Artista da Semana

Janduari Simões: o fotógrafo da cultura popular brasileira

Saiba mais sobre seus trabalhos e da conversa exclusiva com nós do ArteRef

Por Equipe Editorial - agosto 19, 2019
175 0
Pinterest LinkedIn

Nascido em Itabuna-Ba, (07/09/1949), Janduari Simões começou a fotografar em 1975 no Museu Paraense Emílio Goeldi, ficando lá até 1978. Durante esse período, além do trabalho científico e documental, fotografou o Projeto Pixinguinha durante dois anos, sendo convidado a expor esse trabalho na FUNARTE no Rio de Janeiro.

Em 1980 foi estudar no Istituto Europeo di Design em Roma-Itália. Na volta, fixou residência em Salvador-BA e começou a trabalhar para a imprensa local: primeiro no jornal A Tarde; depois, no Jornal da Bahia. Tornou-se freelancer após esse período e passou a atender a revista Veja Bahia.

Ao retornar a Belém em 1989, desenvolveu trabalhos de documentação com o livro Iconografia da Pesca Ribeirinha e Marítima na Amazônia”; e, paralelamente, retomou o registro da Feira do Ver-O-Peso e seus mercados, no ano de 2000. Até 2002, em parceria com o jornalista Klester Cavalcanti, Janduari Simões voltou a fotografar para Veja com reportagens sobre a região amazônica. Após esse período, passou a contribuir com diversas revistas tanto brasileiras (Caminhos da Terra, Época, Você S.A, Nossa História, PZZ) quanto estrangeiras (Altair, Espanha; Travessia e Cidades, Portugal). Contribuiu também com o catálogo da exposição Unknown Amazonia do British Museum, Inglaterra.

Em 2019, voltou a participar do Prêmio Diário de Fotografia Contemporânea a convite da curadoria do Prêmio numa coletiva com artistas de outras edições no Museu da Universidade Federal do Pará (MUFPa).


Conversa com o ArteRef

Em resposta ao “que tem feito ultimamente?” Janduari nos respondeu: “Desacelerando, fazendo macro fotos no meu quintal, natureza. Além disso, fazendo a curadoria de um trabalho de dez anos sobre a Marujada Bragantina, que acontece no interior do Pará na cidade de Bragança. Essa curadoria é feita com um amigo, curador, da cidade. A ideia é a produção de um livro e uma expo, possivelmente intinerante”.

Janduari Simões; Marujada Bragantina-PA
Marujada Bragantina-PA
Crédito: Janduari Simões

“Sempre gostei dessas manifestações populares desde quando morava na Bahia mas, naveguei por outras ondas, principalmente fotojornalismo. Queria um tema para desenvolver um trabalho visual e encontrei a Marujada. Fiz também durante cinco anos um trabalho sobre Tambor de Mina, manifestação afro-religiosa que incorpora elementos do candomblé e caboclos e seres da floresta. Inclusive, fiz algumas publicações desse material ilustrando a matéria em jornais da Espanha e México”, completa o fotógrafo.

Procissao Marujada Bragantina - PA
Procissão Marujada Bragantina – PA
Crédito: Janduari Simões

Veja mais sobre o trabalho de Janduari Simões

Janduari Simões; Imagem do quintal
Imagem do quintal
Crédito: Janduari Simões

Atividades profissionais

  • Fotógrafo e laboratorista do mpeg 1975/1978;
  • fotógrafo no jornal “a tarde”, Salvador-BA 1982/1985;
  • fotógrafo no jornal da Bahia, Salvador-BA 1987;
  • freelancer para o jornal “amicizia-stuenti esteri” revista ucsei/4, Roma-Itália, 1981;
  • freelancer para Editora Abril (Veja, Exame, Superinteressante, Nova Escola, Veja Bahia);
  • freelancer da Editora Bloch (manchete, amiga, pais&filhos, ele&ela);
  • freelancer para Revistas: Visão, Afinal, Jornal “ O Globo”;
  • fotógrafo parceiro da Folha-Press – São Paulo.
BELEM, PARA, BRASIL - Gilberto Gil, Ginasio de Educaçao Fisica da UFPa, turne Ogum/Xango do disco com Jorgr Ben que estava no ginasio e fez show individual. 1976.
BELÉM, PARA, BRASIL — Gilberto Gil, Ginásio de Educação Física da UFPA, turnê Ogum/Xangô do disco com Jorge Ben que estava no ginásio e fez show individual (1976).
Crédito: Janduari Simões

