Veja o relatório que mostra a próxima geração de artistas no mundo

0
677

A JLT Specialty, uma corretora de seguros especializada em consultoria de risco, publicou pela primeira vez o relatório ‘NextGen Artist’, em parceria com a ArtTactic, empresa de pesquisa de mercado de arte, em que identificou e analisou a próxima geração de artistas internacionais com menos de 40 anos de idade.

Com a arte contemporânea se transformando no maior filão das casas de leilão Christies e Sothebys*, este documento lança luz sobre a próxima geração de artistas e ajuda a compreender os fatores que influenciam a trajetória de cada um.

O relatório identifica os 500 principais artistas do globo, trazendo dados sobre suas respectivas carreiras, educação, representação de galerias e presença tanto em leilões quanto nas redes sociais. Egressos de variados campos da arte, eles trabalham com diferentes mídias, refletindo as constantes mudanças da arte contemporânea.

Dos top 100, 37% são identificados como artistas multidisciplinares, seguidos por pintores (22%) e artistas de instalação (14%).

O documento também reforça o domínio dos Estados Unidos e da Europa no mercado internacional de arte. Quase um quarto (24%) dos artistas reside e trabalha em Nova York, cidade que revelou ser o epicentro global do segmento, seguida por Berlim (12%) e Los Angeles (9,4%). Londres apareceu como o quarto centro mais importante, com 8,7% dos artistas vivendo lá – embora a capital londrina tenha o segundo maior mercado de arte em termos de vendas, o relatório constatou que os altos custos de moradia e a dificuldade em encontrar trabalho acabam levando os artistas a se instalar em metrópoles europeias mais acessíveis, como Berlim.

O relatório

INTRODUÇÃO

Os últimos quinze anos viram um crescimento exponencial no mercado de arte contemporânea: a rotatividade na Christie’s e na Sotheby’s aumentou de US $ 270 milhões em 2000 para US $ 3,3 bilhões em 2017.

A arte contemporânea se tornou a categoria de leilão mais vendido para ambas as empresas, total para 39% de suas principais categorias de vendas: Arte Antiga, Impressionista e Moderna, Contemporânea e Chinesa.

No entanto, o mercado de leilões nem sempre é um bom indicador para o estado do mercado de arte contemporânea, já que apenas um pequeno número de artistas contemporâneos desfruta de uma forte presença no mercado de leilões.

Este é particularmente o caso da nova geração de artistas mais novos. Este relatório tenta lançar novas luzes sobre esta próxima geração de artistas (com 40 anos ou menos) e fornecer uma melhor compreensão dos fatores que influenciam suas carreiras e escolhas.

A estrutura e análise dos dados foram construídas em uma estrutura que considera a jornada ou trajetória dos artistas no contexto do mercado de arte como um ecossistema, no qual o valor cultural e econômico é em grande parte função de um processo de endosso dos “keyplayers”.

METODOLOGIA

Os 500 relatórios de artistas do NextGen abordados neste relatório foram capturados através de uma variedade de ‘filtros’ de eventos predominantemente no período entre março de 2017 e março de 2018.

Para capturar e refinar a lista, usamos critérios culturais e institucionais (museus, bienais, prêmios de arte), além de dados e filtros comerciais (galerias, feiras de arte, leilões), para tentar dar uma representação justa da posição atual e da reputação desses artistas da próxima geração.

No entanto, embora tenhamos feito o melhor para capturar o ‘espírito’ da próxima geração de artistas contemporâneos, percebemos que os relatórios futuros provavelmente precisarão adaptar os filtros para o mercado em mudança para os artistas contemporâneos, particularmente no que diz respeito ao papel da tecnologia (o mercado de arte on-line e mídia social) e mudanças no modelo tradicional de agência de galeria de artista.

DESTAQUES DO RELATÓRIO

Abaixo resumimos os principais destaques do relatório:

NEXTGEN ARTIST TRENDS

TENDÊNCIAS DE ARTISTA SEGUNDO O NEXTGEN

Principais artistas do NextGen – Njideka Akunyili Crosby (Nigéria), Camille Henrot (França), Jordan Wolfson (Estados Unidos), Jonathas de Andrade (Brasil) e Alicja Kwade (Polônia) lideram o Top 500 da NextGen em 2018.

Top 100 artistas NextGen dominados por artistas do sexo masculino – Apesar de três dos cinco principais artistas serem mulheres.

As descobertas deste estudo dos Top 500 artistas internacionais da NextGen mostram uma proporção de gênero de 46% de mulheres e 54% de homens.

