Artes Plásticas

4 dicas de como usar a ótica na hora de pintar

A mistura ótica de cores é regulada pela nossa “percepção” delas, e não pela mistura em uma paleta. Em outras palavras, em vez de misturar duas cores e depois aplicar a mistura na tela, coloque as duas cores únicas unidas uma ao lado da outra na tela e permita que o “olho” do espectador faça a mixagem.

O efeito será semelhante à mistura comum porém, quando o olho mistura as cores, o resultado geralmente é mais intenso. Essa técnica de mistura ótica de cores (divisionismo) foi exemplificada no estilo pontilhismo dos pintores neo-impressionistas Georges Seurat (1859-1891) e Paul Signac (1863-1935). Um praticante moderno é o artista impressionista irlandês Arthur Maderson.

1. Colocar lado a lado certas cores aumenta a intensidade

Para que as cores brilhantes se destaquem mais, coloque-as ao lado de cores neutras na tela. Por exemplo, um vermelho regular parecerá mais rico e mais intenso quando colocado ao lado de um tom cinza. Da mesma forma, um tom escuro (por exemplo, azul escuro) se intensificará se cercado na tela por um claro (por exemplo, amarelo limão).

The Pine Tree at Saint Tropez, Paul Signac, 1909

2. Usando esmaltes para mesclar oticamente as cores

O envidraçamento é outro método de produzir misturas ópticas de cores. Por exemplo, aplicando um esmalte azul sobre um solo amarelo, o verde produzido é muito mais vivo do que aquele produzido pela mistura de pigmentos amarelos e azuis. Isso ocorre porque a luz entra no filme transparente e é refratada por baixo, produzindo um efeito rico e brilhante.

Imagem do Instagram Artclaytion da artista Clayrene

3. Usando a técnica de troca

A troca de cambio é o método de colocar formas de luz contra o escuro e vice-versa. Esta técnica de mistura de cor óptica não apenas destaca as formas mais leves, como também cria um “movimento” exato levando o olho do observador da luz para a escuridão e vice-versa. Um dos maiores expoentes da contrabalança foi o artista realista holandês Jan Vermeer.

The Girl With The Pearl Earring, Johannes Vermeer, 1665

4. Como criar profundidade e espaço

Outra técnica de mistura de cores óticas é a justaposição de cores quentes e frias. A questão é que o olho percebe cores frias como sendo mais distantes do que as quentes. Assim, colocar cores quentes de terra no primeiro plano de uma pintura de paisagem e cores progressivamente mais frias em direção ao horizonte, faz com que o olho do espectador perceba uma profundidade maior na tela.

Christina’s World de Andrew Wyeth

Fonte

http://visual-arts-cork.com/artist-paints/colour-mixing-tips.htm

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.
Equipe Editorial

Os artigos assinados pela equipe editorial representam um conjunto de colaboradores que vão desde os editores da revista até os assessores de imprensa que sugeriram as pautas.

Recent Posts

10 fatores que determinam o valor de uma obra de arte

Esse vídeo faz parte de uma série sobre Dicas para Colecionadores. Nele, eu explico o porquê…

23 horas ago

Como precificar uma obra de arte?

Esse vídeo faz parte de uma série sobre Dicas para Artistas. Nele, eu explico todos os…

23 horas ago

Arte132 Galeria apresenta “Transmutação e metáforas do inconsciente”

A Arte132 Galeria apresenta, a partir do dia 10 de agosto, a exposição "Transmutação e…

2 dias ago

Século de Ouro, Partenon e o Período Clássico ateniense

Período Clássico ateniense (c.480 – 323 a.C.) A vitória sobre os persas em 490 –…

2 dias ago

Pop Art: contexto histórico, características e artistas

1. Contexto Histórico A Pop Art ou Arte Pop, nasceu na Grã-Bretanha em meados da…

2 dias ago

Turner: o homem moderno e a natureza

Joseph Mallord William TURNER (1775‑1851) se destaca, entre outros, na pintura paisagística com viés pitoresco…

2 dias ago