Carregando Eventos

« Todos Eventos

  • Este evento já passou.

IMS Paulista apresenta retrospectiva do cineasta Joaquim Pedro de Andrade

setembro 6 - setembro 23

Em cartaz a partir de 6 de setembro, a programação inclui a exibição de 14 filmes restaurados, além de debates e o lançamento de um roteiro pela editora Todavia

Por ocasião dos 30 anos do falecimento de Joaquim Pedro de Andrade (1932-1988), o IMS Paulista exibe, a partir de 6 de setembro (quinta-feira), uma mostra dedicada ao diretor. A retrospectiva abarca a sua filmografia completa em película, composta por 14 títulos. Todos os filmes serão exibidos em cópias restauradas em 35 mm.  Em cartaz até 23 de setembro, a programação evidencia as várias facetas da obra de Joaquim Pedro, diretor que, em diferentes formatos e estilos, se dedicou a refletir sobre as contradições do Brasil.

A mostra começa no dia 6 de setembro, às 19h, com a exibição de Guerra conjugal (1975), longa-metragem inspirado na obra do escritor curitibano Dalton Trevisan. Após a sessão, haverá um debate com o montador do filme, Eduardo Escorel (que montou também O padre e a moça,Macunaíma Os inconfidentes), e a pesquisadora Luciana Corrêa de Araújo, professora da UFSCar, que dedicou seu doutorado à obra de Joaquim Pedro. Outro destaque é a aula sobre Macunaíma (1969), ministrada por Carlos Augusto Calil, docente do departamento de cinema da ECA-USP. A aula será realizada no dia 13 de setembro, após a projeção do filme, marcada para as 19h. O pesquisador relembrará a importância deMacunaíma, filme baseado na obra homônima de Mário de Andrade.

A programação ainda inclui, no dia 21 de setembro, o evento de lançamento do livro O imponderável Bento contra o crioulo voador, roteiro nunca filmado de Joaquim Pedro, publicado pela editora Todavia. O roteiro conta a história de um homem santo que, em plena ditadura militar, levita sobre a sordidez política e moral de Brasília. O lançamento começa às 19h30, com a projeção de dois curtas do cineasta: Brasília, contradições de uma cidade nova (1967) e Vereda tropical (1977). Após a sessão, haverá um debate com Eliane Robert Moraes, professora do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH-USP, e Carlos Augusto Calil.

A renovação da filmografia do diretor foi o resultado de um projeto de restauração da sua obra completa, iniciado em 2003, com apoio da Petrobras. Os filmes, que apresentavam problemas como manchas, rasgos e riscos, foram recuperados em um processo de ampla organização, que gerou um box de DVDs, 14 internegativos e 70 cópias em 35 mm, que hoje podem circular e ser exibidas em mostras como esta.

No conjunto de títulos apresentados, uma característica marcante é o diálogo do diretor com a literatura. Ao longo de sua carreira, o cineasta realizou diversas adaptações literárias, sempre optando por uma postura crítica em relação às suas fontes inspiradoras. Segundo a pesquisadora Meire Oliveira, já em seu primeiro longa de ficção, O padre e a moça, baseado em um poema de Carlos Drummond de Andrade, “o cineasta parece afirmar, acima de tudo, que nunca faria uma simples adaptação literária; ao contrário, sempre buscaria uma alternativa questionadora de temas, estéticas e linguagens”, pontua em artigo publicado na edição de setembro da revista de cinema do IMS.

Em sua produção, também se sobressai a constante reflexão sobre o contexto político brasileiro, seja a formação da identidade nacional, expressa no “herói sem caráter” de Macunaíma, os traumas da violência colonial, investigados em Os inconfidentes (1972), ou mesmo o moralismo e a repressão do regime militar, metaforizados em Guerra conjugal. “Assistir, portanto, aos filmes de Joaquim Pedro é um ato político, especialmente se voltarmos à etimologia mais genuína da expressão e à máxima de Macunaíma: ‘Muita saúva e pouca saúde, os males do Brasil são’.”, afirma Meire.

Os ingressos para as sessões da mostra custam R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Confira mais informações sobre a compra de ingressos abaixo.

Sobre o diretor

Nascido em 1932, no Rio de Janeiro, Joaquim Pedro de Andrade conviveu, desde cedo, com figuras importantes da intelectualidade brasileira, amigos de seu pai, Rodrigo Melo Franco de Andrade, fundador do atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Em 1950, iniciou a graduação em física, na Faculdade Nacional de Filosofia. Nesse período, reativou o cineclube da escola e conviveu com cineastas como Paulo César Saraceni e Leon Hirszman. Em 1957, ingressou no mundo do cinema, tendo participado como assistente de direção em Rebelião em Vila Rica, dirigido por Geraldo e José Renato Santos Pereira. Em 1960, dirigiu o curta-metragem Couro de gato, integrado em 1962 ao longa-metragem Cinco vezes favela. Também fez parte de um dos núcleos fundadores do cinema novo, ao lado do grupo da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), do cineasta Cacá Diegues. Em 1963, lançou o documentário Garrincha, alegria do povo. Ao longo de sua carreira, dirigiu títulos consagrados, como MacunaímaOs inconfidentes e O homem do pau-brasil, seu último trabalho, inspirado na obra de Oswald de Andrade. O diretor faleceu em 1988, ano em que preparava a filmagem do clássico Casa-grande e senzala, do sociólogo Gilberto Freyre.

 

Retrospectiva Joaquim Pedro de Andrade
6 a 23 de setembro
IMS Paulista

 

Programação completa

6 de setembro

19h*
Guerra conjugal

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil,1975, 90′, 35 mm, cópia restaurada

*Sessão seguida de debate com Eduardo Escorel e Luciana Corrêa de Araújo

 

7 de setembro
18h
Garrincha, alegria do povo
Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1963, 58′, 35 mm, cópia restaurada

 

19h30
O padre e a moça
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1965, 90′, 35 mm, cópia restaurada

8 de setembro

18h*
O mestre de Apipucos

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil | 1959, 8′, 35 mm, cópia restaurada


O poeta do castelo

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil | 1959, 10′, 35 mm, cópia restaurada


Couro de gato

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1960, 12′, 35 mm, cópia restaurada


Cinema novo

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1967, 30′, 35 mm, cópia restaurada

*Os quatro curtas-metragens são exibidos, um após o outro, na mesma sessão

 

19h30
Macunaíma

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1969, 108′, 35 mm, cópia restaurada

 

9 de setembro

18h*

Brasília, contradições de uma cidade nova

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1967, 23′, 35 mm, cópia restaurada

 

A linguagem da persuasão

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1970, 9′, 35 mm, Cópia restaurada


Vereda tropical

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1977, 18′, 35 mm, cópia restaurada


O Aleijadinho

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1978, 22′, 35 mm, cópia restaurada

*Os quatro curtas-metragens são exibidos, um após o outro, na mesma sessão

 

20h
Os inconfidentes
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil,1972, 100′, 35 mm, cópia restaurada

 

13 de setembro
19h*
Macunaíma

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1969, 108′, 35 mm, cópia restaurada

*Após a sessão, haverá uma aula sobre o filme com Carlos Augusto Calil

14 de setembro

19h30
O mestre de Apipucos

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil | 1959, 8′, 35 mm, cópia restaurada


O poeta do castelo

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil | 1959, 10′, 35 mm, cópia restaurada


Couro de gato

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1960, 12′, 35 mm, cópia restaurada


Cinema novo

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1967, 30′, 35 mm, cópia restaurada

*Os quatro curtas-metragens são exibidos, um após o outro, na mesma sessão

 

21h
O homem do pau-brasil
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1981, 112′, 35 mm, cópia restaurada

15 de setembro

17h45*

Brasília, contradições de uma cidade nova

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1967, 23′, 35 mm, cópia restaurada

 

A linguagem da persuasão

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1970, 9′, 35 mm, Cópia restaurada

 

Vereda tropical

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1977, 18′, 35 mm, cópia restaurada

 

O Aleijadinho

Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1978, 22′, 35 mm, cópia restaurada

*Os quatro curtas-metragens são exibidos, um após o outro, na mesma sessão

 