A diferença de gênero se torna mais ampla quando olhamos apenas para os 100 principais artistas, com 39% de artistas femininos e 61% masculinos. Para artistas com presença significativa no mercado de leilões (mais de 25 lotes vendidos em leilão em sua carreira até o momento) – o hiato de gênero aumentou para 85% masculino e 15% feminino.

ARTIST HUBS – WHERE DO ARTISTS COME FROM AND WHERE ARE THEY BASED?

DE ONDE OS ARTISTAS VÊM E ONDE ESTÃO BASEADOS?

Nova York é o centro dos artistas no mundo, enquanto Berlim é a cidade preferida na Europa – 24% dos 500 maiores artistas vivem e trabalham em Nova York (37% dos 100 principais artistas moram em Nova York).

Berlim é o segundo centro mundial de artistas mais importante e o preferido dos artistas na Europa, escolhidos por 12% dos 500 maiores artistas.

Los Angeles é o terceiro centro de artistas mais importante, com 9,4% dos 500 maiores artistas trabalhando e vivendo lá, com Londres marginalmente atrasada, com 8,7% dos 500 maiores artistas tendo se estabelecido lá.

ARTIST MIGRATION TRENDS

TENDÊNCIAS DE MIGRAÇÃO DO ARTISTA

Mudar-se para o exterior pode ser um passo crucial na carreira de um artista – 40% dos 500 maiores artistas se mudaram do país de origem para desenvolver sua prática artística e sua carreira no exterior.

A maioria dos artistas europeus mudaram-se para outro país europeu – os artistas nascidos na Europa tendem a mover-se e a viver em outro país (53% dos artistas europeus no Top 500). 68% destes artistas europeus se mudaram para outro país europeu.

A maioria dos artistas americanos vive e trabalha nos EUA – artistas americanos, por outro lado, têm muito mais probabilidade de permanecer nos EUA; Apenas 13% dos artistas nascidos nos EUA vivem e trabalham fora dos EUA.

A maioria dos artistas do Oriente Médio migrou para os Estados Unidos, enquanto os artistas africanos escolhem a Europa – As maiores taxas de migração podem ser encontradas entre os artistas do Oriente Médio no Top 500, 75% se mudaram de seu país de nascimento; 20% desses artistas vivem na Europa e 33% nos Estados Unidos. Isto é seguido por 72% dos artistas africanos, que se mudam, com 44% estabelecendo-se na Europa.

O ensino superior parece ser uma das razões mais importantes para que os artistas decidam se mudar de seu país de nascimento. 72% dos artistas que estudam no exterior acabam morando e trabalhando no país do último grau.

OS TOP 500 ARTISTAS POR REGIÃO DE ORIGEM E ATUAL RESIDÊNCIA

Região de origem não pode adicionar até 100% devido a arredondamentos. Com base na região Em totais acima de 100%, os artistas podem se basear em vários locais, todos contados.

GALLERY REPRESENTATION, MUSEUMS, AUCTIONS AND SOCIAL MEDIA

REPRESENTAÇÃO EM GALERIA, MUSEUS, LEILÕES E MÍDIAS SOCIAIS

Nova York e Londres são os principais hubs da galeria para a próxima geração de artistas – 32% dos 500 maiores artistas são representados por uma galeria com uma base em Nova York, e mais 22% de artistas tendo uma galeria baseada em Londres.

Na Europa continental, 15% dos artistas são representados por uma galeria baseada em Berlim, seguidos por 13% com uma galeria de Paris.

As “galerias incubadoras” desempenham um papel importante no desenvolvimento da carreira de um artista – 60% dos artistas no Top 500 são representados por galerias mais jovens, que definimos como galeria “incubadora”.

Importantes museus para os artistas da NextGen – Entre os 500 melhores artistas, mais da metade dos artistas (53%) tiveram grupos ou exposições individuais em uma ou várias instituições de museus de primeira linha (como MoMA, Tate, Whitney, SMAK, Guggenheim, MOCA, SFMOMA etc.), com 18% dos artistas tendo shows individuais e 45% tendo tido shows coletivos nesses locais de prestígio.

Quase metade (48%) dos artistas no Top 500 tem uma presença de leilão, enquanto 74% dos artistas no Top 100 tiveram uma ou mais obras de arte em leilão.

Mídias sociais – Entre os Top 500 artistas, 67% desses artistas têm contas no Instagram, embora apenas 16% dos artistas tenham 5.000 seguidores ou mais.

Artigo anteriorArt Business, um canal para você participar do mercado de arte
Próximo artigoConheça o mundo de Karin Lambrecht
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here