Não foi Duchamp quem criou o “ready made”, saiba de quem ele pegou a ideia.

0
2274
Marcel Duchamp
Marcel Duchamp

Quando os “ready made” ficaram famosos?

Em abril de 1917, uma peça ordinária de encanamento escolhida por Duchamp foi submetida a uma exposição da Sociedade de Artistas Independentes, a exposição inaugural da Sociedade foi apresentada no Grand Central Palace, em Nova York.

Na apresentação de Duchamp, a orientação do mictório foi alterada em relação ao seu posicionamento habitual.

duchamp-fountain
fountain

A Fountain (nome dado ao mictório) não foi rejeitada pelo comitê, já que as regras da Society declaravam que todos os trabalhos seriam aceitos pelos artistas que pagassem a taxa, mas o trabalho nunca foi colocado na área do show. Após essa remoção, Fountain foi fotografado no estúdio de Alfred Stieglitz, e a foto foi publicada no The Blind Man. O original foi perdido.

The Blind Man
The Blind Man

O trabalho é considerado pelos historiadores de arte e teóricos da vanguarda como um importante marco na arte do século XX.

Dezesseis réplicas foram encomendadas a Duchamp nas décadas de 1950 e 1960 e feitas para sua aprovação.

Alguns estudiosos sugeriram que o trabalho original era de Elsa von Freytag-Loringhoven e não de Duchamp, mas essa é uma visão minoritária entre os historiadores. Mas a ideia dos “ready made” já tinha sido criada.

Quem é a baronesa Elsa von Freytag-Loringhoven?

Elsa Hildegard, Baronesa von Freytag-Loringhoven (Świnoujście, 12 de julho de 1874 – Paris, 15 de dezembro de 1927) foi uma artista alemã e poeta dos movimentos dadaísta e avant-garde que por muitos anos trabalhou no Greenwich Village, em Nova Iorque.

A baronesa Elsa von Freytag-Loringhoven usava maquiagem de cores vivas, cabeça raspada na lateral em vários tons. Seus apetrechos também incluíam pássaros vivos, cachorros, um sutiã de lata de tomate, braços cheios de pulseiras e luzes piscando.

Sua poesia franca e esculturas robustas de objetos encontrados – muitas vezes incorporadas em seus trajes. A baronesa era um dínamo na cena literária e artística de Nova York na virada do século, parte do grupo Arensberg Salon que incluía Marcel Duchamp, Man Ray, Beatrice Wood, Francis Picabia, Mina Loy e muitos outros.

Ela combinou escultura, moda, poesia e performance para incorporar um estilo de vida anti-burguês impulsionado pela paixão e uma reatividade emocional ao seu entorno.

As esculturas da baronesa eram mais do que objetos banais – indicavam a artista como uma força revigorante através da utilização de materiais normalmente negligenciados.

“Estava lotado de estranhas relíquias, que ela havia roubado por anos das sarjetas de Nova York. Pedaços velhos de ferragens, pneus de automóveis, legumes dourados, uma dúzia de cães famintos, pinturas de celulóide, latas de cinzas, todos os horrores imagináveis, que, para sua percepção torturada e altamente sensibilizada, tornaram-se objetos de beleza formal ”.

George Biddle sobre uma visita no estúdio da baronesa

A teoria mais escandalosa que rodeia a baronesa é que ela colaborou com Duchamp em sua famosa fonte (1917).

Elsa-von-Freytag-Loringhoven

Os fatos contra a autoria de Duchamp

Irene Gammel (historiadora e biografa canadense) apresentou um argumento convincente sobre a influência da baronesa na obra de arte de Duchamp em sua notável biografia de 2002, Baroness Elsa: Gender, Dada, and Everyday Modernity.

O fato é que Duchamp deve ter conspirado com outros para poder levar a obra Fountain para o salão anonimamente, e a baronesa era amiga íntima dele, embora ele tivesse recusado os avanços dela.

Em uma carta de 1917 de Marcel para sua irmã, a pintora Suzanne Duchamp, diz:

“Uma das minhas amigas, sob o pseudônimo masculino Richard Mutt, enviou um mictório de porcelana como escultura. Não era de todo indecente – nenhuma razão para recusar. A comissão decidiu não querer mostra-la . ”

Um relato de Alfred Stieglitz (fotógrafo americano) corrobora que foi uma mulher a responsável por trazer um grande mictório de porcelana em um pedestal para o salão.

Elsa-von-Freytag-Loringhoven-Costume-and-Makeup-Detail
Elsa-von-Freytag-Loringhoven: Costume and Makeup Detail

Stieglitz pode estar se referindo ao alter ego feminino de Duchamp, Rrose Sélavy; Mesmo assim, ela provavelmente foi modelada após a baronesa.

O mictório é consistente com a escolha da Baronesa de assuntos sexuais, indecentes ou “inconvenientes” em seus outros trabalhos. Relatos de jornais contemporâneos relataram que Richard Mutt era da Filadélfia, onde a baronesa morava em 1917.

Embora Duchamp tenha afirmado que ele comprou o mictório de JL Mott Iron Works, uma loja de encanamento na 5th Avenue, o modelo específico nunca foi encontrado no inventário da loja neste período.

A escultura desapareceu logo após a exposição, e a primeira reprodução de Fountain não foi criada até 1950, muito depois da morte da baronesa em 1927.

Elsa-von-Freytag-Loringhoven 2

Conclusão

A baroneza nunca reivindicou a autoria de Fountain, e ela não era conhecida por se conter, especialmente perto do fim de sua vida.

O fato é que o conceito de “ready mades” já havia sido criado muito antes da exposição em que Douchamp tomou parte e que a criação do Fountain tem uma mão de criatividade forte da Baronesa, no mínimo.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here