Espaços Compartilhados da Imagem

0
869

Em “Espaços Compartilhados da Imagem”, exposição que abrirá ao público na próxima quarta-feira, dia 7, na Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp, em São Paulo, a fotografia é apresentada a partir de sua intersecção com outras linguagens, discursos e mídias.

As séries escolhidas pelos curadores Bruno Vilela e Guilherme Cunha propõem reflexões sobre questões atuais como consumo, relação com o trabalho, luto, os limites entre o real e o imaginário.

Ao todo, são apresentadas ao público 45 obras de oito artistas, de sete países. Entre elas, está a série “Mais populares de todos os tempos”, do coletivo britânico MacDonaldStrand.

Os artistas reduziram fotografias famosas da história, como a imagem da menina correndo nua após um bombardeio durante a guerra do Vietnã, feita por Nick Ut, a pontos e linhas, muito parecidos com a brincadeira de “ligar os pontos”.

A ideia é convidar o público a interagir com as obras, para mostrar como essas cenas estão registradas no inconsciente coletivo, mesmo quando descaracterizadas.

O artista Randolpho Lamonier, único brasileiro presente na mostra, apresenta a série “Diários em combustão”, em que mescla performance, desenho e instalação para despertar uma experiência de deriva em uma cidade imaginária envolta em fogo, letras e números. Nas cenas, são exploradas interfaces performáticas entre a pessoa, a indústria e a cidade.

A escolha das obras é fruto de um projeto de pesquisa desenvolvido pelo Festival Internacional de Fotografia de Belo Horizonte (FIF), que desde 2013 promove discussões sobre a produção fotográfica e a construção de sentidos por meio de imagens. “A nossa proposta é refletir sobre os processos criativos de construção de imagens e como a fotografia dialoga com outras narrativas e construções de discurso”, explica Guilherme Cunha.

A exposição também pretende mostrar ao público como a importância de compreender o papel das imagens nas construções políticas está diretamente ligada à possibilidade de criticá-las e recriá-las. “Nosso intuito ao trazer essas obras para São Paulo é mostrar como a produção de sentido sobre as imagens depende muito das relações de poder e da pluralidade. Ou seja, a forma pela qual interpretamos aquilo que vemos está atravessada por relações de poder e simbolismos, sobre os quais nem sempre refletimos ou questionamos”, comenta Bruno Vilela.

Mais informações sobre os trabalhos da mostra: aqui

Curadores: Bruno Vilela e Guilherme Cunha

Artistas:

Randolpho Lamonier
Série: Diários em Combustão
País: Brasil

Jackie Nickerson
Série: Terreno
País: Irlanda

Kent Rogowski
Série: Amor = amor
Série: Tudo o que eu queria ser
País: EUA

Michel Le Belhomme
Série: A Besta Cega
País: França

Chen Shao-Liang
Série: Palco
País: Taiwan

MacDonaldStrand (coletivo formado por Clare Strand e Gordon MacDonald)
Série: Mais populares de todos os tempos
País: Reino Unido

David Welch
Série: Mundo Material
País: EUA

Marleen Sleeuwits
Série: Interiores
Pais: Holanda

Serviço:
Exposição “Espaços Compartilhados da Imagem”
Período expositivo: 7 de novembro de 2018 a 13 de janeiro de 2019
Horários: terça a sábado, das 10h às 22h, e domingo, das 10h às 20h
Local: Galeria de Fotos do Centro Cultural Fiesp (avenida Paulista, 1313 – em frente à estação Trianon-Masp do Metrô)
Agendamentos escolares ou de grupos: ccfagendamentos@sesisp.org.br
Visitas mediadas para público espontâneo: terça a domingo, às 14h e às 19h
Grátis. Mais informações em www.centroculturalfiesp.com.br

Artigo anteriorVeja quem esteve na abertura de Reconstruindo a Forma Humana
Próximo artigoFrederic Marès e seu gabinete de curiosidades
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here