19h30
Guerra conjugal

Joaquim Pedro de Andrade

Brasil,1975, 90′, 35 mm, cópia restaurada

 

18 de setembro

19h
Garrincha, alegria do povo
Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1963, 58′, 35 mm, cópia restaurada

 

20h30
O padre e a moça
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1965, 90′, 35 mm, cópia restaurada

21 de setembro
19h30*

Vereda tropical
Joaquim Pedro de Andrade

Brasil, 1977, 18′, 35 mm , cópia restaurada

 

Brasília, contradições de uma cidade nova
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1967, 23′, 35 mm, cópia restaurada

*A exibição dos dois curtas faz parte do evento de lançamento do livro O imponderável Bento contra o crioulo voador. Após a sessão, haverá um debate com Eliane Robert Moraes e Carlos Augusto Calil.

 

22 de setembro

19h30
Os inconfidentes
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil,1972, 100′, 35 mm, cópia restaurada

 

23 de setembro

19h30
O homem do pau-brasil
Joaquim Pedro de Andrade
Brasil, 1981, 112′, 35 mm, cópia restaurada

 

Ingressos

 

R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

 

Meia-entrada no IMS Paulista

 

Com apresentação de documentos comprobatórios para professores da rede pública, estudantes, crianças de 3 a 12 anos, portadores de deficiência, portadores de Identidade Jovem e maiores de 60 anos.

 

Cliente Itaú

 

Desconto para o titular ao comprar o ingresso com o cartão Itaú (crédito ou débito). Ingressos e senhas sujeitos à lotação da sala.

 

Vendas

 

Os ingressos do cinema são vendidos na bilheteria do centro cultural, para sessões do mesmo dia, e no site ingresso.com.

 

Devolução de ingressos

 

Em casos de cancelamento de sessões por problemas técnicos e por falta de energia elétrica, os ingressos serão devolvidos. A devolução de entradas adquiridas pelo ingresso.com será feita pelo site.

 

 

IMS Paulista

Avenida Paulista, 2424

São Paulo, SP, Brasil

11 2842 9120

 

Sinopses

O mestre de Apipucos
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1959, 8′, 35 mm – Cópia restaurada

Com roteiro estruturado sobre textos de Gilberto Freyre, o filme documenta o cotidiano do sociólogo em sua casa em Apipucos. O mestre de Apipucos e O poeta do Castelo, estreia de Joaquim Pedro de Andrade na direção, foram originalmente concebidos como um mesmo curta-metragem. A pesquisadora Luciana Corrêa de Araújo argumenta que o filme se construiria não apenas na oposição entre as personalidades filmadas, mas na diferença de linguagem entre as partes. “A primeira parte, dedicada a Gilberto Freyre”, escreve Araújo, “aproxima-se da linguagem do cinema mudo, deixando bem marcada a ligação entre os planos a partir de analogias, gestos, olhares que costuram as diversas atividades na rotina do sociólogo. Já os planos com Manuel Bandeira se articulam, sobretudo, pela continuidade das ações. São duas estratégias, ambas vinculadas à decupagem clássica, acionadas de maneira a servir os propósitos do cineasta na abordagem dos dois escritores. A continuidade, nos planos de Freyre, reforça a caricatura, a postura autoritária do senhor de engenho em meio a suas propriedades; nos planos de Bandeira, acentua o despojamento e a harmonia do poeta com seu mundo.” Sobre a divisão dos filmes, Joaquim Pedro relatou: “Parecia que o Gilberto era um ricaço e o Manuel não tinha um tostão. Isso aborreceu o mestre Gilberto, que escreveu um artigo chamado ‘Esnobe da riqueza?’, reclamando. A partir daí, separei os filmes para evitar esse tipo de resultado.”

