Conheça a arte de Maria Tereza Louro

0
1105
Maria Tereza Louro
Maria Tereza Louro. foto: Aline Canassa

Biografia


Maria Tereza Figueiredo das Neves Louro é artista plástica, desenhista, pintora e mestre em Desenho e História da Arte. Estudou e foi professora da Faculdade Armando Alvares Penteado (FAAP).

Sua primeira exposição foi na coletiva 5 a 5, na Pinacoteca do Estado de São Paulo (PESP). Depois participou da 20ª Bienal Internacional de São Paulo e da Bienal de Havana.

Maria Tereza Louro 2

Suas primeiras exposições individuais ocorreram na Galeria SESC Paulista, em São Paulo. Obteve premiações no Salão Nacional de Arte de Brasília (Distrito Federal), na Bienal Nacional de Santos (São Paulo) e na Trienal de Osaka (Japão).

Também participou da Bienal de Cuenca – ganhou o Premio Desenho Latino-Americano, no Equador, e recebeu o Prêmio Jabuti na categoria infanto-juvenil pelo projeto gráfico do livro Maria Martins: Mistério das Formas, de Katia Canton, editado pela Editora Paulinas, em parceria com o Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP).

Em 2001, conclui mestrado em desenho e história da arte na Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo – ECA/USP. Leciona desenho no curso de artes plásticas da Faap.

Maria Tereza Louro -playa de santa maria
playa de santa maria

Comentário Crítico


O desenho é o meio de expressão escolhido por Maria Tereza Louro para tratar de assuntos tradicionais: a figura humana, a natureza-morta e a paisagem. Como nota a crítica de arte Rejane Cintrão, os desenhos revelam seu cotidiano afetivo: ela representa não só pessoas conhecidas, mas também elementos da natureza, como plantas, frutas e animais, além de portas e casas.

Maria Tereza Louro

No início dos anos 1990, Maria Tereza Louro expõe desenhos de grandes dimensões, em que parte da observação de um minúsculo peixe. Como aponta o crítico de arte Agnaldo Farias, o motivo é ampliado até atingir as dimensões de uma paisagem, e a artista emprega linhas grossas construídas por gestos largos. Em outras obras, o fragmento da natureza observado é mais extenso, como na série inspirada no paredão verde da Serra do Mar, de cujo cimo cai a linha metálica dos dutos de óleo que se ligam à Usina de Cubatão.

Ainda segundo o crítico, suas obras freqüentemente transbordam para o território da abstração. Por isso não se pode dizer ao certo do que tratam os desenhos: imagens ou idéias, representações ou signos, “coisa traduzida em linhas e manchas ou linhas e manchas tornadas coisas.” Em produção exposta em 2002, apresenta paisagens inspiradas no contato com a natureza em viagens realizadas a regiões montanhosas do Sudeste brasileiro e ao litoral norte de São Paulo, e também na observação da vegetação do quintal de sua casa.

Acervos

Centro Cultural Wilfredo Lam – Havana (Cuba)
Funarte – Rio de Janeiro RJ
Museo de Arte Moderno de Cuenca – Cuenca (Equador)
Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo – MAC/USP – São Paulo SP
Museu de Arte Contemporânea de Osaka – Osaka (Japão)
Museu de Arte de Santos – Santos SP
Museu de Arte Moderna – MAM/SP – São Paulo SP
Museu de Nara – Nara (Japão)

Exposições Individuais

1990 – São Paulo SP – Individual, na Pinacoteca do Estado
1990 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Sesc Paulista
1991 – São Paulo SP – Strictus, no MAC/USP
1994 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Paulo Prado
1995 – Santos SP – Individual, na Secretaria de Cultura
1996 – Belém PA – Individual, na Galeria Unama
1997 – Cuena (Equador) – Individual, no Museo de Arte Moderno
1997 – São Paulo SP – Individual, na Galeria de Arte São Paulo
1999 – São Paulo SP – Individual, na Galeria Nara Roesler
2002 – São Paulo SP – Entre dois, Duas. Una, na Galeria Nara Roesler

Exposições Coletivas

1984 – São Paulo SP – 2º Salão Paulista de Arte Contemporânea, no MIS/SP
1987 – Florianópolis SC – Aomar, na Casa da Alfândega
1988 – São Paulo SP – 6º Salão Paulista de Arte Contemporânea
1989 – São Paulo SP – 20ª Bienal Internacional de São Paulo, na Fundação Bienal
1991 – Brasília DF – Prêmio Brasília de Artes Plásticas 1991/12º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MAB/DF
1992 – Rio de Janeiro RJ – Prêmio Brasília de Artes Plásticas 1991/12º Salão Nacional de Artes Plásticas, na Funarte. Centro de Artes
1993 – Piracicaba SP – 25º Salão de Arte Contemporânea de Piracicaba
1993 – Santos SP – 4ª Bienal Nacional de Santos, no Centro Cultural Patrícia Galvão
1993 – São Paulo SP – Coletiva, no MAC/USP 
1994 – Belém PA – 13º Salão Arte Pará, na Fundação Romulo Maiorana
1994 – Piracicaba SP – Salão de Arte Contemporânea – prêmio aquisição
1994 – Rio de Janeiro RJ – Novos Noventa, no Paço Imperial
1994 – São Paulo SP – Paisagem, na Galeria de Arte São Paulo
1995 – Cuenca (Equador) – 5ª Biennal Internacional de Pintura – menção honrosa
1995 – Rio de Janeiro RJ – 15º Salão Nacional de Artes Plásticas, no MNBA
1995 – Santos SP – 5ª Bienal Nacional de Santos, no Centro Cultural Patrícia Galvão
1995 – São Paulo SP – Coletiva 34, na Adriana Penteado Arte Contemporânea
1995 – São Paulo SP – Coletiva, no MAM/SP
1996 – São Paulo SP – Avesso do Avesso, no Paço das Artes
1996 – São Paulo SP – Habitar, na no Centro Cultural da CEF
1997 – México – Maria Tereza Louro e Ariel Dawi, no Museo Municipal de Arte Moderno
1998 – Belo Horizonte MG – Terra e Mar a Vista, no Itaú Cultural  
1998 – Brasília DF – Terra e Mar a Vista, na Galeria Itaú Cultural  
1998 – Penápolis SP – Terra e Mar a Vista, na Galeria Itaú Cultural
1998 – São Paulo SP – Doações Recente, no MAM/SP
1998 – São Paulo SP – Viagens, no Itaú Cultural
1999 – São Paulo SP – Arte Brasileira sobre Papel na Coleção do Museu de Arte Moderna de São Paulo, no MAM/SP
2000 – São Paulo SP – O Lápis e o Papel, na Galeria Nara Roesler
2001 – São Paulo SP – Museu de Arte Brasileira: 40 anos, no MAB/Faap
2002 – Curitiba PR – Obras do Faxinal das Artes, no MAC/PR
2002 – São Paulo SP – Ópera Aberta: celebração, na Casa das Rosas
2002 – São Paulo SP – Portão 2, na Galeria Nara Roesler
2003 – São Paulo SP – Arteconhecimento: 70 anos USP, no MAC/USP 
2003 – São Paulo SP – Lugar de Encontros: Amélia Toledo entre nós, na Unicid
2004 – São Paulo SP – Novas Aquisições: 1995 – 2003, MAB/Faap

Artigo anteriorAnna Maria Maiolino e a Vanguarda
Próximo artigoComo vender arte online
Avatar
Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica em ajudar artistas, galeristas e colecionadores a terem um aspecto mais profissional dentro do mercado de arte internacional.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here