Artista da Semana

5 fatos que você não sabia sobre Di Cavalcanti

Vida e obra do grande pintor carioca que idealizou a Semana de Arte Moderna de 1922

Por Equipe Editorial - junho 10, 2019
1480 0
Pinterest LinkedIn

Biografia e estilo

Emiliano Augusto Cavalcanti de Albuquerque, conhecido como Di Cavalcanti, nasceu no Rio de Janeiro em 6 de setembro de 1897. Era filho de Frederico Augusto Cavalcanti de Albuquerque e Melo com Rosalia de Sena. Foi pintor, ilustrador, caricaturista, gravador, muralista, desenhista, jornalista, escritor e cenógrafo.

Natureza Morta
Natureza Morta

Em 1917, muda-se para São Paulo, onde, além de frequentar a Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, realiza sua primeira exposição individual de caricaturas na redação da revista “A Cigarra“. Em 1919, trabalhou como ilustrador para o livro “Carnaval”, de Manuel Bandeira e, mais adiante, em 1921, ilustrou a “A Balada do Enforcado”, de Oscar Wilde.

Em 1923, o artista fez sua primeira viagem à França, onde atuou como correspondente do jornal Correio da Manhã e teve contato com obras e artistas das vanguardas, principalmente as de Pablo Picasso. Isso deu um novo direcionamento a sua obra: Conciliando a influência das vanguardas européias com a formulação de uma linguagem própria, adotou uma temática baseada em preocupações relacionadas às questões sociais e de caráter nacionalista, retratando temas como o carnaval, os trabalhadores operários, as favelas e mulheres negras.

Quadro Bordel de Di Cavalcanti
Bordel

Durante a década de 1930, apesar das participações em exposições coletivas, salões nacionais e internacionais e sucessivas prisões de caráter político durante o Governo Vargas, voltou à Europa em 1935 permanecendo lá por cinco anos.

Em 1940 ele retorna ao Brasil, visando a partir de conferências e escritos a combater o abstracionismo. Ao mesmo tempo continuava a expor no Brasil e no Exterior.

Mulher de Chapéu
Mulher de Chapéu

Entre as décadas de 1950 e 60 Di Cavalcanti participou da I e II Bienal de São Paulo, realizou exposições no MAM-RJ, Montevidéu (Uruguai) e Veneza (Itália) e publicou seu livro Memórias de Minha Vida.

Di Cavalcanti, um dos principais nomes do modernismo brasileiro, faleceu no Rio de Janeiro, no dia 26 de outubro de 1976.

Curiosidades

1) Seu contato com a arte se iniciou desde a infância. Aos 11 anos já era aluno do pintor Gaspar Puga Garcia e aos 17 publica sua primeira caricatura na revista Fon-Fon, onde passa a trabalhar como ilustrador.

Emiliano Di Cavalcanti - 1938 - óleo sobre tela, 116x81 cm
Emiliano Di Cavalcanti

2) É o idealizador e o principal organizador da Semana de Arte Moderna de 1922, na qual expõe 12 obras.

3) Fortemente engajado a questões sociais, no ano de 1928, filiou-se ao Partido Comunista do Brasil (PCB).

Mulheres da Bahia
Mulheres da Bahia

4) Funda em São Paulo, com Flávio de Carvalho, Carlos Prado e Antonio Gomide, o Clube dos Artistas Modernos em 1932, uma associação contra as agremiações artísticas da época.

5) Ilustrou livros de Oscar Wilde, Álvaro de Azevedo, Jorge Amado, Monteiro Lobato, Mário de Andrade e Vinícius de Moraes.

Principais obras

Obra de Di Cavalcanti

Cinco moças de Guaratinguetá (1930) Acervo MASP

Obra de Di Cavalcanti

Jesus (década de 40) Galeria 22

Premiações

  • Na II Bienal de São Paulo, em 1953, recebeu a láurea de melhor pintor nacional junto com Alfredo Volpi.
  • Foi homenageado com retrospectivas de suas obras tanto pelo Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro com uma exposição em 1954 quanto pelo Museu de Arte Moderna de São Paulo, em 1971.
  • Premiado na Mostra de Arte Sacra de Trieste, na Itália.
  • Em 1960, ganhou a medalha de ouro na Bienal Interamericana do México, onde teve uma sala especial para suas obras.
  • Premiado pela Associação Brasileira de Críticos de Arte

Fontes

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de