[Íntegra do texto de Luciana Corrêa de Araújo para a revista Contracampo em: bit.ly/jpa-lca]

 

O poeta do Castelo
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1959, 10′, 35 mm – Cópia restaurada

“Há seis anos, cercado de refletores, cabos, trilhos e uma equipe de filmagem que se mexia nervosamente em seu pequeno apartamento, Manuel Bandeira descobriu que era um bom ator”, escreveu Joaquim Pedro de Andrade para o Suplemento Literário do Diário de Notícias, em 17 de abril de 1966. O diretor filma o padrinho e amigo Manuel Bandeira em seu cotidiano. Lidos pelo poeta, seus versos acompanham e ressignificam os gestos banais de sua rotina no pequeno apartamento em que vivia, no centro do Rio. No mesmo texto, o diretor diz ainda: “Se eu pudesse hoje fazer outro filme sobre Manuel Bandeira, não lhe pediria, como fiz antes, para que representasse o seu personagem diante da câmera como se ela não existisse. A técnica do cinema direto, desenvolvida recentemente, pôs bem a descoberto o artificialismo desse processo usado nos documentários posados tradicionais. Mesmo assim e ainda agora, acho que os dados da composição do filme, talvez por serem tão aparentes e declarados, funcionam como a proposição de um jogo, como na obra de ficção, e armam um processo eficiente para apreender e transmitir uma impressão verdadeira, ou pelo menos sincera, sobre o poeta filmado.”

[O texto completo de Joaquim Pedro, e outros textos sobre o filme, podem ser encontrados em: bit.ly/jpa_mb]

 

Couro de gato
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1960, 12′, 35 mm – Cópia restaurada

Quando o carnaval se aproxima, os tamborins não têm preço. Na impossibilidade de outro material, o instrumento é feito com couro de gato. O curta se tornou um episódio do filme Cinco vezes favela em 1962; antes disso, recebeu o Prêmio de Melhor Filme no Festival de Sestri Levante, na Itália, e, em 1995, fez parte da seleção Um século de cinema, do Festival de Curtas-Metragens de Clermont-Ferrand, na França, onde foram exibidos 100 filmes curtos que fizeram a história do cinema.

 

Garrincha, alegria do povo
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1963, 58′, 35 mm – Cópia restaurada

Em 1960, Joaquim Pedro deixou o Brasil para uma temporada de estudos na Europa e nos EUA. Realizou em Nova York um estágio na produtora dos irmãos Albert e David Maysles, figuras centrais do cinema direto, um estilo de documentário que buscava registrar personagens e contextos sem interferir ou encenar situações. O gênero guarda algumas semelhanças com o cinéma vérité (em português: cinema verdade), preconizado na mesma época por Jean Rouch, na França, que também considerava a própria interação entre equipe de filmagem e personagens como parte da construção de um filme. Em 1962, quando Joaquim Pedro voltou ao Brasil, foi convidado a dirigir um documentário sobre o jogador Mané Garrincha. Integrante da seleção brasileira de futebol, Mané foi campeão mundial nas copas de 1958 e 1962, mas ganhou particular destaque nesta última, quando Pelé se machucou logo no primeiro jogo, e Garrincha foi protagonista em campo. A proposta era fazer um filme nos moldes do cinema direto, mas a ausência de equipamentos adequados modificou o projeto inicial, e o documentário foi realizado principalmente a partir de imagens de arquivo. No livro Revisão crítica do cinema brasileiro, Glauber Rocha relaciona o filme ao cinema novo: ”Analisar Garrincha oferece os dados finais para concluir um capítulo sobre as origens do cinema novo no Brasil; dispensa ao mesmo tempo, diante do próprio filme, perguntas e respostas precipitadas sobre o que é este cinema novo. Garrincha é o novo cinema nacional, assim como Vidas secas e Sol sobre a lama. Poderia caracterizá-lo como um cinema de autor realizado numa expressão técnico-estética, em que ideia e mise-en-scène significam um corpo ativo de realismo crítico. […] Garrincha é um tipo de cinema verdade, e não cinema verdade como um tipo de cinema. Exigindo um rigor terminológico, eu proponho o cinema de autor como cinema verdade: para situá-lo como síntese do cinema novo.”

