01/07/18 as 16h00

Local: Rua Tenente Pena (altura do nº 414) – Bom Retiro

Duração: 80 min

Capacidade: 20 lugares sentados (livre acesso na rua)

Entrada Gratuita (retirada de ingressos uma hora antes na bilheteria)

Classificação: 12 anos

Mais informações: 11 993322642 / telasujafilmes@gmail.com

 

Ficha Técnica

 

Realização

Novo Teatro em Ruínas e Coletivo Tela Suja Filmes

Em Parceria com Desalambrar Filmes

Direção Teatral e Cinematográfica

Renan Rovida

Dramaturgia e Roteiro

Renan Rovida

Colaboração no Roteiro

Bruno Mello Castanho

Direção de Produção Teatral e Cinematográfica

Maria Tereza Urias

Elenco da Peça

Natasha Karasek, Rafaela Carneiro, Rani Guerra, Rene Costanny e Talita Araujo

Elenco do Filme

Natasha Karasek, Rafaela Carneiro, Rani Guerra, Rene Costanny, Talita Araujo, Alice Mello, Anie Calixto Alves Eduardo, Bia Maneja, Carlota Joaquina, Clara Mello, Cristiane Lima, Emily Calixto Alves Eduardo, Fabiana Ribeiro, Gabriel Stippe, Iarlei Rangel, Lucas Guerra, Lucas Manejo, Gustavo Idelbrando, Janaína Silva, Letícia Garcia, Nina Dias, Nina Hotimsky, Rogerio Guarapiran, Rogério Bandeira, Ruth Melchior, Sebastião Garcia, Sergio Carozzi, Suelen Moreira e Thiago Calixto.

 

 

Paulo Varella1489 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password