Como fazer sua arte valer mais dinheiro

0
156

O que eu vou escrever aqui são algumas dicas fundamentais para que a arte que você já criou ganhe um maior valor de compra no mercado

São métodos de mercado de arte 100% legítimos e testados em colecionadores (e compradores de arte em geral) que responderam e pagaram preços mais altos. Aqui eu vou falar exatamente quais são estas técnicas e como usá-los para melhorar o valor e desejabilidade de sua arte.

Para entender o conceito…

Pegue duas obras de arte idênticas; uma delas você não sabe nada a respeito enquanto a outra você tem um monte de informações.  Ambas as obras têm o mesmo preço, você gosta de ambas igualmente, e você pode comprar qualquer uma delas. Qual deles você prefere comprar?

Boas chances de ser a obra da qual você tem mais informações. Por quê? Porque quanto mais você sabe sobre uma obra de arte, melhor e mais profundamente você pode entendê-la e apreciá-la, e mais significado ela tem para você em vários níveis.

No que diz respeito ao mercado, quanto mais informação, história e contexto acompanham uma obra de arte, mais atraente é para os compradores. Por quê? No mínimo porque é mais fácil vender (ou revender) a arte que você pode dizer algo a respeito comparada à arte que você sabe pouco ou nada.

Em outras palavras, você agrega valor ao trabalho artístico, informando, enriquecendo e aprofundando as experiências que as pessoas têm quando vêem e aprendem sobre isso. Qualquer artista, incluindo você, pode agregar valor a qualquer obra de arte quase que instantaneamente, aumentando assim seu significado percebido aos olhos de compradores e colecionadores sérios, e muito possivelmente o preço que eles estarão dispostos a pagar por ela também. Os procedimentos indicados a seguir funcionam sempre. Aqui vai a lista:

Assine a sua obra

Se ela estiver já assinada, mas apenas pessoas que conheçam você podem ler a assinatura, assinar ou imprimir o seu nome de forma legível em outro lugar como no verso da obra, para que as pessoas que não conhecem quem você é também possam ler (por mais surpreendente que isso seja parece, nem todo mundo sempre saberá quem você é – então, certifique-se de que, se não conhecem, eles vão conseguir saber qual é o seu nome).

Você não pode fazer nada mais importante do que assinar sua arte de forma legível porque, sem exceção, a pergunta mais comum que as pessoas fazem quando vêem uma obra de arte é: “Quem é o artista?” E, dadas duas obras de arte idênticas, uma assinada e outra não, a assinada vale mais e será vendida por um preço maior do que a não assinada. Por quê? Quando um artista aplica seu nome a uma obra de arte, isso significa oficialmente que a obra foi aprovada pelo artista e está pronta para ser exibida em público.

Você pode assinar seu trabalho artístico no verso, na borda, no topo, incorporado na composição, em qualquer lugar. Não faz diferença. Seu nome não tem que se destacar ou interferir em nada, mas tem que estar lá e tem que ser legível. Se você tem uma assinatura ilegível e gosta, tudo bem. Mas deixe uma versão legível para quando a sua arte estiver longe de você, outros poderão saber de quem ela é. Mesmo que todos no planeta já saibam quem você é, mais cedo ou mais tarde, nascerão pessoas que não o farão. E se algum deles herdar ou adquirir seu trabalho não identificado, eles não saberão o que fazer com ele, porque eles não terão ideia de quem você é ou do quão famoso você se tornou.

Título

Você consegue imaginar um livro ou um filme ou uma peça de música sem um título? provavelmente não. Arte não deveria ser diferente.

Vamos novamente com a mesma hipótese: Dadas duas obras de arte idênticas, uma titulada e outra sem título, o que você preferiria possuir? Se você é como a maioria das pessoas, você escolheria aquele com o título. Por quê? Porque o título, pelo menos, dá uma pista sobre o que é a arte, enquanto você pode apenas imaginar o que está por trás do título sem título.

Se você não gosta de títulos ou não usa títulos, explique em algum lugar por que você não intitula seu trabalho artístico. Dadas duas obras de arte idênticas sem título, uma com uma explicação de por que é sem título e outra sem explicação, a maioria das pessoas escolherá aquela com a explicação do que a que não tem.