[O texto de Glauber e outros textos sobre o filme podem ser encontrados em: bit.ly/jpa-garr]

 

O padre e a moça
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1965, 90′, 35 mm – Cópia restaurada

Em seu livro Versiprosa, Carlos Drummond de Andrade escreve, sob o título “Em preto e branco”: “O padre e a moça no cinema./ Emoção mais funda quem há de/ sentir ante este filme-poema?/ Salve, Joaquim Pedro de Andrade!” Livremente inspirado no poema “O padre, a moça”, de Drummond, o primeiro longa-metragem de ficção de Joaquim Pedro de Andrade se passa em uma pequena cidade em Minas Gerais, na qual Mariana (Helena Ignez) se apaixona por um padre (Paulo José) recém-chegado em missão sacerdotal. No entanto, Honorato, homem mais rico da cidade, tenta proibir a relação e se casar com a moça. Nas palavras do diretor: “O padre e a moça é um filme de crise. Fui ficando cada vez mais sensível, ou atraído, por uma espécie de verdade nuclear na linguagem do cinema, nos assuntos tratados. Não queria perfumaria, nem falsas verdades, nem efeitos fáceis, nem nada disso. Fui chutando isso tudo pra corner. Então fiz O padre e a moça, um filme sobre a inibição, um filme amarrado, de negação; um filme todo criado por negação. Os planos são todos estáticos; o padre é um personagem quase mudo. O fato mesmo de eu ter escolhido um padre vem do manto de inibição que cobria aquele padre, que o impedia de transar com a vida de uma mulher mais aberta. E tudo isso integra o filme, está na base. É um filme em que não aparecem crianças, todo mundo é meio feio, muito torto. É um filme sobre o negativo.” Em 1966, o filme recebeu os prêmios de Melhor Direção, no Festival de Teresópolis, Melhor Fotografia, no Festival de Brasília, e o Prêmio de Qualidade do Instituto Nacional do Cinema. No mesmo ano, a estreia do filme foi marcada por um extenso embate com a censura, após reação de “autoridades eclesiásticas e de membros da tradicional família mineira”, como aponta pesquisa de Leonor Souza Pinto.

[Os textos podem ser encontrados na edição em DVD do filme, lançada pela Bretz Filmes]

 

Cinema novo
Improvisiert und zielbewusst
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1967, 30′, 35 mm – Cópia restaurada

Para Joaquim Pedro de Andrade, “este filme é mais uma prova do crescente interesse que os filmes do novo cinema brasileiro vêm despertando no exterior, sobretudo na Europa. Foi produzido e narrado por K.M. Eckstein para o Canal 2 da televisão alemã, funcionando como abertura e introdução para uma série de projeções de filmes de longa-metragem brasileiros, que atingiram grande número de espectadores europeus. Eckstein, que, em geral, além de produzir, também dirige seus filmes, preferiu neste caso entregar a um de nós a realização de Improvisiert und zielbewusst – literalmente Improvisação com objetivo determinado –, fazendo assim do próprio filme-reportagem uma informação a mais sobre o cinema novo brasileiro.” A versão brasileira do documentário, exibida nesta retrospectiva, teve patrocínio da Cinemateca do MAM, narração de Paulo José e texto de Maurício Gomes Leite. Com uma câmera Éclair 16 mm e um gravador Nagra, Joaquim Pedro acompanhou o processo de realização de seus colegas cineastas entre a filmagem de Terra em transe, de Glauber Rocha, a montagem de A opinião pública, de Arnaldo Jabor, o roteiro de Garota de Ipanema, de Leon Hirszman, a dublagem de Todas as mulheres do mundo, de Domingos de Oliveira, e o lançamento de A grande cidade, de Cacá Diegues.

 

[O texto completo de Joaquim Pedro de Andrade pode ser encontrado em: bit.ly/jpa-cn]

 

Brasília, contradições de uma cidade nova
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1967, 23′, 35 mm – Cópia restaurada

