A arte contemporânea Japonesa que você precisa conhecer

0
1645

 

Fonte:  http://benesse-artsite.jp

 

Esta semana decidi trazer ao Arteref  um pouco de Arte Contemporânea Oriental. Há poucos dias descobri Naoshima, Teshima Inujima,  que de uma forma bem resumida podem ser consideradas como territórios de produção de arte contemporânea de alta qualidade. Tratam-se de três ilhas japonesas que abrigam um projeto conhecido internacionalmente como “ Benesse Art Site Naoshima“, que  é o nome do coletivo de todas as atividades relacionadas ás arte realizadas pela Benesse Holdings, Inc. e Fukutake Foundation nas ilhas de Naoshima e Teshima na Prefeitura de Kagawa e na ilha de Inujima, na prefeitura de Okayama.

Esse território focado na criação de Arte Contemporânea surgiu em 1985 a partir da fusão das ideias de Tetsuhiko Fukutake, presidente fundador da Fukutake Publishing, que aspirava  criar um lugar no “ Mar Interior de Seto ”  onde pessoas  de todo o mundo poderiam se reunir; e de Chikatsugu Miyake, então prefeito principal de Naoshima, que sonhava em desenvolver uma área cultural e educacional na ilha. Daí inicia- se a construção de um mega projeto que já perdura há  cerca de 30 anos.

O principal foco deste projeto era criar espaços significativos, trazendo a Arte Contemporânea e a arquitetura em ressonância com a natureza intocada de Seto Inland Sea, uma paisagem com um rico tecido cultural e histórico.

Sabendo de tudo isso, busquei entender como se dá a configuração de cada um destes espaços, e conhecer quais artes e artistas contribuíram de forma significativa para este projeto

NAOSHIMA

Ilha de Nashima
Fonte: http://benesse-artsite.jp

 

A Ilha de Naoshima está no distrito de Honmura, e foi modelada pelas cidades que circundavam o castelo da época da guerra civil; e Tsumu’ura District, um porto de pesca com uma longa história desde os tempos antigos.

Esta ilha abriga a origem do projeto Benesse Art Site Naoshima  que nasceu do Naoshima International Campsite em 1989. Em seguida, inaugurou o Benesse House (1992), um estabelecimento que oferece quartos de hotéis e espaços dedicados à exibição de arte contemporânea.

Em 2004, inaugurou o Museu de Arte de Chichu como palco para apresentar uma compilação de todas as atividades artísticas realizadas em Naoshima até aquele ponto. Ao longo de muitos anos, a arte tornou-se arraigada com Naoshima e suas paisagens naturais.

Os habitantes da ilha colocaram a arte contemporânea no centro de seu profundo interesse pela história, cultura e também pelas próprias comunidades em que viviam. Ao mesmo tempo, aprofundaram ainda mais sua conexão com a região, dando seu apoio e colaboração. Em projetos locais, como o “Naoshima Noren Project ”(2004), onde penduravam uma variedade de cortinas noren japonesas em portões e corredores de entrada pela cidade; o “Projeto de Arroz Naoshima ” (2006), onde eles reiniciaram o processo de cultivo de arroz que havia sido parado em Naoshima por várias décadas; bem como confiar a gestão do “Naoshima Bath “, um estabelecimento de arte com uma instalação balnear criado em 2009, para a Associação de Turismo da Cidade de Naoshima.

 BENESSE HOUSE MUSEUM

 

http://benesse-artsite.jp

O Benesse House Museum foi inaugurado em 1992 como uma instalação que integra um museu com um hotel, baseado no conceito de “coexistência entre natureza, arte e arquitetura“. Projetado por Tadao Ando, ​​a instalação é construída em terreno alto com vista para o Mar Interior de Seto e possui grandes aberturas que servem para abrir o interior para um ambiente natural esplêndido. Além de exibir a pintura, a escultura, a fotografia e as instalações em sua coleção, o Museu também contém instalações locais específicas que os artistas criaram especialmente para o edifício, selecionando locais por conta própria e projetando as obras para esses espaços. As obras de arte do Museu são encontradas não apenas dentro de suas galerias, mas em todas as partes do edifício, bem como em locais espalhados ao longo da costa que faz fronteira com o complexo e na floresta próxima.  É um local verdadeiramente raro onde a natureza, a arte e a arquitetura se unem, em um ambiente que contém vários trabalhos específicos do local criados para os arredores naturais de Naoshima ou inspirados nos espaços arquitetônicos que eles habitam.

