Arte no Mundo

Artistas mulheres que você precisa conhecer


Neste texto vamos falar como as mulheres ainda vêm sofrendo descriminação desde o começo da história das artes e, assim como em muitas atividades humanas, a área da cultura e das artes visuais é ainda uma atividade não dominada por artistas mulheres.

Primeiramente porque ao longo de séculos elas aparecem mais como modelos de pinturas, desenhos, esculturas, gravuras e outras mídias, do que propriamente autoras desta história.

Existem muitos estudos que apontam a ausência de artistas mulheres ao longo da História da Arte – claro, como toda, ela é contada e por alguém que elege o que deve ser contado – como é o caso do intitulado livro The Reckoning: Women Artists of the New Millennium.

Veja o livro aqui

Apesar do fato de que a maioria dos graduados em Artes são predominantemente mulheres, são os homens que recebem o espaço para as exposições individuais em galerias importantes, que determinam o seu sucesso como artista.

Este livro procura corrigir isso, reconhecendo o trabalho de 25 jovens artistas mulheres que estão ganhando terreno, nos dias de hoje. Aqui vai um pouco do trabalho de algumas destas mulheres artistas:


Tracey Emin

Everyone I have Evers Slept With 1963 – 1995 – instalação, trabalho de 1995

Tracey Emin é uma artista inglesa, seu trabalho recorrentemente tem um viés confessional. Sua obra mais famosa é este acima, onde os nomes de pessoas que a artista não se relacionou sexualmente estão dentro da tenda, inclusive o nome de sua avó. O original foi destruído em um incêndio na sua casa, em 2004.


Catherine Opie

Catherine Opie, Jake (1991)

O trabalho de Catherine Opie é reconhecido pela sua poética e tema. A artista sempre lida com a questão da identidade e as identidades queers particularmente. Ela ganhou popularidade pelos retratos que fazia de pessoas desconhecidas, mais especificamente de trangenders que conheceu em Los Angeles.  Em 2008, o New York Times escreveu sobre sua retrospectiva no Guggenheim: “Poucos artistas de sua geração conseguiram demonstrar de forma tão consistente e brilhante o universo queer como a artista o fez”


Ghada Amer

Ghada Amer, Le champ des marguerites (2011)

Ghada Amer trabalha com bordados e aquarela para criar o efeito lindo que você vê acima. O uso de mídia mista é motivado politicamente, como ela reafirma na declaração de seu artista ao Museu do Brooklyn:

The history of art was written by men, in practice and in theory. Painting has a symbolic and dominant place inside this history, and in the twentieth century it became the major expression of masculinity, especially through abstraction. For me, the choice to be mainly a painter and to use the codes of abstract painting, as they have been defined historically, is not only an artistic challenge: its main meaning is occupying a territory that has been denied to women historically. I occupy this territory aesthetically and politically because I create materially abstract paintings, but I integrate in this male field a feminine universe: that of sewing and embroidery.


Jane e Louise Wilson

Jane e Louise Wilson são irmãs britânicas que trabalham em conjunto, elas adoram prédios abandonados, o vídeo acima mostra um de seus trabalhos, no Orford Ness, um site de militares britânicos.


Janine Antoni

Janine Antoni, Lick and Lather (1992)

Muitos dizem que o trabalho de Janine Antoni é uma mistura de performance com escultura.

Isso quer dizer que ao invés de simplesmente usar maneiras tradicionais de executar uma escultura, as mãos ou instrumentos, ela acaba dando um toque especial a eles, como é o caso deste busto auto retrato de chocolate onde a artista lambeu para dar este efeito de manchas.


Cecily Brown

Cecily Brown, Sweetie 2001

As pinturas da artista se configuram entre o abstrato e o figurativo, no senso de que se pode identificar figuras humanas em algumas de suas pinturas, mas em momento algum elas estão sendo representada realisticamente.


Julie Mehretu

Julie Mehretu, Stadia I (2004)

Julie Mehretu, que vem da Etiópia, muitas vezes vê o seu trabalho sendo chamado de “arquitetônico.” Uma das razões para isso é a forma como as suas pinturas contêm camadas, muitas vezes lembrando plantas.

“Eu não penso em linguagem arquitetônica como apenas uma metáfora sobre o espaço, mas sobre espaços de poder, sobre as ideias de poder”.


Pipilotti Rist

Detalhe do vídeo de Pipilotti Rist

Pipilotti Rist é um artista visual. Ela é mais conhecida por criar videoarte experiencial e arte de instalação que geralmente retrata auto-retratos e canto.

Seu trabalho é frequentemente descrito como surreal, íntimo, arte abstrata, tendo uma preocupação com o corpo feminino


Cao Fei

Cao Fei, um artista multimídia chinesa, faz um trabalho que combina o velho e o novo mundo exibindo os resultados de nosso crescimento cultural acelerado. A fotografia acima, a partir de sua série-cosplayer da ONU, praticamente diz tudo.


