Dança

Conheça Cláudia Müller e a sua dança contemporânea no SESC

Por Paulo Varella - novembro 19, 2018
1102 0
Pinterest LinkedIn

A partir de 20 de novembro, a artista Cláudia Müller apresenta no Sesc Avenida Paulista uma mostra com alguns dos seus trabalhos mais representativos. COLEÇÃO traz cinco obras de dança contemporânea e performance, incluindo a inédita Trabalho Normal, além de Dança Contemporânea em Domicílio; Caixa-Preta, Exhibition e HELP! Need Somebody.

Trabalho Normal

Composto por uma série de cinco ações, cada uma com a duração de uma jornada de trabalho convencional – oito horas (das 10h às 14h e das 15h às 18h) – Trabalho Normal parte de projetos de artistas que discutem o paradoxo da inutilidade da arte. Com um figurino que remete aos uniformes de grandes empresas, Cláudia Müller realizará ações inúteis e que não geram nenhum resultado ou produto do ponto de vista prático.

Inspirada na obra Paradoxo da Prática 1: às vezes fazer alguma coisa leva a nada, de Francis Alÿs, a artista ficará enxugando um bloco de gelo (dia 20 de novembro, terça). Já no dia 21 de novembro, quarta, Cláudia busca inspiração na obra Vestígios, de Marta Soares, para soprar com um canudo uma quantidade de açúcar. O artista Artur Barrio e sua obra 4 dias 4 noites é o mote da ação de quinta-feira, dia 22 de novembro, na qual a artista andará pela cidade em um trajeto pré-estabelecido, sendo que o público poderá acompanhar. Na sexta, dia 23 de novembro, Cláudia passará as oitos horas do seu trabalho chorando numa alusão a obra Projeto Umidades, da artista Brígida Baltar. Trabalho Normal se encerra no sábado, dia 24 de novembro, quando Cláudia Müller ficará sentada sem fazer nenhum movimento e sem dizer uma única palavra em uma menção a obra One year performance – cage piece, de Tehching Hsieh.

Para Cláudia Müller apresentar uma mostra com seus trabalhos é um reconhecimento, além de uma oportunidade de entender a linha temporal dos seus 30 anos de carreira a partir do resgate de algumas de suas obras. “Mostrar esses trabalhos tão significativos é a chance de olhar para cada momento onde nasceu cada um e fazer um diálogo com os dias atuais”, conta ela.

Dança Contemporânea em Domicílio

Imagine assistir uma apresentação de dança contemporânea sem sair de casa? Ou no local de trabalho, seja ele qual for? Ou ainda na praça, no restaurante? Levar a dança contemporânea aos locais onde ela não é esperada é justamente a proposta da obra Dança Contemporânea em Domicílio.

Concebida por Cláudia Müller há 13 anos, a ação propõe-se a “entregar” dança contemporânea em lugares inesperados. Durante esse tempo, entregas foram feitas nos mais diferentes lugares, do Brasil e do exterior. Com essa proposta, qualquer pessoa pode solicitar gratuitamente, no período de 21 a 27 de novembro, das 10h às 18h, via telefone (11) 99305-3294, em qualquer lugar que queira recebê-la. A dança tem duração de cerca dez minutos e acontece entre os dias 28 e 30 de novembro, em diversos horários (a partir das 10h).

Caixa-Preta

Ao lado da bailarina Juliana Penna, Cláudia Müller apresenta nos dias 1º e 2 de dezembro, sábado às 20h30 e domingo às 17h30, o espetáculo Caixa-Preta, que parte do conceito de que sempre há duas caixas-pretas nos aviões, uma que grava o som dos últimos trinta minutos de comunicação entre pilotos e controle, e a outra, os dados de navegação aérea. Acredita-se que o exame da caixa-preta após um acidente mostra imediatamente as suas causas, mas isso nem sempre acontece, pois tudo que está gravado ainda precisa ser interpretado. Quando encontrada, a caixa-preta é inserida num simulador de voo, de modo que possam ser revividos os fatos ocorridos.

Caixa-Preta integra dança contemporânea, performance e artes visuais, buscando uma linguagem própria para tratar dos interesses da peça.
Pretende-se questionar a promessa do ideal de aqui-agora, frequente nas artes cênicas. No entanto, o que acontece na cena é quase sempre marcado, repetido, ensaiado. O trabalho reside, então, em encontrar maneiras criativas de comunicar algo que não está presente. O original está perdido. Há um lapso entre o “original” e a versão.