O filme reúne imagens de Brasília seis anos após sua inauguração e entrevistas com habitantes de diferentes extratos sociais. Uma pergunta estrutura o documentário: uma cidade inteiramente planejada, criada em nome do desenvolvimento nacional e da democratização da sociedade, poderia reproduzir as desigualdades e a opressão existentes em outras regiões do país? “A Olivetti convidou Joaquim Pedro para realizar um filme sobre Brasília e pediu que eu colaborasse com ele no roteiro, porque tinha morado na Novacap em 1965, quando era professor da UnB”, escreve Jean-Claude Bernardet, corroteirista e assistente de direção. “Falaram do interesse do diretor da Olivetti em produzir um filme de curta-metragem sobre a nova capital, disseram que tínhamos total liberdade, mas que deveríamos submeter-lhes o roteiro, que seria também enviado à Itália. Acrescentaram que não tínhamos que mostrar máquinas de escrever nem apresentar a loja da Olivetti em Brasília.” Segundo Bernardet, após uma mudança nas escalas de comando da Olivetti, o filme foi rejeitado pela empresa, que não queria problemas com o governo militar. Sem que tivesse sido anunciado, o filme foi exibido no Festival de Brasília, em 1967, no qual Joaquim Pedro recebeu uma menção honrosa. No dia seguinte à sessão, conta Bernardet, “Joaquim foi procurado por alguém, que o informou de que seria preferível não apresentar o filme à censura, pois não obteria o certificado e poderia haver consequências mais graves”. A cópia foi depositada na Cinemateca do MAM, no Rio de Janeiro.

[Íntegra do texto de Jean-Claude Bernardet em: bit.ly/jpa-jcb]

 

Macunaíma
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1969, 108′, 35 mm – Cópia restaurada

Macunaíma, uma adaptação da rapsódia de Mário de Andrade, é a história de um anti-herói, ou “um herói sem nenhum caráter”, nascido no fundo da mata virgem. Preto vira branco, troca a mata pela cidade, onde vive acompanhado de seus irmãos. Segue um caminho zombeteiro, conhecendo e amando a guerrilheira Ci e enfrentando o vilão milionário, Venceslau Pietro Pietra, para reconquistar o amuleto que herdara de Ci, o muiraquitã. “Escrevi duas adaptações, que me consumiram quatro meses, mais ou menos de fevereiro a junho de 1968. Na primeira, eu tentava racionalizar, de certa forma domar o livro. Mas as coisas colidiam. Iam em várias direções, e não se completavam. Já na segunda, quando entendi que Macunaíma era a história de um brasileiro que foi comido pelo Brasil, as coisas ficaram mais coerentes e os problemas começaram a ser resolvidos uns atrás dos outros. […] Procurei fazer um filme sem estilo predeterminado. Seu estilo seria não ter estilo. Uma antiarte, no sentido tradicional da arte. […] Não existem nele concessões ao bom gosto. Já me disseram que ele é porco. Acho que é mesmo, assim como a graça popular é frequentemente porca, inocentemente porca como as porcarias ditas pelas crianças.” (Joaquim Pedro de Andrade, material de divulgação para o lançamento comercial do filme, 1969)

 

Naquele ano, a censura exigiu classificação indicativa de 18 anos e impôs 15 cortes ao filme, a maior parte referente a nus, a palavrões e ao texto “Muita saúva e pouca saúde, os males do Brasil são”. Joaquim Pedro conseguiu negociar e reduzir o número de cortes. 10 anos após seu lançamento, Macunaíma foi relançado nos cinemas sem cortes e recomendado para maiores de 16 anos. No cartaz, a frase “Aaai que preguiça!!!” foi substituída por “Agora sem cortes!!!”.No Festival de Brasília de 1969, o longa recebeu os prêmios de: Melhor Ator (Grande Otelo), Melhor Coadjuvante (Jardel Filho), Melhor Argumento (Joaquim Pedro), Melhor Roteiro (Joaquim Pedro), Melhor Diálogo (Joaquim Pedro), Melhor Cenografia (Anísio Medeiros) e Melhor Figurino (Anísio Medeiros). Em 2004, sua cópia restaurada e sem cortes foi exibida no Festival de Cannes, na mostra Cannes Classics.