Lisa Yuskavage

Lisa Yuskavage é conhecido principalmente por seus nus femininos. Como o acima, eles estão sempre marcadamente sensual. E como Pipilotti Rist, ela adora cor de estalo. Há também, em geral, uma grande quantidade de frutas, para significar fertilidade.


Justine Kurland

A fotografia de Justine Kurland tende a se concentrar em temas de fuga e de idílio, e seu trabalho tem sido mencionado como romântico por conta disso.

Ela fez seu nome com uma série de fotografias de nus femininos em paisagens do interior dos EUA, um interior especialmente ocidental.


Liza Lou

As pinturas de Liza Lou não são feitas com tinta, mas com miçangas. Sua obra mais famosa é a cozinha acima, que levou cinco anos para ser concluída. Deve ter dádo-lhe uma tendinite nervosa!  Mas valeu a pena, no final ela foi premiada com uma bolsa por seu trabalho, e continua a trabalhar em miçangas…


Wangechi Mutu

Wangechi Mutu

As peças mais famosas de Wangechi Mutu são com a técnica de colagem. Ela gosta de ressignificar imagens de revistas para um contexto que dê enfoque principalmente ao corpo.

A artista queniana contou ao New York Times recentemente que seu trabalho é uma espécie de terapia: “Meu trabalho é muitas vezes uma terapia para mim – trabalho estas questões como uma mulher negra,  é uma forma de permitir que outras mulheres negras também trabalhem com esse tipo de estigmatização social e cultural: como podemos ser distorcidas e contorcidas aos olhos do público” .


Katarzyna Kozyra

Katarzyna Kozyra é uma artista de vídeo polonesa cuja obra causou controvérsia considerável em seu país de origem. Ela ficou conhecida por ter feito um vídeo arte de cavalos em seu momento de morte, como também um vídeo resultado de seu disfarce de homem dentro de uma casa de banho masculina, registrando todas as relações que aconteciam lá dentro.  

The Rite of Spring

No vídeo acima, A Sagração da Primavera,  a artista usa a fotografia time-lapse e corpos nus idosos para recriar o famoso ballet de mesmo nome.


Teresa Margolles

Teresa Margolles, “Muro Ciudad Juárez,” (2009)

Teresa Margolles, uma artista mexicana  que trabalha com instalação, utiliza seu trabalho para lidar com a violência da guerra e das drogas no México.

Na instalação de cima, uma parede com orifícios de bala mostra a extensão da violência. Em outro trabalho, ela teve os andares de um espaço de exposição enxugou com a água usada para lavar cadáveres no necrotério.


Tania Bruguera

Tania Bruguera, “Untitled (Havana)” (2000)

Tania Bruguera é cubana e lida com as linguagens da instalação e performance. Como talvez convém a alguém de um país com uma história política conturbada, ela está interessada nos usos e da natureza do poder.

O crítico de arte Eleanor Hartley escreveu uma vez sobre seu trabalho: “No mundo de Bruguera, conceitos como liberdade e autodeterminação não são ideais abstratos, mas realizações que escrever seus efeitos sobre nossas formas físicas.”

A instalação na foto acima, por exemplo , foi fechado após um único dia pelas autoridades cubanas, porque lhes parecia ser um comentário (subversivo) sobre a situação de política lá.

Quais artistas mulheres você gostaria de colocar nesta lista? Escreva para a gente nos comentários abaixo.

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.
Equipe Editorial

Os artigos assinados pela equipe editorial representam um conjunto de colaboradores que vão desde os editores da revista até os assessores de imprensa que sugeriram as pautas.

Recent Posts

Plataforma Women On Walls lança edital, em parceria com Ipanema, para escalar artistas mulheres para projeto da marca

A plataforma Women On Walls é a primeira plataforma colaborativa do mundo voltada para mulheres das…

7 horas ago

A reputação e as redes de status no mercado de arte

A reputação e as redes de status na carreira de artistas têm um papel crucial…

13 horas ago

Série “Coleção Antirracista” estreia em São Paulo

A série "Coleção Antirracista" tem como foco o debate racial brasileiro na perspectiva do pensamento…

2 dias ago

Rochelle Costi: vida, obra e legado

Rochelle Costi, nascida em Caxias do Sul em 1961, foi uma artista multimídia que trabalhava…

2 dias ago

Lenora de Barros: biografia e principais obras

Lenora de Barros é artista visual e poeta. Iniciou sua carreira na cidade de São…

6 dias ago

MASP anuncia novos curadores adjuntos de arte indígena

O MASP - Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand anunciou, em novembro de…

6 dias ago