 

 

CHICHU ART MUSEUM

 

http://benesse-artsite.jp

Chichu Art Museum ou Museu de Arte de Chichu foi construído em 2004 como um sítio que nos faz  repensar a relação entre a natureza e as pessoas. O museu foi construído principalmente no subsolo para evitar afetar o belo cenário natural do mar interior de Seto. Obras de arte de Claude Monet, James Turrell e Walter De Maria estão em exposição permanente neste edifício desenhado por Tadao Ando. Apesar de ser basicamente subterrâneo, o museu deixa entrar uma abundância de luz natural que muda a aparência das obras de arte e o ambiente do próprio espaço com a passagem do tempo, ao longo do dia e ao longo das quatro estações do ano. Tomando forma enquanto os artistas e arquiteto refletiam ideias uns dos outros, o museu em sua totalidade pode ser visto como uma obra de arte muito específica do local

 

CONTRIBUIÇÃO DE TADAO ANDO

http://benesse-artsite.jp

Utilizando apenas concreto – o principal material empregado na arquitetura de Ando – aço, vidro e madeira, o desenho do Museu de Arte de Chichu é reduzido ao mínimo. Construído quase inteiramente no subsolo, o museu equilibra as qualidades contraditórias de ser não-monumental, mas altamente arquitetônico.

 

TESHIMA

http://benesse-artsite.jp

Localizada na parte oriental do Mar Interior de Seto, a cerca de 30 minutos de balsa de Takamatsu. No meio da ilha há a Montanha Danyama, que oferece uma vista deslumbrante do Mar Interior de Seto, bem como da Água da Nascente Karato, produzindo águas cristalinas que alimentam os campos de arroz em terraços. Ao longo dos anos, a indústria agrícola da região, incluindo o cultivo de arroz praticado desde os tempos antigos, a indústria pesqueira e a indústria de laticínios prosperaram com sucesso, fazendo com que Teshima se tornasse conhecida como uma ilha com abundância de comida, perfeitamente Nome japonês (T 島 = Teshima onde Te = abundância e shima = ilha). O despejo ilegal de lixo industrial, que começou na década de 1970, tornou-se um problema industrial de larga escala em todo o Japão. No entanto, hoje em dia, há uma usina de processamento de resíduos em Naoshima em operação, com o objetivo de restaurar a ilha ao seu estado original e reconstruir os estilos de vida de seus habitantes.

Teshima se tornou uma ilha que ofereceu uma grande oportunidade para a expansão da arte. Em consonância com a construção do Museu de Arte de Teshima, em 2010, os projetos de arte envolveram os habitantes locais para trabalharem juntos para a restauração de aproximadamente 10 hectares de áreas de pousio, com o objetivo de convertê-los em arrozais e cultivo agrícola. A área ao redor do museu de arte foi revivida com belas paisagens de arrozais. O museu de arte, com a forma de uma gota de água que acaba de cair no chão, mistura-se à paisagem dos campos de arroz com belas vistas do Mar Interior de Seto. Juntamente com os projetos “Les Archives du Coeur” (2010) e “Teshima Yokoo House” (2013), o objetivo da ilha é tornar-se um lugar onde as pessoas possam aprofundar seus pensamentos para encontrar o real significado da abundância através da arte.

 

TESHIMA ART MUSEUM

Unindo as visões criativas do artista Rei Naito e do arquiteto Ryue Nishizawa, o Teshima Art Museum fica em uma colina na ilha de Teshima, com vista para o Mar Interior de Seto. O museu, que se assemelha a uma gota de água no momento do desembarque, está localizado no canto de um terraço de arroz que foi restaurado em colaboração com os moradores locais.

 

http://benesse-artsite.jp

Estruturalmente, o edifício é constituído por uma concha de concreto, desprovida de pilares, contornando um espaço de 40 por 60 metros e com uma altura máxima de 4,5 metros. Duas aberturas ovais na concha permitem que o vento, os sons e a luz do mundo lá fora entrem nesse espaço orgânico, onde a natureza e a arquitetura se interconectam intimamente. No espaço interior, a água brota continuamente do solo em um movimento de um dia inteiro. Este cenário, no qual a natureza, a arte e a arquitetura se unem com uma harmonia tão ilimitada, evoca um conjunto infinito de impressões com a passagem das estações e o fluxo do tempo.

Em “Matrix” , obra de Rei Naito, no Teshima Art Museum, a água escorre do solo ao longo do dia. À medida que a luz, o vento e as vozes dos pássaros – às vezes também chuva, neve e insetos – entram pelas duas aberturas e entram em ressonância um com o outro, uma infinidade de expressões é revelada com o passar do tempo.

 

CONTRIBUIÇÃO DE RYUE NISHIZAWA

 

A arquitetura em forma de gotícula do Teshima Art Museum foi projetada pelo arquiteto Ryue Nishizawa.