[Textos disponíveis em: bit.ly/jpa-mcn]

 

A linguagem da persuasão
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1970, 9′, 35 mm – Cópia restaurada

Quando José Carlos Avellar foi convidado pelo Senac para escrever o roteiro deste filme, ele era colega de Joaquim Pedro, ambos davam aula na Cinemateca do MAM. “Do que escrevi, lembro só da preocupação de contar o filme como se ele já existisse e de algumas imagens que sugeri (um painel diante de uma favela com o slogan “isto faz um bem!”, por exemplo). Entreguei o texto à produtora, e dias depois Joaquim me disse que havia sido convidado para dirigir A linguagem da persuasão. Combinamos que depois, durante a montagem, eu escreveria o texto de narração, seguindo as indicações do roteiro. Na moviola, depois de ver o filme quase pronto, conversamos sobre uma primeira versão do texto de narração, que Joaquim encontrou mais parecido com o tom de uma crítica de cinema que de uma narração. A moviola usada para a montagem foi a da Cinemateca, por isso as lembranças se misturam, o curso, a cinemateca, o cinema, o filme. Na verdade, durante o curso na Cinemateca falávamos de cinema todo o tempo, e não tenho na memória conversas específicas sobre este trabalho, que escrevi sem imaginar que seria filmado por Joaquim e que ele dirigiu servindo-se do roteiro somente como uma indicação para um filme curtinho sobre a linguagem da persuasão.”

[O depoimento completo de José Carlos Avellar pode ser lido em: bit.ly/jpa-lp]

 

Os inconfidentes
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1972, 100′, 35 mm – Cópia restaurada

 

Segundo Joaquim Pedro de Andrade, “toda a história da conspiração está vista a partir da cadeia. O que corresponde, aliás, ao ponto de vista de todos os documentos que existem sobre a Inconfidência.” Como referências, ele recorreu aos autos da devassa, peças judiciais do processo movido pela Coroa Portuguesa contra os inconfidentes, a O romanceiro da Inconfidência, de Cecília Meireles, e poemas dos Inconfidentes Tomás Antônio Gonzaga, Alvarenga Peixoto e Cláudio Manuel da Costa. “O trabalho do autor de um filme sobre a Inconfidência parte como um inquérito sobre um inquérito, só que sem torpeza, para chegar ao que nos interessa: um estudo do comportamento de presos políticos, especialmente intelectuais de formação burguesa”, comenta o diretor. “Procurei abandonar a definição convencional dos personagens históricos, para procurar a verdade de sua humanidade contraditória, e explicitar constantes modernas da história.”

[Os textos podem ser encontrados na edição em DVD do filme, lançada pela Bretz Filmes]

 

Guerra conjugal
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1975, 90′, 35 mm – Cópia restaurada

Nas palavras do diretor Joaquim Pedro de Andrade, Guerra conjugal “ilustra crônicas de psicopatologia amorosa na civilização do terno e gravata, ainda vigente na mitológica e ubíqua cidade de Curitiba, onde medram flores de plástico e elefantes vermelhos de louça podem surgir a qualquer momento”. O filme é uma adaptação de 16 contos de Dalton Trevisan, retirados não apenas do livro Guerra conjugal, mas também de Novelas nada exemplaresDesastres do amor, O vampiro de CuritibaCemitério de elefantes e O rei da terra. Por ocasião do lançamento do filme, em 1975, Trevisan escreveu uma nota no jornal O Globo: “O belíssimo filme de Joaquim Pedro me deslumbrou os olhos, alegrou o coração e edificou a alma. Melhor que o livro é essa fabulosa obra-prima dirigida com garra, humor e consciência crítica. Uma experiência inesquecível o filme Guerra conjugal. Foi para mim e será para todos os que assistirem.” O longa foi exibido na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes de 1975 e, no Festival de Brasília do mesmo ano, recebeu os prêmios de Melhor Diretor, Melhor Atriz e Melhor Montagem.

