Trump cai fora da UNESCO, mas ele não foi o único

0
1974

Trump cai fora da UNESCO – No último dos esforços do presidente americano e da administração dele para lançar a areia diante da comunidade internacional, os Estados Unidos se retiraram da aliança das Nações Unidas sobre a proteção de patrimônios mundiais e artefatos culturais, dizendo: que é injusto para Israel, que também foi renunciado à convenção.

Heather Nauert, porta-voz da administração Trump, disse: “Estávamos em atraso no valor de US $ 550 milhões, então a questão é: queremos pagar esse dinheiro? Com este viés anti-Israel  há muito já documentado por parte da Unesco, isso precisa chegar ao fim.

Em 12 de outubro, a administração Trump anunciou que os Estados Unidos sairiam da UNESCO – Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Fundada em 1945, a UNESCO é talvez mais conhecida pelo seu selo Patrimônio Mundial, costumava marcar e proteger alguns dos lugares mais preciosos do planeta, desde o Taj Mahal até as Pirâmides de Gizé até o Grand Canyon.

Trump não é o primeiro presidente a se afastar da UNESCO

Em 1984, a administração Reagan saiu em protesto, alegando que a UNESCO tinha hábitos difíceis e tendências pró-soviéticas. Os Estados Unidos voltaram em 2002 como parte dos esforços da administração George W. Bush para ampliar a cooperação internacional dos Estados Unidos.

Os presidentes democratas também se afastaram da UNESCO. Em 2011, de acordo com uma lei norte-americana de 1990 para desencorajar as Nações Unidas em reconhecer o Estado palestino, a administração Obama retirou o financiamento (mas manteve o status de membro dos Estados Unidos) quando a UNESCO concedeu a adesão da Autoridade Palestina.

 

Fonte: Washington post, metro.uk, NY Times

Artigo anteriorAlbert Einstein ganhou um museu
Próximo artigoEntenda como os os artistas concretos faziam as suas linhas retas
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here