O rio do século 18 que você precisa conhecer

0
459

O Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro, que fica dentro do Parque da Cidade, na Gávea, exibe até o início do segundo semestre as mostras Imagens do Rio Oitocentista e Os Múltiplos Olhares de Augusto Malta.

A exposição Imagens do Rio Oitocentista, localizada no 3º andar do Pavilhão de Exposições Temporárias, presenteia o seu visitante com uma viagem pelo Rio antigo. Reunindo gravuras de desenhistas, aquarelistas, pintores e fotógrafos, a mostra apresenta a cidade de outrora, permitindo a visitação de seus espaços e construções, alguns dos quais não resistiram às mudanças do tempo como, por exemplo, o prédio da Academia de Belas Artes. É possível ir do terraço do Passeio Público aos Arcos da Lapa; de São Cristóvão ao Jardim Botânico. São registros do Rio de Janeiro e de cenas do seu cotidiano, captadas e apresentadas por artistas residentes ou de passagem pela urbe carioca do século XIX. Seja pelo olhar de Maria Graham, de Victor Frond e de tantos outros.

Já a mostra Os Múltiplos Olhares de Augusto Malta, localizada no 1º e 2º andar do equipamento, é composta por 48 imagens e objetos, divide-se em dois eixos: locais, vistas e paisagens; e solenidades e cotidiano, remetendo as memórias da nossa cidade e de sua gente. Pelas lentes de Augusto Malta, a mostra permite uma conexão com o passado e a reconstrução da história do Rio de Janeiro.

A gestão e produção é assinada pela Arte Cultura Gestão & Produção Cultural.

Chafariz da praça XV por: Théodore Romuald Georges Menard Alphonse Bichebois Bayot Thierry Frères, 1841 ( aonde está a mão do guarda?!)

 

Sobre o MHCRJ

O Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro/MHCRJ foi criado como reflexo da expansão dos museus no século XIX e suas origens estão ligadas ao princípio da República no Brasil e ao papel de centro político que o Rio de Janeiro representava nesse contexto.

Desde 1891, as autoridades do governo recém-instalado manifestavam preocupação em recolher objetos representativos, que interessassem à história da cidade. Contudo, sua criação só ocorreu na administração do Prefeito Pedro Ernesto através do Decreto Nº 4989 de 11 de julho de 1934.

O MHCRJ sempre mostrou uma tendência a manter-se nos limites de seu objeto: a cidade do Rio de Janeiro. Entretanto, seu vasto acervo documental, arquivístico e museológico, com cerca de 24.000 peças, que significa um importante registro sobre a cidade do Rio de Janeiro e que abrange diferentes categorias, apresenta caráter nacional. Nele encontram-se também obras de artistas consagrados como Visconti, Thomas Ender, Antônio Parreiras, Armando Vianna, Augusto Malta e Marc Ferrez, além dos acervos dos prefeitos Pereira Passos, Pedro Ernesto, Carlos Sampaio e César Maia.

Ao pensarmos num museu de cidade, afora o aspecto cultural, vem a lembrança a questão daquela cidade onde está inserido, o espaço urbano, a memória e a importância do museu para a cidade, por ser o único que tem como propósito preservar e conservar a memória da cidade, que foi capital da colônia, império e república, através do seu acervo e principalmente ser um ponto de referência e discussão das transformações culturais, sociais, econômicas e urbanas da cidade do Rio de Janeiro ao longo de sua história.

O MHCRJ, por meio de um acervo artístico e documental acessível a todos, é um museu em que nossa história e nossa identidade urbana podem ser analisadas e explicadas.

Serviço: Mostras Imagens do Rio Oitocentista e Os Múltiplos Olhares de Augusto Malta

Museu Histórico da Cidade do Rio de Janeiro: Estrada Santa Marinha s/nº. Parque da Cidade. Gávea. RJ.

Horário de funcionamento: de terça a domingo, das 10h às 17h. Funciona nos feriados.

E-mail para agendamento de visitas monitoradas: visitasmhc@gmail.com

Entrada gratuita.

Classificação livre.

Artigo anteriorComo escrever para a maior revista de arte contemporânea do Brasil?
Próximo artigoConheça o Expressionismo Abstrato de Barnett Newman
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here