arte do dia

O manifesto de Mairle Ukeles e o devemos aprender com ela.

Por Paulo Varella - maio 18, 2019
3335 0
Pinterest LinkedIn

Mierle Laderman Ukeles (1939, USA) é uma artista residente em Nova York conhecida por sua arte feminista e orientada a serviços, que relaciona a idéia de processo na arte conceitual à “manutenção” doméstica e cívica.

“A manutenção tem a ver com a sobrevivência, com a continuidade ao longo do tempo. Você pode criar algo em um segundo. Mas seja uma pessoa, um sistema ou uma cidade, para mantê-la, você precisa continuar. Acho que uma coisa que devemos fazer é valorizar e aprender com aqueles que prestam este serviço. “

Mierle Ukeles

Um resumo sobre Mierle Ukeles

Por quase meio século, Mierle Ukeles tem produzido arte através de uma variedade de mídias e processos com o intuito de desafiar nossas idéias de trabalho, cuidado e práticas artísticas colaborativas.

Em seus primeiros trabalhos, Ukeles fez esculturas abstratas, confusas e corporais, mas foi sua entrada na maternidade que forneceu um catalisador para sua idéia mais significativa e duradoura de “arte de manutenção” e “artista de manutenção”. Ukeles entendia a maternidade e o trabalho doméstico como uma espécie de trabalho de manutenção e queria tornar esse trabalho visível enquadrando-o como uma prática artística.

Ela documentou seus encontros com diferentes tipos de trabalhadores de cuidados, incluindo trabalhos de limpeza e também realizou um trabalho grande de cuidado ambiental como no caso de seu projeto de longo prazo de regeneração de um aterro em Nova York.

Ideias principais

  • A contribuição mais importante e radical de Ukeles para a arte contemporânea é a “arte da manutenção”; a alegação de que o trabalho de cuidado é arte porque envolve criatividade; desafiador; trabalho emocional, assim como fazer arte faz.
  • Como parte do movimento feminista do início dos anos 1970, escritores como Sylvia Federici e Selma James iniciaram o movimento para reivindicar salários para a trabalha doméstica. Este movimento exigia salários para cuidar das crianças e fazer trabalhos domésticos que as mulheres estavam realizando sem serem pagas. Mierle também achou essencial reconhecer o trabalho árduo da maternidade, incluindo cuidar dos filhos e tarefas domésticas e sua arte continua sendo um dos documentos mais importantes e convincentes dessas tarefas comuns que são essenciais para manter os humanos vivos.
  • Ukeles expandiu a idéia de ready-made, afirmando não apenas que qualquer objeto encontrado pode se tornar arte, mas também que descobriu que ações, hábitos e atividades cotidianas, particularmente aquelas realizadas por mulheres e pessoas da classe trabalhadora, podem ser arte também.
  • Mierle Ukeles foi uma das primeiras artistas a trabalhar diretamente com grandes organizações municipais, como o Departamento de Saneamento de Nova York e as divisões de planejamento urbano, e ela acredita que a colaborações com essas organizações permitem que ela faça uma arte mais acessível e representativa dos espaços. onde ela trabalha.
  • A acessibilidade também é importante para os Ukeles em suas obras de Land art ou Earthworks, em particular seu projeto LANDING (1989-presente) de longo prazo, que recupera um aterro sanitário em Nova York.
  • Ukeles achava que as obras de arte de Land de pessoas como Robert Smithson e Michael Heizer eram muito difíceis de se chegar e experimentar, e por isso está trabalhando para fazer Earthworks que estão dentro ou perto das grandes cidades e são tão acessíveis quanto possível para os habitantes locais.

Second Binding (1964)

Second Binding é um trabalho escultural composto de uma massa de formas embrulhadas, recheadas tingidas de preto, vermelho, laranja, amarelo e marrom para dar a aparência de algo orgânico e carnudo.

Este trabalho é uma das várias esculturas que Ukeles fez enquanto frequentava o Instituto Pratt. O trabalho causou muita controvérsia na escola, com a administração exigindo que ele fosse retirado do estúdio de graduação ao considerar as esculturas “pornográficas” criadas por uma mulher “supersexual”.

Quando Robert Richenberg, seu professor favorito, ignorou esse pedido e eventualmente foi demitido de sua posição por conta das suas lutas pela liberdade, Ukeles ficou estremecida. A própria artista não foi expulsa como temia, no entanto, sentiu-se “extremamente mal recebida”, o que a levou a desistir do curso no semestre seguinte e mudar para a NYU onde terminou seus estudos em arte.