[Os textos completos podem ser encontrados em: bit.ly/jpa-gc]

 

Vereda tropical
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1977, 18′, 35 mm – Cópia restaurada

“Amo melancias. Gosto de possuí-las ao fim da tarde, quando vem chegando a penumbra, de pé, sobre a mesa da cozinha, no sofá, onde é mais aconchegante, ou deitado no tapete da sala, onde podemos rolar de um lado para o outro.” Assim começa o conto “Vereda tropical”, de Pedro Maia Soares. O curta-metragem de Joaquim Pedro de Andrade é parte do longa Contos eróticos, uma produção de César Mêmolo Jr., baseado em histórias premiadas no Primeiro Concurso de Contos Eróticos, lançado pela Editora Três e patrocinado pela revista Status, em 1976. Outros contos que se tornaram episódios no longa são: “Arroz e feijão”, “As três virgens” e “Arremate”, dirigidos, respectivamente, por Roberto Santos, Roberto Palmari e Eduardo Escorel. O curta de Joaquim Pedro, porém, foi proibido quase inteiramente pela censura e exibido às plateias brasileiras somente nos anos 1980, quando já havia sido projetado na Quinzena dos Realizadores do Festival de Cannes e, em Nova York, no Festival New Directors/New Films. Sobre o curta, Joaquim Pedro escreveu: “Crônica de uma tara gentil, encontro lírico nas veredas escapistas de Paquetá, imagética verbalização e exposição vergonhosamente impudica das fantasias eróticas, Vereda tropical contém a denúncia da vocação genital dos legumes, a inteligência das mocinhas em flor, o gosto da vida e a suma poética de Carlos Galhardo. Educativo e libertário.”

[Os textos podem ser encontrados em: bit.ly/jpa-vt]

 

O Aleijadinho
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1978, 22′, 35 mm – Cópia restaurada

Documentário sobre a vida e a obra do escultor Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho. Nascido em 1738 na antiga Vila Rica, hoje Ouro Preto (MG), cedo se tornou conhecido pelas concepções técnicas que introduziu em seu ofício de escultor. Além das obras realizadas em Ouro Preto, trabalhou também em Tiradentes, Congonhas do Campo, Sabará, Mariana e outras cidades vizinhas. O roteiro é assinado por Lúcio Costa e a narração é de Ferreira Gullar.

 

O homem do pau-brasil
Joaquim Pedro de Andrade | Brasil | 1981, 112′, 35 mm – Cópia restaurada

Em uma entrevista com Joaquim Pedro de Andrade para a edição de 5 de maio de 1982 do Jornal do Brasil, o crítico José Carlos Avellar apresenta aquele que seria o último longa-metragem do diretor: “Montagem descontínua de cenas livremente imaginadas a partir da vida e dos livros de Oswald e de seus companheiros do Modernismo, da antropofagia e da poesia pau-brasil, este filme que Joaquim dedica a Glauber Rocha começou a nascer em 1969, ainda durante a filmagem de Macunaíma, quando a personalidade ‘desvairadamente polêmica’ do escritor começou a interessá-lo como um contraponto de Mário”. “Dois atores, um homem e uma mulher, Flávio Galvão e Ítala Nandi, para representar Oswald – ‘não a figura dele, mas o que emanava dele’, como acentua o diretor –, os dois todo o tempo em cena, como se o protagonista tivesse duas imagens paralelas. Dois atores lado a lado para um personagem só. E um conjunto de cenas soltas. A rigor, não existe no filme uma história, algo que possa ser contado, mas sim um conjunto de ações soltas em torno da vida intelectual entre nós depois do Modernismo. Cenas soltas e desequilibradas, que se encontram só no idêntico tom de irreverência e descontinuidade.” Ao fim da matéria, Joaquim Pedro comenta: “Eu me interesso de um tempo para cá por coisas que aparentemente não dão um filme. É uma provocação que a gente se faz para cair num terreno cheio de obstáculos, mas divertido e criativo. Foi um pouco assim que fiz o Oswald. Não estou mais interessado no cinema como instrumento, mas sim no cinema como objetivo. E, como Oswald, mais aberto, desarmado e solto na maneira de compor a conversa. “Exibido no Festival de Brasília de 1981, O homem do pau-brasil recebeu os prêmios de Melhor Filme, Melhor Cenografia e Melhor Atriz Coadjuvante, para Dina Sfat.

Detalhes

Início:
setembro 6
Final:
setembro 23

Local

Instituto Moreira Salles/SP
Avenida Paulista, 2424
São Paulo, São Paulo
+ Google Map
Telefone:
2842 9120