8 fatos curiosos sobre Francis Bacon, o Artista das figuras distorcidas.

Francis Bacon (28 de Outubro de 1909 – 28 de Abril de 1992) foi um pintor anglo-irlandês de pintura figurativa. Seu trabalho é mais conhecido como audaz, austero, e frequentemente grotesco ou imagem de pesadelo.

Sinopse

Francis Bacon produziu algumas das imagens mais emblemáticas da humanidade ferida e traumatizada na arte pós-guerra. Tirando inspiração do surrealismo, do cinema, da fotografia e dos Antigos Mestres, ele forjou um estilo disto que o tornou um dos mais reconhecidos expoentes da arte figurativa nas décadas de 1940 e 1950.

Bacon concentrou suas energias em retratos, muitas vezes retratando hábitos dos bares e clubes do bairro do Soho em Londres. Mas seus sujeitos sempre foram retratados como distorcidos violentamente, apresentados não como tipos sociáveis ​​e carismáticos, mas como almas isoladas presas e atormentadas por dilemas existenciais.

Um dos pintores britânicos mais bem sucedidos do século XX, a reputação de Bacon foi aumentada ainda mais durante o retorno à pintura na década de 1980, e depois de sua morte ele foi visto por alguns como um dos pintores mais importantes do mundo.

Idéias-chave

O surrealismo biomórfico moldou o estilo deThree Studies for Figures at the Base of a Crucifixion (1944), o trabalho que lançou a reputação de Bacon quando foi exibido em Londres nas últimas semanas da Segunda Guerra Mundial. O trabalho estabeleceu muitos dos temas que ocupariam o resto de sua carreira, como a capacidade da humanidade para a autodestruição e seu destino em uma era de guerra global.

Bacon estabeleceu amadureceu a sua obra no final da década de 1940 quando  desenvolveu seu estilo surrealista anterior em uma abordagem emprestada do cinema e fotografia, em particular os estudos de figuras em ação produzidos pelo jovem fotógrafo Eadweard Muybridge. A partir destes, Bacon não só foi pioneiro em novas formas de sugerir o movimento na pintura, mas também para trazer a pintura e a fotografia para uma união mais coerente.

Embora o sucesso de Bacon dependesse de sua abordagem impressionante para a figuração, suas atitudes em relação à pintura eram profundamente tradicionais. Os Antigos Mestres foram uma importante fonte de inspiração para ele, em particular o Retrato de Papa Inocente X de Diego Velázquez (c.1650) que Bacon usou como base para sua própria série famosa de “papas gritando”. Num momento em que muitos perderam a fé na pintura, Bacon manteve sua crença na importância desta mídia, dizendo sobre seu  trabalho que suas  imagens “merecem a Galeria Nacional ou o caixote do lixo, sem nada no meio“.

Obras mais importantes

Crucifixion (1933)

Descrição e análise da obra:  Trabalho que lançou o Bacon no olhar do público, muito antes dos sucessos muito maiores dos anos pós-guerra. A pintura pode ter sido inspirada pelo Slaughtered Ox (c.1638) de Rembrandt (c.1638), mas também pelo estilo surrealista de Picasso. A brancura translúcida pintada sobre o quadro corporal na Crucificação acrescenta um toque fantasmagórico a uma composição já perturbadora, introduzindo a obsessão de Bacon com a dor e o medo. Expostos em um momento em que os horrores da Primeira Guerra Mundial ainda eram lembrados. A obra falou de como a brutalidade havia mudado o mundo para sempre. Esta obra é de propriedade de Damien Hirst.

Study after Velazquez’s Portrait of Pope Innocent X (1953)

Descrição e análise da obra: Embora a figura nesta imagem derive de um retrato de 1650 do Papa Inocente X de Diego Velázquez, Bacon evitou ver a pintura original, preferindo trabalhar com as reproduções. Mais uma vez, ele implementa um quadro semelhante a uma gaiola que envolve o papa, mas também introduz pincel vertical em toda a superfície da pintura, um elemento que ele descreveu como uma cortina, relacionando a figura com um objeto precioso que requer um espaço protegido. Os traçados lineares são destrutivos para a imagem e parecem mais com as barras de uma cela. As linhas quase parecem vibrar, e tons complementares de púrpura e amarelo aumentam a tensão da composição. Sobre o seu famoso grito, Bacon diz: “Eu não fiz isso da maneira que eu queria …. queria fazer a boca, com a beleza da sua cor e tudo, parece um dos pores do sol ou algo assim De Monet “.