Exhibition

Em Exhibition, que acontece dia 7 de dezembro, sexta-feira, às 20h30, a apresentação ocupa o posto de coadjuvante. Ganham destaque elementos como vernissage, coquetel, crítica e notícia. Encena-se um universo de aparências, e o espectador é levado a questionar aspectos geralmente ocultos nos trabalhos de dança. O que legitima uma obra de arte? O que se espera quando se vai a um espetáculo de dança? Na montagem, o espectador faz parte de um evento que se desdobra, culminando em acontecimentos imprevisíveis e incomuns em espetáculos de dança.

O espetáculo desenha uma coreografia de gestos estratégicos e políticos, trazendo para primeiro plano os movimentos de construção, distribuição e agenciamento de uma obra. O projeto problematiza a relação de forças e interesses que constituem o sistema da arte, dando visibilidade aos agentes deste sistema: o artista, o crítico, o curador, os espaços destinados à arte, o público e a mídia.

Workshop

Com o objetivo de preparar dez a quinze artistas para integrar a apresentação do espetáculo Exhibition, Cláudia Müller ministra uma oficina teórico-prática de 4 a 6 de dezembro, terça a quinta-feira, das 10h às 13h. No workshop serão abordados as relações entre a dança contemporânea, a performance, a intervenção e o processo de criação do trabalho. Nesta obra, as relações entre corpo/imagem, obra artística/produto são levadas ao extremo através de um irônico culto: um espetáculo destinado a investigar os mecanismos de produção e validação de um produto artístico. A Arte Conceitual, a Arte Relacional e a Crítica Institucional serão abordadas através de alguns artistas pela influência de suas propostas na dança contemporânea.

As inscrições gratuitas podem ser feitas até o dia 23 de novembro mediante envio de currículo resumido (10 linhas) e carta de interesse para o e-mail [email protected]. Público alvo: estudantes e artistas de dança, teatro e artes visuais. Os selecionados devem ter disponibilidade para comparecer a todos os dias de oficina e participar de ensaio e apresentação.

HELP! I Need Somebody

Com apresentações dias 8 e 9 de dezembro, sábado às 20h30 e domingo às 17h30, HELP! I Need Somebody é um convite para o encontro, trazendo o foco para o coletivo temporário formado quando um número de pessoas configura o chamado público. Uma pessoa no escuro de uma plateia é a primeira imagem que surge quando se pensa, tradicionalmente, no espectador. Quais as implicações de retirar o público do lugar de invisibilidade?

O espetáculo tem início desde a reserva de ingressos, feita diretamente com os artistas através do telefone/whatsapp (21) 99359-0073, até a confirmação do local de apresentação, que será agendando individualmente com cada participante.

Sobre Cláudia Müller

Artista-etc (termo conceituado por Ricardo Basbaum, que discute a natureza e a função do artista nos seus diversos papéis possíveis para além da produção de obras. Esta reflexão é apresentada no texto Eu amo os artistas-etc) com projetos desenvolvidos em dança, performance e vídeo, Cláudia Müller investiga as poéticas e políticas do encontro, as margens dos espaços tradicionalmente destinados à arte, a crítica institucional e o binômio visibilidade-invisibilidade nos processos artísticos. Doutoranda e Mestre em Artes pela UERJ (2012) e professora do curso de Dança da Universidade Federal de Uberlândia (UFU) atuou em cias. de dança em SP, RJ e na Alemanha (1990-2000).

SESC AVENIDA PAULISTA

  • Avenida Paulista, 119, Bela Vista, São Paulo
  • Fone: (11) 3170-0800
  • Transporte Público: Estação Brigadeiro do Metrô – 350m
  • Horário de funcionamento da unidade:
  • Terça a sábado, das 10h às 22h.
  • Domingos e feriados, das 10h às 19h.
  • Horário de funcionamento da bilheteria:
  • Terça a sábado, das 10h às 21h30.
  • Domingos e feriados, das 10h às 18h30.
  • Site: sescsp.org.br/avenidapaulista

 

Avatar

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de