Renato De Cara assume direção do Museu da Cidade de SP

0
1681
Renato De Cara (foto Zeca Florentino

O jornalista paulistano Renato De Cara é o novo diretor do Departamento de Museus da Cidade de SP, do qual inclui o Museu da Cidade, com treze casas históricas e estará a frente de uma equipe composta por trinta pessoas. Ele foi empossado no final de 2017 pelo secretário de cultura do Município de São Paulo, André Sturm.

O Museu da Cidade, que atua em rede, é dedicado a promover a reflexão e a conscientização sobre o município, com toda sua complexidade e diversidade. O acervo arquitetônico dele é composto pelo Solar da Marquesa da Santos, Beco do Pinto, Casa Nº 1/Casa da Imagem, Casa Bandeirante, Casa Sertanista, Capela do Morumbi, Casa do Tatuapé, Sítio da Ressaca, Sítio Morrinhos, Casa do Grito, Monumento à Independência, Casa Modernista e Chácara Lane, além do acervo fotográfico sobre a cidade; acervo de bens móveis e um acervo de história oral.

Sobre Renato De Cara
Lins, SP. 1963. Vive e trabalha em São Paulo. Formado em Jornalismo pela PUC/SP em 1985. Interessado em arte, cultura e moda, especializou-se em estética contemporânea, produzindo, escrevendo, editando e fotografando para marcas e veículos de comunicação. Colaborou para jornais como Folha de S.Paulo e O Estado de São Paulo; revistas como Vogue, World Fashion, Select e Bravo.

Criou e dirigiu casas noturnas de 1994 a 2000, promovendo shows, exposições e noites diferenciadas, incluindo a reativação do Bar do Hotel Cambridge, tradicional ponto da bossa nova em São Paulo. Coordenou o estúdio fotográfico da agência DPZ em 1993; além do estúdio de criação Giovanni Bianco, em 2001, e do marketing da marca Cavalera, em 2008.

Artes visuais
Desde 2006, dirige a Galeria Mezanino, produzindo e curando exposições individuais e coletivas, apresentando novos nomes e resgatando artistas em meio de carreira, cruzando linguagens e propondo novas abordagens no mercado de arte contemporâneo. Já realizou mais de cem exposições, entre individuais e coletivas, incluindo artistas como Giselle Beiguelman, Ulysses Bôscolo, Felipe Cidade, Edith Derdyk, Daniel Malva, Francisco Maringelli, Thiago Navas, Sergio Niculitcheff, Leo Sombra e Thelma Vilas Boas. Em 2017, entre as coletivas que realizou, destaca-se “Tristes Trópicos – da arte plumária ao Instagram”, curada juntamente com Daniela Bousso.

foto
Renato De Cara, diretor do Departamento de Museus da Cidade de SP

Artigo anterior1ª Bienal de Arte Digital no Rio e BH
Próximo artigoPabllo Vittar e a cultura do lixo
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here