Two Figures (1953)

Descrição e Análise da Obra: devido aos seus homosexualismo, a exposição inaugural de Dois Figuras causou um alvoroço. Tirado de estudos de desenhos anatômicos e fotografia de movimento de Eadweard Muybridge(abaixo), duas figuras são tanto uma exploração do corpo em ação quanto uma representação do ato físico de amor. As duas figuras entrelaçadas na cama são cobertas pela “cortina” de Bacon, que obstruem a visão e aumentam o movimento das figuras. Em vez de evocar o romance de um encontro noturno, as cores escuras da pintura aludem a um encontro mais sinistro.

Foto referência

 

Fatos curiosos sobre Francis Bacon:

1  Ele idolatrava Pablo Picasso.
Enquanto Picasso é um herói para muitos artistas, Bacon acredita que deu início de sua carreira artística. “Picasso é a razão pela qual eu pinto. Ele é a figura paterna, que me deu o desejo de pintar “, disse Bacon a John Gruen pelo livro The Artist Observed: 28 Entrevistas com artistas contemporâneos.

2  Sua mãe era petulante.
Christina Winifred “Winnie” Firth foi uma herdeira da fortuna do aço Sheffield. A irmã de Bacon, Ianthe Knott, falou dos caminhos da moda da mãe e do relacionamento tenso com seu filho quando foi entrevistada para o Bacon’s Arena, que foi transmitido na BBC em 2005:

3  Ele era cinéfilo.
Bacon ficou tão impressionado com o Encouraçado Potamkin de Sergei Eisenstein em 1925, que  começou a pintar o rosto da enfermeira gritando na icônica sequência de etapas de Odessa como um estudo para os outros rostos gritantes que ele usou em suas obras. Ele chamou o filme de um “catalisador”, como ficou especialmente fascinado com a boca da enfermeira aberta em perigo. Um desses estudos está instalado na coleção no Museu Städel na Alemanha.

4  Ele destruiu muitos de seus primeiros trabalhos.
De acordo com a sua família, Bacon foi incluído em uma exposição de “jovens artistas britânicos” de 1937 com curadoria de Eric Hall, mas quando o show recebeu críticas negativas, ele descartou todas as obras que exibiu. Muitas das suas pinturas desse período sobreviveram. No entanto, desde a sua morte em 1992, uma série de obras importantes que foram anteriormente assumidas destruídas, incluindo os papas do início da década de 1950 e os retratos da década de 1960, ressurgiram para estabelecer preços recorde em leilão.

5  Você ainda pode visitar seu estúdio em Dublin.
Os fãs de Bacon  podem visitar uma versão reconstruída de seu estúdio na Hugh Lane Gallery, que inclui vários itens de seu famoso estúdio desarrumado e sua extensa coleção de livros e recortes.

6  Bacon usou o verso de suas telas
Para contabilizar a falta de trabalho do artista ele reutilizou muitas de suas telas. Inicialmente o motivo foi a falta de fundos, mas depois se tornou uma preferência, e muitas obras-primas agora são pintadas no verso.

“Bem, eu estava vivendo uma vez em Montecarlo e eu perdi todo o meu dinheiro, e, não tinha nenhuma tela e assim, as poucas que eu tinha, eu simplesmente as girei e achei que o lado oposto da tela funcionaria para mim muito bem”, explicou em uma entrevista com Melvyn Bragg em 1985.

7  Ele foi o primeiro empregado como designer de interiores
Voltando a Londres depois de um breve período em Berlim e Paris, Bacon instalou um estúdio em South Kensington. No entanto, o estúdio não se destinava a sua arte, mas sim seu trabalho como designer de interiores.

8  Foi descendente de Francis Bacon, filósofo do Período Elisabetano

 

 

Fontes: artnet, justcollecting.com, wikipedia, theartstory, youtube.

Paulo Varella1219 Posts

Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password