Ilustrações

  • Cartaz promocional e capa do disco “Nativo”, de Paulo André Barata, Belém/Pará, 1978;
  • cartaz do show “Artistas” de Marisa Gata Mansa, Funarte-RJ, 1978;
  • capa do disco do cantor Gerônimo,  Salvador-BA, 1987 – 88              
  • cartaz promocional do show de João Gilberto, Salvador-BA, 1988;
  • reprodução fac-similar do livro “A monograph of the rhamphastidae or family of toucans”, de john gould, 1854, reeditado pelo mpeg, patrocinado pela Jari, CIA Florestal Monte Dourado, Belém-PA, 1992;
  • reprodução fac-similar do livro “plantarum brasiliae, icones et descriptiones” de joanne emanuelle pohl, 1827, reeditado pelo mpeg, patrocinado pela jari, cia florestal monte dourado, belém/pará, 1993;
  • capa do livro Plantas medicinais na amazonia de Maria Elisabeth Van Den Berg, coleção adolpho ducke, Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, 1993;
  • capa do disco “Não peguei o ita” de Nilson Chaves, Belém-PA, 1994;
  • capa do livro Frutas Comestivéis da Amazônia de Paulo B. Cavalcanti, coleção adolpho ducke, cnpq/Museu Paraense EmÍlio Goeldi, Belém-PA, 1996;
  • catálogo de Obras Sobre Papel do Museu de Arte de Belém, Belém-PA, 1997;
  • catálogo do acervo do Museu de Arte de Belém, “Tempo passado, Tempo presente”, Belém-PA, 1997;
  • catálogo da coletiva anual da associação dos artistas plásticos do Pará, “Antes e depois da chuva”, Museu de Arte de Belém, Belém-PA, 1998;
  • catálogo do acervo do Museu de Arte de Belém, “Ver o Peso – o que se narra, o que se vê”, Belém-PA, 1998;
  • ilustrações fotográficas na publicação Arte da Terra-Resgate da Cultura Material e Iconografica do Pará, publicado por Museu Paraense Emílio Goeldi/sebrae, Belém-PA, 1999;
  • ilustrações fotográficas do catalogo da III Rodada Brasileira de Artesanato, sebrae, Belém-PA, 2000;
  • ilustrações fotográficas no Guia philips, Amazônia/Brasil, publicado por Horizonte Geográfico, São Paulo, 10/2001;
  • ilustração de capa, miolo e artigo científico do catálogo da exposição Unknown Amazon, editado por Colin MCewan, Cristiana Barreto e Eduardo Neves, publicado por the British Museum Press/British Museum Company Ltd, Londres-Inglaterra, 2001;
  • iconografia da Pesca Ribeirinha e Marítima na Amazônia, livro de fotografias com texto da drª. Lourdes Furtado, editado pelo Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém-PA, 2002;
  • ilustração de capa e miolo do livro “Direto da selva, as aventuras de um reporter na amazonia” de Klester cavalcanti, editora geração editorial 2002;
  • ilustração de capa e miolo do livroViúvas da terra, morte e impunidade nos rincões do Brasil” de Klester Cavalcanti, ganhador do prêmio jabuti – categoria reportagem, 2004;
  • catálogo Fauna e flora do Parque Zoobotanico Getúlio Vargas, secretaria do meio ambiente da Bahia, 2008;
  • livro Parques da Bahia, patrimônio natural da Bahia, secretaria do meio ambiente da Bahia, 2009.

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de