É uma estrutura baixa de estrutura de concreto sem pilares ou colunas para suportá-la. A natureza circundante flui diretamente através das duas aberturas para o espaço interior orgânico e horizontal. Todas as plantas usadas aqui são ervas daninhas nativas crescendo em Teshima, de modo que o museu se torna parte do ambiente da área de Karato. Caminhando ao longo da avenida que leva ao museu, pode-se apreciar a bela vista e aprender sobre a história da região.

 

CONTRIBUIÇÃO DE MARIKO MORI

Tom Na H-iu é um antigo sítio celta de transmigração espiritual onde se considera que as almas gastam muito tempo até a próxima migração.

Inspirada por essa lenda e pelo fato de que humanos antigos construíram pedras eretas em muitos lugares do mundo inteiro, Mariko Mori criou um novo monumento que simboliza a vida e a morte em nosso tempo.

 

 

Este colossal objeto de vidro no meio da lagoa cercado por um bosque de bambus está ligado ao Observatório Kamioka (Super-Kamiokande) em Hida, Japão, por um computador, brilhando interativamente quando recebe dados de neutrinos gerados por explosões de supernovas (morte de estrelas).

Observando esta escultura projetando a luz dos neutrinos – a alma do universo – sobre a superfície da água, gera a sensação de que estamos ligados ao universo, ou mesmo que somos o universo, relacionando nosso viver no tempo eterno do tempo para Tom Na H-iu.

 

 

INUJIMA

 

Inujima está localizada a cerca de 2,5 km ao sul de Hoden, na parte sudeste da província de Okayama, sendo a única ilha habitada de Okayama. A área é conhecida pela produção de granito de alta qualidade (Inujima Mikage). Antigamente, Inujima tornou-se a fonte de pedra para os muros de pedra do Castelo de Edo, do Castelo de Osaka e do Castelo de Okayama, e até hoje suas pedras ainda são muito respeitadas em todo o país.

Depois das atividades de arte realizadas em Naoshima, o museu de arte Inujima Art Project Seirensho (atualmente Museu de Arte Inujima Seirensho) foi inaugurado em 2008 com base no conceito de “Usar o que existe para criar o que é ser”. O museu foi criado preservando e restaurando os restos da refinaria, que é um patrimônio designado de modernização industrial. Além disso, em 2010 ocorreu o lançamento do Inujima Art House Project, um projeto de restauração da cidade do diretor artístico Yuko Hasegawa e do arquiteto Kazuyo Sejima.

Inujima está repleta de uma série de galerias, feitas com uma variedade de materiais, como os telhados e materiais antigos de casas particulares antigas, tecido acrílico transparente e alumínio que reflete o cenário circundante, foram espalhados pela cidade para criar uma nova forma de exposição de arte. Este design permite que os visitantes e obras de arte, bem como as belas paisagens da ilha, sejam completamente integradas como um só.

 

 

 

MUSEU DE ARTE INUJIMA SEIRENSHO

 

 

Inspirando uma nova vida nas ruínas de uma antiga refinaria de cobre, no Museu de Arte Inujima Seirensho  são mostradas as obras criadas por Yukinori Yanagi, que usou Yukio Mishima como motivo, uma crítica vocal da modernização do Japão, juntamente com a arquitetura remodelada projetada por Hiroshi Sambuichi.

Utilizando as chaminés e os tijolos karami existentes na refinaria, bem como as energias solar, geotérmica e outras energias naturais, o projeto arquitetônico minimiza o impacto ambiental da construção. O edifício também emprega um sofisticado sistema de purificação de água que faz uso do poder das plantas. O projeto realmente abraça o conceito de uma sociedade baseada na reciclagem através de seu foco no patrimônio industrial, arquitetura, arte e meio ambiente.

 

CONTRIBUIÇÃO DE YANINORI YANAGI

 

Uma obra de arte que se expande em seis espaços separados, combinando o processo de projeto arquitetônico com um tema com Yukio Mishima, um romancista que foi um crítico vocal da modernização do Japão. Outrora uma força próspera contribuindo para a modernização do Japão, hoje restam apenas os vestígios da refinaria de Inujima. Este trabalho questiona a sociedade moderna do Japão e sua orientação futura.

Existe mais uma infinidade de elementos e informações que eu gostaria de compartilhar com vocês sobre este grande projeto de expansão da arte contemporânea japonesa mas é muito extenso e demandaria uma matéria especial para cada tema que engloba este gigante projeto.

Antes de partirem para a próxima matéria do Arteref, não deixem de compartilhar esta matéria com seus amigos e aproveitem para nos seguir nas redes sociais!

Deixem seus comentários!

FONTE: http://benesse-artsite.jp

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here