Conheça o grupo Pandora

0
1836
Nomes Para Furacoes - Foto Anelise Ferrão
Nomes Para Furacoes - Foto Anelise Ferrão

Como começou o grupo

Fundado a partir do Programa Teatro Vocacional da Secretaria de Cultura do Município de São Paulo, o Grupo Pandora de Teatro (integrante da Cooperativa Paulista de Teatro), desenvolve pesquisa continua e criação teatral. Atualmente desenvolve o projeto “Reminiscências”, contemplado pela 30ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo.

Foto: Luh Silva

Montagens:

  • “O Senhor Puntilla e seu Criado Matti” (2004) criação coletiva a partir do texto de Bertold Brecht;
  • “A Igreja do Diabo” (2005) adaptação do texto homônimo de Machado de Assis;
  • “Tietê, Tietê” (2006) criação coletiva a partir do texto de Alcides Nogueira;
  • “Jesus-Homem” (2006) de Plinio Marcos, direção de Lucas Vitorino;
  • “A Revolta dos Perus” (2007) criação coletiva sobre a história do bairro de Perus,
  • “Canibais Vegetarianos Devoram Planta Carnívora” (2012) criação coletiva com dramaturgia de Vince Vinnus e direção de Lucas Vitorino;
  • “Relicário de Concreto” (2013) criação coletiva com dramaturgia de Vince Vinnus e direção de Lucas Vitorino;
  • “Jesus-Homem” (2015) criação coletiva inspirada no original de Plínio Marcos, direção de Lucas Vitorino; e
  • “Ricardo III não terá lugar ou cenas da vida de Meierhold” (2015) de Matéi Visniec e direção de Lucas Vitorino;
  • “Nomes para furacões” (2017) criação do Grupo Pandora de Teatro com texto e direção de Lucas Vitorino.  
Foto: by Fabia Pierangeli - Espetáculo Comum
Foto: by Fabia Pierangeli – Espetáculo Comum

Foi contemplado pelos Editais:

  • Programa para Valorização de Iniciativas Culturais (VAI) em 2006 e 2009;
  • Programa de Ação Cultural – ProAC de Produção de Espetáculo Inédito de Teatro da Secretaria de Estado da Cultura em 2011;
  • Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2013 e 2014;
  • Ocupação do Centro Cultural da Juventude em 2013, além  da 20ª e 24ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo em 2012, 2014 e 2017.
  • Programa para Valorização de Iniciativas Culturais (VAI) em 2006 e 2009;
  • Programa de Ação Cultural – ProAC de Produção de Espetáculo Inédito de Teatro da Secretaria de Estado da Cultura em 2011;
  • Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2013 e 2014;
Ricardo III - foto: Luh Silva
Ricardo III – foto: Luh Silva

Participou dos Festivais:

  • III Festival do Teatro Vocacional em 2007; da 3ª dição do Abril pra Cena – Festival de Teatro em 2012; Festival de Teatro de Curitiba – Mostra FRINGE 2014;
  • 29º FESTIVALE – Festival Nacional de Teatro do Vale do Paraíba/SP – Edição 2014 e IV Festival de Teatro Popular Jogos de Aprendizagem organizado pela Trupe de Atuadores Ói Nóis aqui Traveiz em Porto Alegre/RS.

Em parceria com o Movimento pela Reapropriação da Fábrica de Cimento Portland Perus o Grupo Pandora realizou três edições do “Ato Artístico Coletivo Cimento Perus” em 2012, 2014 e 2015, trata-se evento artístico realizado em vários locais do bairro de Perus, que contou com a participação de diversos coletivos artísticos, em prol da revitalização da Fábrica de Cimento Portland Perus e fomento a cultura no bairro.

Em 2016, dedicou-se a finalização dos projetos: “Ocupação N/O – Efemeridades de Concreto” contemplado pela 24ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo em 2014/2016 e do projeto “Grupo Pandora 10 anos – Não nascemos para ser pedra” contemplado pelo Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz 2014 – Manutenção de Atividades Teatrais de Grupos e Companhias, que culminou no lançamento do livro “Efêmero Concreto – Trajetória do Grupo Pandora de Teatro”. 

Desde Fevereiro/2016 o Grupo Pandora de Teatro ocupa um espaço público ocioso que estava abandonado há seis anos e que nunca havia cumprido função social, propondo a revitalização e ressignificação do mesmo, inaugurando um novo espaço cultural no bairro de Perus: o Cine Teatro Pandora – Ocupação Artística Canhoba.

Grupo Pandora de Teatro comemora 15 anos e inicia uma Mostra de Repertório em Perus!

A partir de 11 de janeiro, o Grupo Pandora de Teatro convida o público para uma viagem no tempo e na história do grupo que celebra 15 anos em 2019. Serão apresentados quatro espetáculos diferentes sempre com entrada gratuita!

Grupo Pandora inicia Mostra de Repertório no CEU Perus e na Ocupação Artística Canhoba

De 11 de janeiro à 02 de março de 2019 o Grupo Pandora de Teatro realiza uma grande Mostra de Repertório em Perus celebrando 15 anos de trajetória e convidando o público para uma viagem no tempo e na história.

Serão apresentados quatro espetáculos do repertório do grupo: Relicário de Concreto (2013), Ricardo III Não terá lugar ou Cenas da Vida de Meierhold (2015), Nomes Para Furacões (2017) e COMUM (2018). Com entrada gratuita, as apresentações acontecerão em dois lugares diferentes: CEU Perus e Ocupação Artística Canhoba – Cine Teatro Pandora.

Relicário de Concreto
Relicário de Concreto

Através desta Mostra de Repertório, o Grupo Pandora explora a possibilidade de apresentar parte de sua história construída ao longo de 15 anos. Os quatro espetáculos que compõem a mostra salientam aspectos relevantes da trajetória do grupo e contam sua história, através de seus processos criativos e encenações.  

Relicário de Concreto” e “COMUM” são montagens criadas a partir de fatos históricos do bairro de Perus, que evidenciam histórias de resistência e a pesquisa do grupo que relaciona Teatro, Memória e Território.

Os espetáculos “Ricardo III não terá lugar ou cenas da vida de Meierhold” e “Nomes para Furacões” propõem em suas narrativas elementos que escapam da lógica do real. Traduzem a crueza da realidade de forma onírica, friccionando fatos reais com jogos de sonho e abordam vestígios do Teatro do Absurdo em dramaturgias contemporâneas.

Um dos espaços que receberá a Mostra de Repertório é a Ocupação Artística Canhoba – Cine Teatro Pandora. O espaço, que atualmente é gerido pelo Grupo Pandora de Teatro, foi construído em 2010 pela Prefeitura de São Paulo para abrigar um Ponto de Leitura da cidade. Porém a obra foi paralisada e o espaço nunca chegou a cumprir função social. Abandonado e degradado, acabou virando ponto de encontro de usuários de drogas, trazendo medo e incômodo para a população local.

Foto de Divulgação Pandora
Foto de Divulgação Pandora

Em Fevereiro de 2016, com a colaboração dos moradores e ajuda de diversos coletivos, o Grupo Pandora realizou a revitalização do espaço e o transformou em um polo cultural.

Desde a sua criação, o espaço estabeleceu uma grande conexão com o território que o cerca e com a população local, assim como o Grupo Pandora, que realiza um trabalho contínuo de pesquisa e criação teatral no bairro de Perus, formado predominantemente por moradores desta região.

A “Mostra de Repertório – Grupo Pandora de Teatro – 15 anos” faz parte do projeto “Reminiscências” contemplado pela 30ª edição do Programa Municipal de Fomento ao Teatro da Cidade de São Paulo.