Coloque a Data

Alguns artistas não gostam de datar suas obras de arte porque acham que os compradores querem apenas as novidades, ou querem ser capazes de citar qualquer data que achem que os compradores querem ouvir, o que é possível.

Se for esse o caso, faça a data em segredo, em código, oculto nas composições, em seu diário, em uma lista de inventário. Quando você ficar velho e famoso, essas datas serão muito úteis, como para sua retrospectiva no MOMA. Dadas duas obras de arte idênticas, uma datada e outra não, o que você preferiria possuir? Experientes compradores de arte preferem saber sua idade para pode adivinhar se estão certos ou errados.

Outros fatos interessantes sobre as datas são que quanto mais conhecido ou mais famoso você for, mais significativas serão suas obras de arte anteriores em relação à sua arte atual e produção total. Os colecionadores experientes adoram dizer coisas como “O meu é anterior e mais formativo que o seu” ou “O artista fez o meu primeiro, e o primeiro é melhor que  o segundo”. Se você ficar realmente famoso, suas primeiras obras de arte significativas provavelmente em algum momento começarão a ser vendidas por mais dinheiro do que as suas posteriores. Quando você é jovem, os compradores querem o material novo e fresco; Quanto mais você souber e quanto mais progredir em sua carreira, mais eles tenderão a querer as coisas mais antigas. Se você puder, fica mais uma dica, guarde uma percentagem do seu melhor trabalho artístico inicial como uma forma de previdência para a sua velhice.

Numere a sua obra

Se você é um impressor, um artista digital, um fotógrafo, um escultor ou faz múltiplos de qualquer tipo, defina o tamanho da edição, nunca a altere e, consecutivamente, numere cada peça da edição. As pessoas que compram múltiplos esperam comprar tamanhos de edição definidos que nunca mudam. Não importa quão popular seja uma edição, nunca altere o tamanho da edição ou decida publicar uma nova edição. Ao fazer isso, você viola a confiança dos compradores originais e, na pior das hipóteses, pode comprometer a conveniência ou o mercado de sua arte.

Esteja ciente também de que os compradores relacionam tamanhos de edição com valor. Tudo o mais sendo igual, quanto menos houver, menor a edição, mais propriedade exclusiva se torna, e mais cada peça individual na edição tende a valer quando comparada a múltiplos com tamanhos de edição maiores. Antes de comprar, eles querem saber quantos existem, quais vão obter e, mais importante, que seus interesses estão protegidos por sua promessa de nunca mais voltar a usá-los.

Explique

As pessoas querem aprender coisas como a sua arte, o que significa ou comunica, como ela surgiu, o que acontece nela, o que a inspirou, como você teve a ideia, e assim por diante. Você não precisa exagerar e escrever um texto hermético e cheio de metáforas. Basta uma ou duas sentenças ou  parágrafos, em linguagem simples e cotidiana, é bom para a esmagadora maioria das pessoas que querem saber.

Você pode escrever uma breve explicação para séries específicas ou corpos de obras ou para cada peça individual. Ou, em geral, você pode explicar seu trabalho artístico em sua declaração, um catálogo de galeria, um ensaio, em um site, em postagens de mídia social ou em artigos ou entrevistas sobre sua arte.

Se você não sabe sobre o que é sua obra de arte, escreva sobre o seu processo, o que você pensa enquanto trabalha, como você começa, como você age, como você sabe que está feito e assim por diante. Qualquer coisa é melhor que nada. (Novamente) Dadas duas obras de arte idênticas, uma com o texto que acompanha e outra sem nada, aquela com o texto vale mais do que a que não tem. Da mesma forma, obras de arte com texto escrito pelo artista geralmente valem mais do que obras de arte com texto escrito por terceiros (embora, sob certas circunstâncias, comentários informados ou de terceiros famosos possam influenciar o valor também). Importante: tenha cuidado para não ficar impondo às pessoas o que sua arte deve significar para elas. Torne o texto uma expressão pessoal; as pessoas realmente apreciam isso. Diga-lhes o que significa para você e deixe que eles decidam o que isso significa para eles. No mínimo, você aprofundará a compreensão de sua conexão pessoal com seu trabalho.

Mostre sua obra sob um contexto maior.