Falando sobre a saida da escola e esses primeiros trabalhos, ela disse:

“Eu quase desmoronei. Mas eu sabia que estava em algo muito importante. O trabalho tinha valor porque era o meu trabalho”.

Ela rejeitou a ideia de que essas obras abstratas viscerais eram “pornográficas” e consideravam essas “ligações” como “cápsulas de energia”, recheadas a ponto de explodirem com trapos, “como imagens de energia capturadas”.

Second Binding, Ukeles
Second Binding

O Manifesto da “arte da manutenção”, 1969

M A N I F E S T O FOR MAINTENANCE ART 1969!
Proposal for an exhibition “CARE”, MIERLE LADERMAN UKELES

Ideias

O instinto de morte e o instinto de vida:

O instinto de morte: separação; individualidade; vanguarda por excelência; seguir o próprio caminho até a morte – fazendo a sua coisa própria; mudança dinâmica.

O instinto de vida: unificação; o eterno retorno; a perpetuação e MANUTENÇÃO das espécies; sobrevivência dos sistemas e operações; equilíbrio.

Dois sistemas básicos:

Desenvolvimento e Manutenção.

O revés de toda revolução: depois da revolução, quem vai pegar o lixo na segunda de manhã?

Desenvolvimento: criação do indivíduo puro; o novo; mudança; progresso; avançar; excitação; voando ou fugindo.

Manutenção: mantenha a poeira longe do indivíduo puro, criação; preservar o novo; sustentar a mudança; proteger o progresso; defender e prolongar o avanço; renovar a emoção; repita o vôo;

Veja na íntegra o original do Manifesto de Ukeles.

Dress to Go Out/Undressing to Go In (1973)

Expandindo seu Manifesto da Arte de Manutenção, Ukeles começou a explorar a manutenção como arte documentando seu trabalho em casa e como mãe, incluindo tarefas repetitivas como limpar uma fralda suja ou vestir os filhos para sair de casa.

Ao elevar as tarefas domésticas ao campo da arte, ela chamou a atenção para a importância e a dificuldade do trabalho doméstico e do trabalho da maternidade.

Esta série de fotografias fornece uma descrição de momento a momento da tarefa de vestir e despir as crianças do artista, Yael de quatro anos e meio e Raquel de dois anos e meio de idade.

Há uma “qualidade apressada” na sequência, que demonstra o trabalho meticuloso, repetitivo e invisível de ser mãe, bem como a intimidade que existe em sua família.

O historiador de arte e teórico cultural, Andrea List, escreve que “a bela interação de corpos tocando, entrelaçando e se movendo sutilmente descreve o conhecimento intersubjetivo de uma mãe que está no ato de descobrir quanto de sua própria presença e apoio pode ajudar no desenvolvimento em constante mudança de seus filhos “.

Mierle Laderman Ukeles. Vestir-se para sair / despir-se para entrar, 1973 (detalhe); 95 fotografias em preto e branco montadas em foamcore com corrente e tecido. Cortesia de Smith College Art Museum, comprado com o fundo Judith Plesser Targan Class of 1953.

Nesta entrevista para o Artforum. A artista faz uma recapitulação das origens do conceito que a tornaram conhecida.

Outros trabalhos de Mierle Ukeles

Mierle_Laderman_Ukeles
Mierle Laderman Ukeles. Faço Arte de Manutenção uma hora todos os dias, de 16 de setembro a 20 de outubro de 1976; desempenho com 300 funcionários de manutenção, turnos diurnos e noturnos ao longo de seis semanas na 55 Water Street, Nova York; instalação no Whitney Museum Downtown, na 55 Water Street: 720 fotografias Polaroid montadas em papel, etiquetas impressas, adesivos com código de cores, sete textos manuscritos e datilografados, prancheta e botões personalizados; Geral (Cortesia de Ronald Feldman Fine Arts.)
Celebrações de Saneamento: Grande Final do Primeiro Desfile de Arte de NYC, Parte I: O Espelho Social, 1983; caminhão de coleta de lixo, espelho de vidro temperado e espelho acrílico; Criado em colaboração com DSNY. Cortesia da Artista.
Avatar

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Deixe um comentário

avatar
  Inscrever  
Notificar de