Exposição “Arte e Política no acervo do MAP”, na Galeria GTO e Mezanino do Sesc Palladium -BH (até 31 de jul)

Por Equipe Editorial - junho 8, 2016
190 0
Pinterest LinkedIn

EXPOSIÇÃO “ARTE E POLÍTICA NO ACERVO DO MAP” TRAZ À TONA DISCUSSÕES
SOBRE POLÍTICA E ARTE, NO SESC PALLADIUM A PARTIR DE 22 DE JUNHO
ESTÃO NA PROGRAMAÇÃO UMA MOSTRA COM RECORTE DO ACERVO DO MUSEU DE
ARTE DA PAMPULHA, INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS, SEMINÁRIO E ENCONTRO
COM GRANDES NOMES DAS ARTES, ALÉM DE LANÇAMENTO DE CATÁLOGO

 

Como o conceito de micropolítica se articula com a prática artística experimental ao longo dos anos? Esta e outras perguntas são a base da mostra “Arte e Política no Acervo do MAP”, em cartaz no Sesc Palladium a partir de 22 de junho. Apresentada pela Fundação Municipal de Cultura por meio do Museu de Arte da Pampulha, a coletiva pretende investigar e discutir a relação entre política e arte. Além da exposição, acontecem também intervenções artísticas, um seminário com duas mesas redondas sobre os temas, além do lançamento de um catálogo juntamente com uma “Conversa com Artistas”.

Aberta ao público até 31 de julho, a mostra conta com 24 obras, todas do acervo do MAP, sob a curadoria de Marilia Andrés Ribeiro, historiadora da arte e pesquisadora da UFMG. A seleção foi realizada a partir de pesquisa bibliográfica sobre o MAP (Inventário, Salões Entre Salões, Projetos de Arte Contemporânea e Bolsa Pampulha) e complementada com uma análise de arquivo sobre os autores e as obras.

“Organizamos as peças por afinidades de expressões artísticas e iconográficas, buscando estabelecer um diálogo entre elas em torno dos conceitos de micropolítica e micropoética, focalizando as poéticas visuais que se referem às questões políticas e circulam no universo molecular da vida cotidiana, das relações interpessoais, comportamentais e institucionais”, observa a curadora.

Fazem parte da exposição obras dos artistas Jarbas Juarez, José Alberto Nemer, Madu, Teresinha Soares, Maria Helena Andrés, Mariza Trancoso, Júlio Espíndola, Julio Fortes, Marilia Rodrigues, João Câmara Filho, Marcos Coelho Benjamim, Iazid Thame, Rosângela Rennó, Hugo Denizart, Manfredo Souzaneto, Paulo Bruscky, Paulo Nazareth, Sebastião Nunes, Frederico Morais, Beatriz Dantas, Paulo Emilio Lemos, Maria do Carmo Arantes e Miguel Gontijo.

INTERVENÇÕES ARTÍSTICAS
Além das 24 obras, foram convidados outros dois artistas contemporâneos, provenientes do Edital Bolsa Pampulha, programa de residência artística do Museu. Ao longo do período da exposição, eles realizam intervenções no espaço do Sesc Palladium, dentro dos projetos Parede e Café.

SEMINÁRIOS
Como parte da programação, acontece no dia 5 de julho o seminário “Desafios das Instituições Culturais e dos Museus no Brasil”, no Teatro de bolso do Sesc, com duas mesas redondas. O objetivo é discutir algumas questões de arte e política a partir da reflexão sobre o acervo do Museu de Arte da Pampulha.

“A exposição itinerante das obras desse acervo no espaço do Sesc Palladium torna-se catalizadora para pensarmos questões referentes à pesquisa, à curadoria e à gestão dos acervos museológicos”, conta Marília. Estão na pauta discussões como a especificidade do MAP em diálogo com outros museus e centros culturais brasileiros, visando compreender a formação, a atuação e a situação atual dessas instituições no contexto urbano, político e social do Brasil.

A primeira mesa redonda, das 10h às 12h30, traz o tema “Comunicação e Curadoria nas Instituições Culturais”, com mediação de Luciana Feres, arquiteta e diretora de Políticas Museológicas da Fundação Municipal de Cultura de BH. Os convidados são Frederico Morais, crítico de arte, curador, ex-coordenador do MAM/RJ; e Renata Marquez, arquiteta, professora da UFMG, ex-curadora do MAP.

Já a segunda mesa, também no dia 5 de julho, das 14h30 às 17h, terá mediação da curadora da exposição, Marilia Andrés Ribeiro, e como tema a “Pesquisa e curadoria em instituições culturais”. Os convidados são Agnaldo Farias, arquiteto, curador, professor da USP, ex-curador da 29ª Bienal de São Paulo, conselheiro do Instituto Tomie Ohtake; e Marconi Drummond, artista visual, designer e ex-curador do MAP.
LANÇAMENTO DE CATÁLOGO E “CONVERSA COM ARTISTAS”
Para finalizar o período da mostra, no dia 30 de julho acontece o lançamento de um livro-catálogo com um texto curatorial englobando questões referentes ao contexto histórico, aos artistas e às obras da exposição. Também como conteúdo, entram dois textos de autores que participam do seminário. O livro apresentará imagens das obras, do projeto expográfico, da montagem e do espaço expositivo no Sesc Palladium.

No mesmo dia, das 11h às 13h, no mezanino do Sesc, acontece um encontro de com os artistas Teresinha Soares e Marco Paulo Rolla. O objetivo é um bate-papo sobre questões referentes à performance, tomando como eixo a proposta da exposição. Teresinha Soares foi a precursora da performance em Belo Horizonte e Marco Paulo Rolla é um incentivador dessa arte na capital mineira e atual diretor do Centro de Experimentação e Informação da Arte (CEIA).

SERVIÇOS
Exposição – Arte e Política no Acervo do MAP
Local: Galeria GTO e Mezanino do Sesc Palladium
Data: 22 de junho a 31 de julho de 2016, de terça a domingo, das 9h às 21h.
Entrada gratuita.
Informações sobre o evento (público): (31) 3270-8100

Comentários

Please enter your comment!
Please enter your name here