Quando e onde você fez isso? O que você estava lendo? O que estava acontecendo em sua vida na época? Quem te influenciou? De quem é a música que você estava ouvindo? O que você estava pensando? O que estava acontecendo ao seu redor? O que te inspirou? Você estava feliz, triste, frustrado ou com raiva? É do seu período de laranja? Naquele ano você passou a viver fora da caixa? Você acabou de voltar de uma incrível viagem à Índia?

Colecionadores que compram arte contemporânea querem saber sobre você como pessoa, bem como querer saber sobre sua arte; eles querem entender como as experiências de sua vida impactam e influenciam seu trabalho. Saber algo sobre o artista e as circunstâncias que envolvem uma obra de arte aprofunda a experiência dessa arte (e o quanto ela valoriza ou estima).

Documente

Seu trabalho foi exibido, escrito, mencionado ou ilustrado on-line ou em publicações, incluído em um catálogo, recebeu um prêmio, selecionado por um júri, desfigurado por uma pessoa maluca, publicado em um site de terceiros, comentado ou criticado em alguma circunstância formal?

Esta informação é extremamente importante, especialmente com a passagem do tempo, e pode impactar substancialmente o valor. Por exemplo, dadas duas obras de arte idênticas, uma que foi exibida e a outra não, qual você preferiria possuir? Você estaria disposto a pagar um pouco mais pelo que foi exibido? Suponha que a exposição fosse importante. Você estaria disposto a pagar mais do que um pouco mais? Colecionadores experientes fariam, e eles fazem – o tempo todo.

Manter bons registros de sua arte e carreira artística é uma boa idéia, não importa como você olhe para ela. Isso inclui títulos, medidas, mídias, descrições, fotografias, vídeos, datas, horários, preços de venda ou nomes de compradores (quando possível) e quaisquer materiais publicados – online ou impressos – como críticas, resenhas, entrevistas e assim por diante.

Boa documentação da história e progressão de sua carreira artística é inestimável não só para você, mas ainda mais importante, para as futuras gerações, para não mencionar seu legado. Você nem sempre vai se lembrar de tudo, especialmente à medida que envelhece, e nem sempre vai estar por perto para responder às perguntas das pessoas sobre sua vida e arte, verificar quais obras de sua arte são realmente de você e não de alguém mais, e assim por diante. Ao fazer isso tudo agora, você salva todos os outros de tentarem juntar sua vida artística mais tarde.

Lista os ingredientes

As pessoas precisam saber de que arte é feita porque, à medida que envelhece, pode degradar, deteriorar, mudar a aparência, secar, encolher, rachar, ficar molhada, começar a cheirar, ficar suja, ficar empoeirada ou sofrer danos, e pessoas que restauração de arte (conservadores de arte) precisa conhecer seus ingredientes para efetivamente tratar, manter e preservar para todos os tempos. Inclua também instruções sobre como cuidar disso.

Aqui vai uma lista de mais alguns potenciadores de valor:

  • Tire uma foto de si mesmo segurando ou sentado ou em pé ao lado de seu trabalho artístico.
  • Faça um breve vídeo de você mesmo fazendo ou falando sobre sua arte.
  • Acompanhe quem é o dono do seu trabalho artístico. Quando o tempo da retrospectiva chegar, você ficará feliz por ter feito isso.
  • Fornecer informações impressas com cada peça de sua arte como sua biografia, currículo, declaração, explicação da arte e recomendar que os compradores mantenham tudo juntos. Dessa forma, quando sua obra mudar de propriedade, as informações também serão transmitidas e todos os futuros proprietários saberão exatamente o que eles têm.

 

Lembre-se sempre: você nunca fornecerá informações demais sobre uma obra de arte. Quanto mais fornecer, mais os compradores normalmente pagam e mais profunda será a conexão que eles terão com ela.

Conclusão.

É importante entendermos que as nossas obras ficarão neste mundo por muito mais tempo do que nós. Precisamos preparar o nosso trabalho para que outros possam aprecia-lo com mais profundidade. A lista acima é simples de ser realizada e adicionará um novo nível ao trabalho tanto para o presente quanto para o futuro.

Artigo anteriorComo ser um artista, segundo Louise Bourgeois
Próximo artigoCartas Extraordinárias
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here