Conheça o trabalho de Mundano

0
150

Emmathomas exibe mostra inédita de Mundano
Em Vozes Mundanas, artista apresenta cerca de 40 trabalhos entre telas, esculturas e obras interativas que refletem problemas sociais, políticos e ambientais da atualidade

Um muro que separa o mundo real de um fictício. De um lado, a tinta cinza em alusão às vozes e cores caladas nas ruas de São Paulo. Do outro, telas, esculturas, objetos e instalações de cores vívidas e pulsantes, ruídos que fazem referência a uma série de problemáticas da atualidade: dos impactos ocasionados pela crise de água à questão dos refugiados em diversos pontos do globo. É esse o tom de Vozes Mundanas, exposição inédita do artista Mundano curada por Ricardo Resende, que será apresentada entre 24 de julho e 25 de agosto, na Emmathomas Galeria.

À frente do espaço, uma escultura de dois metros, construída com extintores e botijão de gás. É ela que recebe o público, prestes a cruzar o Muro Social, obra de grandes proporções que delimita a mostra. “É o muro separatista, Muro de Berlim, do Donald Trump, dos refugiados, do condomínio: uma separação entre realidades distintas” pontua Mundano, que se define artivista, termo que condensa a ideia de arte como recurso de revolução social.

Se de um lado a cidade mostra-se como um ambiente frio, quase asséptico, do outro, o caos insere o visitante em um universo lúdico, suscitando uma série de questionamentos. Por meio dos cerca de 40 trabalhos que compõem a exposição, Mundano propõe uma pausa para conscientização e convida o público para a resistir em prol da preservação ambiental e por causas ligadas aos direitos humanos.

“O grande desafio dessa mostra é manter ou permanecer com as veias de artivista, integradas e ativadas no espaço comercial de arte. Ver um artista ainda disposto a manifestar-se, a preocupar-se com o outro e com o coletivo nas paredes de uma galeria, é, de fato, um alento quando se observa o mundo em que prevalece o individualismo, a banalidade e a competição nas relações humanas”, declara o curador Ricardo Resende.

O corpo da obra de Mundano surge de peças e instrumentos de reuso que ele mesmo encontra nas ruas ou daquilo que os catadores de materiais recicláveis oferecem a ele. Dessa busca, o reaproveitamento de insumos como livros que datam 100 anos ou mesmo revistas descartadas que, nas mãos do artista, se transformaram em colagens que tratam do desperdício.

Figura quase onipresente na exposição, o megafone, recurso bastante comum às manifestações sociais, é representado em diversas obras, ora ampliando a voz das mulheres, ora salvando dezenas de refugiados à deriva. O objeto aparece também em Panelofone, obra que faz referência aos panelaços, tão presentes em manifestações, não só no Brasil, mas que atualmente caíram em desuso.

Para ressoar a voz de um dos maiores desastres ambientais do Brasil, em Mariana (MG), no ano de 2016, Mundano utilizou em grande parte de suas obras a lama tóxica coletada às margens do Rio Doce – o pigmento terroso contrasta com a paleta de cores marcantes característica do artista. O uso do resíduo como matéria-prima alerta para as consequências reais, sentidas ainda hoje pelos moradores da região.

O cacto, planta característica em sua produção, personifica o povo brasileiro, acostumado a resistir às adversidades mesmo com poucos recursos. Construídos a partir de extintores e torneiras, buscam chamar atenção para crise hídrica que volta a atingir níveis alarmantes em São Paulo e por todo o país.

O espaço expositivo será ainda ocupado por uma série de sons e vozes que reforçam o tom de protesto que permeia a mostra. Os áudios que vão ecoar em meio as obras são dos mais diversos momentos da história, da ditadura militar às recentes manifestações dos caminhoneiros. A trilha também abrange manifestações indígenas, marchas religiosas, de estudantes e professores em luta por seus direitos – todas essas vozes serão amplificadas durante a exposição. “São palavras de ordem, gritos de vozes mundanas”, pontua.

Sobre o artista
Nascido em São Paulo, Mundano é reconhecido mundo afora por seu trabalho engajado, em defesa dos direitos humanos e da preservação ambiental. Se descreve como artivista, tomando sua arte como instrumento para revolução social, seja pela intervenção no espaço público, em galerias de arte ou mesmo pelas palestras que realiza. Sua luta é sempre a mesma: dar visibilidade e amplificar as vozes daqueles que são muitas vezes ignorados pelos cidadãos e pelas autoridades.

 

É fundador do PimpyMyCarroça, ONG criada em 2012 que usa a arte para dar visibilidade e reconhecimento aos catadores de materiais recicláveis. O projeto já passou por 13 países, tendo gerado impacto positivo na vida de mais de mil e quinhentos catadores. A iniciativa foi premiada nas áreas de arte pública, direitos humanos, criatividade e inovação digital. Mundano ainda integra as redes Ashoka, Amaphiko e é TEDfellow.

Serviço:
Vozes Mundanas, do artista Mundano
Abertura: 24 de julho às 19h
Período expositivo: de 25 de julho a 25 de agosto
Local: Emmathomas Galeria
Endereço: Alameda Franca, 1054, Jardim Paulista
Visitação: segunda a sexta-feira, das 11h às 19h e sábado de 11h às 15h

Artigo anterior46 fotos de bastidores de artistas plásticos que você precisa ver
Próximo artigoFrancis Bacon: A Brush with Violence
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here