Galerias e Eventos

Christie’s anuncia a coleção de fundador da Microsoft e promete o maior leilão da História

Acervo com mais de 150 peças inclui tela de Cézanne

Por Equipe Editorial - setembro 9, 2022
26 0
Pinterest LinkedIn

Christie’s anunciou que vai leiloar a coleção de arte do falecido cofundador da Microsoft, Paul Allen, estimada em mais de US$ 1 bilhão. A venda, que acontecerá em novembro de 2022 e contará com mais de 150 peças, abrangendo 500 anos de história da arte, será “o maior e mais excepcional leilão de arte da história”, disse a Christie’s em comunicado.

Entre as peças estão “La montagne Sainte-Victoire”, do pintor francês Paul Cézanne, avaliada em mais de US$ 100 milhões, informou a casa de leilões.

Christie´s
Obra “La montagne Sainte-Victoire”, do pintor francês Paul Cézanne, avaliada em mais de US$ 100 milhões

A Christie’s observou que todos os lucros serão destinados a causas de caridade, de acordo com os desejos de Allen, que era um ávido colecionador, inovador e filantropo.

Falecido em 2018, aos 65 anos, Allen co-fundou a Microsoft com Bill Gates em 1975. Juntos eles inventaram o sistema operacional de computador que fez a fortuna da gigante de tecnologia americana.

Christie´s
Paul Allen

Allen deixou a empresa em 1983 devido a problemas de saúde e uma relação deteriorada com Gates, que permaneceu no comando da Microsoft até 2000.

O recorde de leilão para uma coleção particular foi estabelecido, nesta primavera, pelo casal americano Harry e Linda Macklowe, com cerca de US$ 922 milhões arrecadados em leilões conduzidos pela Sotheby’s.

Além da peça de Cézanne, a coleção de Allen também inclui uma obra intitulada “Small False Start” do pintor americano Jasper Johns, avaliada em mais de US$ 50 milhões, informou o The New York Times.

A Christie’s não detalhou o que mais está na coleção, mas uma exposição itinerante em 2016 revelou a riqueza do tesouro artístico de Allen, com peças de Monet, Manet, Klimt, entre outros.

Além do leilão do magnata imobiliário Macklowe, um retrato de Marilyn Monroe, de Andy Warhol, foi vendido em maio por US$ 195 milhões, um recorde para uma obra de arte do século 20.

“Para Paul, a arte era analítica e emocional. Ele acreditava que a arte expressava uma perspectiva única sobre a realidade, combinando o estado interior e o olhar interior do artista, de uma forma que pode inspirar a todos nós”, disse Jody Allen, executora do patrimônio do bilionário.

O CEO da Christie’s, Guillaume Cerutti, disse que o leilão será como nenhum outro.

“A figura inspiradora de Paul Allen, a extraordinária qualidade e diversidade do trabalho e a dedicação de todos os lucros à filantropia criam uma combinação única que fará do leilão da coleção Paul G. Allen um evento de magnitude sem precedentes”, disse Ceruti.


Com informações da Folha.


Leia também:
MoMA anuncia sua maior exposição dedicada a artistas latino-americanos

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários