Meu pai é um homem pássaro

0
2847

Onde? Teatro do SESC Pompéia
Quem é o autor? David Almond
Qual é a peça? Meu pai é um homem pássaro
Sinopse? Lizzie, de 9 anos, chama seu pai Jack para tomar café da manhã; porém, neste dia ele levanta esquisito. Corre pela sala balançando os bra­­­ços para cima e para baixo, pia, grasna e come minhoquinhas. Jack tem certeza de que é um passarinho. Embarcando na fantasia do pai, Lizzie começa a curtir o colorido e a maciez das penas dos pássaros, a construir ninhos aconchegantes e a montar asas enormes.
Até quando? 23 de setembro

­Meu Pai é um Homem Pássaro, infantil dirigido por Cristiane Paoli- Quito

Cristiane Paoli-Quito (desde o final dos anos 90 à frente da Cia Nova Dança 4 e, entre outros, o Shell pela peça Aldeotas, de Gero Camilo) tem respaldo também em teatro infantil. Seus mais recentes trabalhos na área foram Buuu!!! A Casa do Bichão, em 2008, e Coppélias?!, em 2009 (indicação ao prêmio FEMSA pelos dois espetáculos). Em parceria com Miriam Druwe, da Cia Druw, dirigiu Lúdico (2008) e Vila Tarsila (2010). Recentemente, dirigiu, ainda, O Samba,  que estreou começo deste ano.

Em Meu Pai é um Homem Pássaro, Cristiane Paoli-Quito conta com o trabalho de uma equipe criativa e de sólida carreira na área. O cenário e a iluminação são criação de Marisa Bentivegna, ganhadora dos prêmios do APCA e Coca-Cola Femsa, enquanto os figurinos ficam a cargo da dramaturga, atriz e diretora Cláudia Schapira (da Núcleo Bartolomeu de Depoimentos). A trilha sonora é tocada ao vivo pelos músicos Natália Mallo e Ramiro Murilo. No elenco estão os atores da Cia Simples – Daniela Duarte, Flavia Melman, Luciana Paes e Otávio Dantas. O texto é do premiado escritor britânico David Almond (conhecido pelos livros Skeelig e The Fire-Eaters).

 Jack acorda diferente. Corre pela sala abanando os braços, assobia e tem uma vontade louca de voar e comer minhoca. A partir de agora, a menina Lizzie, 9 anos, precisa aprender a lidar com seu pai: ele pensa que é um pássaro. Outros personagens entram na história, como a tia Doreen (que tem seus pés bem fincados no chão), o diretor da escola Senhor Mint e o Senhor Poop, o coordenador da mágica competição de pássaros humanos.

O cenário – assinado por Marisa Bentivegna – tem árvores, jardim, projeções e uma escada de corda que leva ao infinito. Outros elementos cênicos ficam por conta da narração. Desta forma, o público é estimulado a usar a imaginação”, diz Marisa. Projeções com imagens desenhadas, criadas com o recurso stop motion, técnica de animação quadro a quadro, recheiam a montagem e complementam o cenário.

Acústica, a trilha sonora – criada por Natália Mallo e Ramiro Murillo – é executada ao vivo. “Estamos em cena o tempo todo tocando violão e percussão, acompanhados de voz e alguns efeitos. A trilha é muito delicada, como a peça pede”, conta Natália. Os temas dos personagens foram criados em processo com atores e diretora. Entre as músicas, Natália  conta que “tem o tema dos bolinhos da Tia Doreen, o tema do método de propulsão, o tema do concurso do homem voador “.

Para encenar a trama no teatro, a diretora Cristiane Paoli Quito fala do trabalho em conjunto e contínuo com toda a equipe. ”O livro de David Almond está em cena em todo  o espetáculo. Na história, os personagens leem o livro e interpretam. Com isso, deixamos a literatura muito presente no espaço teatral.” Durante a montagem, atores, diretora e músicos contribuem para transformar a obra em peça de teatro, sem perder a linha construtiva do texto. Na Cia Nova Dança 4, Cristiane Paoli Quito conta que explora sua know-how em dança em todo trabalho. “Não só na coreografia em si, pois os desenhos corporais são muito fortes na peça. É um prazer associar a relação do corpo com um bom texto”, finaliza.

(Douglas Picchetti)

Sobre Cristiane Paoli Quito

A diretora investiga as intersecções entre as linguagens de teatro, dança, circo, teatro de bonecos e música. Sua formação é resultante de encontro com profissionais como Philippe Gaulier, Maria Helena Lopes, Francesco Zigrino, Tica Lemos, Neide Neves, Lu Favoretto, Rose Akras, Steve Paxton, Lisa Nelson entre outros. Ganhou prêmios importantes do meio teatral como Shell, APCA e Femsa. Está a frente da  Cia. Nova Dança 4).Seus últimos trabalhos: Aldeotas, Influência – primeiros estudos, O Beijo, Tráfego. Em teatro infantil, seus últimos trabalhos foram em Lúdico (2008) e Vila Tarsila (2010), em parceria com Miriam Druwe, da Cia Druw, Buuu!!! A Casa do Bichão (2008), Coppélias?! (2009), O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (2011) e O Samba (2012).

Sobre os atores da Cia Simples

Flávia Melman

É integrante do núcleo criador da Cia. Simples de Teatro. É atriz do espetáculo Se eu fosse eu… da Cia. Simples. Formada pela escola de Arte Dramática (EAD-ECA-USP) e em formação na Faculdade de Psicologia da USP. Trabalhou com: Antunes Filho (CPT- Medeia), Geral Thomas (Esperando Beckett), Georgette Fadel (Love n’ Blembers) e Heron Coelho (Gota D’agua) Cristiane Paoli Quito (Romeu e Julieta, Hamlet, Inspetor Geral, Clown), Antonio Araújo (pesquisas de novas dramaturgias, monólogo A mulher sozinha) Beth Lopes (Merlin), Bete Dorgam (Despertar da Primavera), Tiche Vianna (Commedia dell’arte), André Garolli (Pedreira das Almas), Luis Damasceno (Bodas de Papel), entre outros espetáculos desde 1996. É coordenadora do projeto Corpo Existente (teatro e expressão corporal) em escolas e ONGs. É educadora de Teatro e consciência corporal na ONG Cidade Escola Aprendiz e na Eletrocooperativa.

 

Daniela Duarte

É integrante do núcleo criador da Cia. Simples de Teatro. É atriz do espetáculo Se eu fosse eu… da Cia. Simples. Formada pela Escola de Arte Dramática (EAD – ECA – USP)e graduada em História, Bacharelado pela FURG (Fundação Universidade do Rio GrandeRS). Trabalhou com: Heron Coelho (Gota D’Água – Breviário), Mario Piacentini (O assassinato do Marquês de Sade), Georgette Fadel (Preqária, Love n’ Blembers), Cristiane Paoli Quito (Comédia dos Erros, Clown), Iacov Hillel (Hair), Bete Dorgam (À margem da vida), Luis Damasceno (O Último Folhetim) e outros, em diversas pesquisas desde 1994. Trabalha com dublagens e locuções, ministra aulas de voz. Venceu o prêmio de melhor atriz com o espetáculo Sobreviventes de Caio Fernando Abreu, no Projeto Nascente / USP. Ganhadora do prêmio literatura audio ficções do Itaú Cultural de 2005 com o texto Muribeca. É educadora de teatro para professores de escolas públicas.

Luciana Paes

É integrante do núcleo criador da Cia. Simples de Teatro. É atriz do espetáculo Se eu fosse eu… da Cia. Simples. Formada pela Escola de Arte Dramática (EAD-ECA-USP) e graduada em comunicação pela ESPM.Trabalhou com: Heron Coelho (Gota D’Água -Breviário e Calabar-Breviário), Mario Piacentini (O assassinato do Marquês de Sade),Georgette Fadel (Preqária, Love n’ Blembers), Cristiane Paoli Quito (Comédia dos Erros;Clown; Caminhos, no SESI), Cia Druw e co-direção de Cristiane Paoli Quito (Lúdico),Leonardo Moreira (Cachorro Morto), Iacov Hillel (Hair; Ópera do Malandro), Bete Dorgam(À margem da vida), Luis Damasceno (O Último Folhetim). Trabalha com locuções, ministra aulas de voz. Venceu o prêmio de melhor atriz com o espetáculo Sobreviventes de Caio Fernando Abreu no Projeto Nascente/USP. Vencedora do Festival de Monólogos de Vitória. Ganhadora do prêmio literatura áudio ficções do Itaú Cultural de 2005 com o texto Lurdes e as Estrelas. Preparadora vocal do espetáculo Orlando (Paula Picarelli) e Cartas para o Futuro (Helder Mariani).

 

Otávio Dantas

É integrante do núcleo criador da Cia. Simples de Teatro. É ator do espetáculo Se eu fosse eu… da Cia. Simples. Formado pela Escola de Arte Dramática (EAD – ECA – USP) e graduado em comunicação pela ESPM. Foi dirigido por Antonio Januzelli (Oito), Cristiane Paoli Quito (Hamlet, Inspetor Geral, Clown), Georgette Fadel (Love n’ Blembers), Beth Lopes (Merlin), Bete Dorgam (A Gaivota), André Garolli (Pedreira das Almas), Luis Damasceno (Nosso Aniversário), Dan Stubalch e Fábio Herford (O Inspetor Geral, Aurora da Minha Vida, Arsênico e Alfazema, Capitão Fracassa, dentre outras). Assistente de direção: Cristiane Paoli Quito (Caminhos – SESI) e Georgette Fadel (Love n’ Blembers).Ganhador dos prêmios de melhor ator (Festival Paulista de Teatro Amador – FEPAMA,1999), melhor ator coadjuvante (FEPAMA 1997), melhor ator coadjuvante (Festival de Cinema de Recife 2001 pelo curta metragem Sintonia Fina). Em 2002, cursou a disciplina o Laboratório Dramático do Ator, ministrado pelo Prof. Dr. Antonio Januzelli no programa de pós-graduação da ECA/USP. É coordenador, diretor e professor do grupo de teatro da ESPM, tendo dirigido mais de 15 espetáculos e mostras de Teatro desde 2000.

 

FICHA TÉCNICA

Texto: David Almond. Direção: Cristiane Paoli Quito. Elenco: Daniela Duarte, Flavia Melman, Luciana Paes e Otávio Dantas (Cia Simples). Trilha original: Natália Mallo e Ramiro Murilo. Cenário e iluminação: Marisa Bentivegna. Asas: Lia Chaia. Arte Gráfica: Anna Turra. Figurino: Claudia Shapira. Produção: Dora Leão. Pré-produção: Flavia Melman.

 


Classificação: LIVRE. Duração: 50 minutos. Capacidade: 356 lugares.

Horário de funcionamento da Bilheteria – De terça a sábado das 9 às 21 horas e domingos e feriados das 9 às 19 horas (ingressos à venda em todas as unidades do SESC).

 

 

Artigo anteriorRobert Mapplethorpe
Próximo artigoO desejo
Avatar
Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica em ajudar artistas, galeristas e colecionadores a terem um aspecto mais profissional dentro do mercado de arte internacional.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here