Quem é Ronaldo do Rego Macedo

0
6562
detalhe do trabalho de Ronaldo Macedo
detalhe do trabalho de Ronaldo Macedo

Biografia

Ronaldo do Rego Macedo (Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1950). Pintor e professor. Inicia sua formação artística em 1969 no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM/RJ), onde estuda com Ivan Serpa (1923-1973) e Anna Bella Geiger (1933).

Ronaldo R Macedo, foto:Wilton Montenegro
Ronaldo R Macedo, foto:Wilton Montenegro

Entre 1971 e 1975, trabalha no serviço de monitoria do MAM/RJ. Participa em 1973 da 12ª Bienal Internacional de São Paulo. Em 1975, faz sua primeira individual, na Fundação Cultural, em Brasília, e recebe o prêmio aquisição do Salão de Verão JB/Light, no MAM/RJ. Passa a lecionar história da arte no Centro Universitário Profissional (CUP), no Rio de Janeiro, em 1978. Atua como diretor, em parceria com outros artistas, da galeria do Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB), no Rio de Janeiro, durante o ano de 1981.

Dança ao som da flauta. foto Wilton Montenegro
Dança ao som da flauta. foto Wilton Montenegro

 

Leciona, entre 1981 e 1986, na Faculdade do Centro Educacional de Niterói (Facen). De 1982 a 1989, dirige, com Ascânio MMM (1941), a Galeria do Centro Empresarial Rio. Participa da sala especial Em Busca da Essência: Elementos da Redução na Arte Brasileira, na 19ª Bienal Internacional de São Paulo, em 1987. É professor de pintura na Escola de Artes Visuais do Parque Lage (EAV/Parque Lage), no Rio de Janeiro desde 1977.

Isto que chegou do Nada. foto Wilton Montenegro
Isto que chegou do Nada. foto Wilton Montenegro

Seu trabalho

A partir dos anos 1980, Ronaldo Macedo produz telas abstratas, nas quais aborda questões relacionadas à própria natureza da pintura. Grande parte de sua produção tende ao monocromático ou apresenta uma gama cromática reduzida.

Colisor de simetrias 2. foto: Wilton Montenegro

Em algumas obras realiza cortes na superfície do suporte, aproximando-se também da produção do pintor e escultor italiano Lucio Fontana (1899-1969). Em outras pinturas, as superfícies, pelas repetidas camadas de tinta aplicadas, revelam uma vibração luminosa que evoca a produção de artistas como pintor americano Mark Rothko (1903-1970): o uso da cor cria atmosferas e possui também um caráter simbólico.

Falésias, foto: Wilton Montenegro
Falésias, foto: Wilton Montenegro

Em suas obras, Macedo explora o confronto entre a sobreposição de diversos planos cromáticos e a superfície pictórica. O pintor deixa constantemente margens brancas entre o limite do suporte e o do campo de cor, determinando o limite de autonomia do quadro. Para o historiador da arte Walter Zanini (1925-2013), sua produção relaciona-se ainda com as premissas do support-surface.

Uma prega na lisura absoluta: foto: Wilton Montenegro
Uma prega na lisura absoluta: foto: Wilton Montenegro

Aonde ver?

O carioca Ronaldo do Rego Macedo mostra 40 trabalhos inéditos em óleo sobre tela e sobre papel na individual, intitulada “Fissão][Tectônica”, um segmento de sua produção dos anos 2010, que ocupa três salas do Paço Imperial, sob curadoria de Sonia Salcedo Del Castillo.

A pintura abstrata recente do artista, professor da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, é a continuidade de uma pesquisa de décadas, em que a cor constitui pura presença física. Cores vibrantes, criadas por Ronaldo são “soterradas” por camadas muito espessas de tinta a óleo de tons de branco, aplicadas com pincel, trincha, vassoura ou a mão diretamente. Nas telas grandes e pequenas, há vestígios de vermelhos, azuis e roxos implacavelmente cobertas pelos brancos, nos quais a marca das “pinceladas” se faz evidente.

Colisor de simetrias, foto: Wilton Montenegro
Colisor de simetrias, foto: Wilton Montenegro

“Estou sempre girando em torno do tema da invisibilidade, do silêncio, do vazio. Sempre há algo que nunca se revela inteiramente, fica à sombra […]. A pintura vem para a frente, ela quer nos abraçar, mas há alguma coisa que chama atenção para o que é fluido e recessivo. O título, quando aparece inscrito na pintura, […] é, muitas vezes, é um signo vazio, que nada significa, ainda bem. E que tem sempre um apagamento, que contradiz  essa presença da área pintada”, entrega Rego Macedo.

Sobre o apagamento a que o artista se refere, a curadora Sonia Salcedo Del Castillo descreve no texto de apresentação: […] o vigor impresso à fatura de suas telas resulta em espaço e presença pulsantes. Há nela tal frescor que, por vezes, parece sugerir sabor à sua pintura.

PAÇO IMPERIAL

Fonte: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2018. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa24679/ronaldo-do-rego-macedo>. Acesso em: 14 de Dez. 2018. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

Artigo anteriorO que foi o expressionismo?
Próximo artigoConheça o artista Macaparana e a sua arte
Avatar
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here