Mais informações em: www.facebook.com/grupopandora.deteatro

Grupo Pandora de Teatro – Mostra de Repertório – 15 anos – Programação PERUS:

Espetáculo: Nomes para Furacões (2017)

Sinopse: Em uma cidade devastada pela guerra, Alice busca formas de salvar seu pai e de escaparem com vida da destruição. Em um looping temporal, exploram possibilidades de sobrevivência enquanto dois soldados tentam cumprir sua missão. “Nomes para Furacões” é um jogo cênico fragmentado, dinâmico e poético, um delírio sobre a crise humanitária de nosso tempo. Duração: 90 minutos – Indicação: Livre

Link do evento 👉 Nomes para Furacões – Mostra De Repertório – Pandora 15 Anos

Quando: 11 de janeiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

12 de janeiro de 2019 – sábado – às 19h

18 de janeiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

19 de janeiro de 2019 – sábado – às 19h

Local: Ocupação Artística Canhoba – Endereço: Rua Canhoba, 299 – Perus

Espetáculo: COMUM (2018)

Sinopse: Três histórias ligadas à descoberta de uma vala comum clandestina criada no período da Ditadura Militar Brasileira. A busca de um filho por informações de seus pais desaparecidos políticos. O dilema de dois coveiros encarregados da criação de uma vala. Uma jovem estudante que se aproxima do ativismo político. 1970/1990 épocas distintas se entrelaçam nos fragmentos dessas histórias e evidenciam causas e consequências. Inspirado na história da vala comum do Cemitério Dom Bosco no bairro de Perus, São Paulo/SP. Duração: 110 min – Faixa etária: 12 anos

Link do evento 👉 COMUM no CEU Perus Mostra De Repertório Grupo Pandora – 15 Anos

Quando: 25 de janeiro de 2019 – sexta-feira – às 18h

26 de janeiro de 2019 – sábado – às 18h

Local: CEU Perus – Endereço: Rua Bernardo José Lorena, s/n – Perus

Link do evento 👉 COMUM na Canhoba – Mostra De Repertório – Grupo Pandora 15 Anos

Quando: 01 de fevereiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

02 de fevereiro de 2019 – sábado – às 19h

Local: Ocupação Artística Canhoba – Endereço: Rua Canhoba, 299 – Perus

Espetáculo: Relicário de Concreto (2013)

Sinopse: Espetáculo inspirado nas memórias dos trabalhadores da Fábrica de Cimento Portland Perus e na Greve dos Queixadas. Jovem procura emprego em uma fábrica de cimento, vê-se enredado por uma atmosfera de sonho e memória, onde cenas de um passado não muito distante irão misturar-se à suas angústias e preocupações modernas.  Passado e presente apresentam-se em uma única trajetória lírica, poética na qual a dualidade Queixada/Pelego é extrapolada em cenas e fragmentos de uma complexa rede de relações. Duração: 75 minutos – Indicação: Livre

Link do evento 👉 Relicário de Concreto – Mostra de Repertório – Pandora 15 anos

Quando: 08 de fevereiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

09 de fevereiro de 2019 – sábado – às 19h

15 de fevereiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

16 de fevereiro de 2019 – sábado – às 19h

Local: Ocupação Artística Canhoba – Endereço: Rua Canhoba, 299 – Perus

Espetáculo: Ricardo III não terá lugar ou cenas da vida de Meierhold (2015)

Sinopse: Um fuzilamento. Um ensaio de teatro. Um casal que conversa sobre a vida. Um filho que nasce. Uma peça censurada. Um chefe de Estado que prepara uma refeição aos artistas. Um ator com medo de interpretar o tirano “Ricardo III” de Shakespeare. Dramaturgia de Matéi Visniec inspirada no último pesadelo do encenador russo Vsévolod Meierhold antes de ser assassinado na prisão em 1940 por ordem do Generalíssimo, a peça trata da censura política, da vida de Meierhold e da força do teatro. Duração: 80 minutos – Indicação: Livre

Link do evento 👉 Ricardo III não terá lugar_Mostra de Repertório_Pandora 15 anos

Quando: 22 de fevereiro de 2019 – sexta-feira – às 20h

23 de fevereiro de 2019 – sábado – às 18h

01 de março de 2019 – sexta-feira – às 20h

02 de março de 2019 – sábado – às 18h

Local: CEU Perus – Endereço: Rua Bernardo José Lorena, s/n – Perus

Artigo anteriorConheça o trabalho de Abbas Fahdel
Próximo artigoUm ícone está de volta: Venice Magazine
Avatar
Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica em ajudar artistas, galeristas e colecionadores a terem um aspecto mais profissional dentro do mercado de arte internacional.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here