Arte

Cor, corpo e imaterial: Yves Klein

Por Joy de Paula - novembro 10, 2016
8463 0
Pinterest LinkedIn

Yves Klein, 1928-1962, Nice, França

Foi um artista francês, filho de pais pintores, Klein sempre mostrou uma queda pelo exibicionismo. É considerado uma figura importante da arte européia após a Segunda Guerra Mundial. Ele amava mágica, assim como os rituais arcanos da sociedade mística Rosicrucian, e a influência de ambos viria a se manifestar em seu trabalho.

Famoso pelos seus atos radicais, muitas vezes tocados por seu talento para o espetáculo. No dia da abertura de sua exposição individual em 1957, por exemplo, ele soltou 1.001 balões azuis de hélio em Paris. No ano seguinte, uma exibição conhecida nos dias de hoje pelo nome “The Void” consistia em nada mais que uma galeria vazia – ainda assim atraiu um público de 2.500 pessoas. Sua famosa fotografia, Leap Into the Void, de 1960, mostra Klein pulando de um edifício. Como todas as façanhas da mágica, porém, a foto é um truque, neste caso, uma montagem, de modo que desapareceu a lona segurada por alguns amigos para amortecer a queda.

yves-klein-900x700-a

Porém, seu desempenho mais notório talvez tenha ocorrido em março de 1960, na abertura da exposição Anthropometries of the Blue Epoch em Paris, onde Klein apareceu diante da plateia vestindo um fraque formal com uma gravata borboleta branca e, enquanto nove músicos tocavam sua sinfonia Monotone-Silence (que consistia de uma única nota tocada por 20 minutos, seguido de mais 20 minutos de silêncio), ele comandava três modelos nuas enquanto elas se cobriam com tinta azul pegajosa e imprimiam imagens de seus corpos sobre uma tela em branco. As modelos haviam se transformado, segundo ele, “pincéis vivos”. É possível assistir a essa performance aqui.

Em toda sua influência na arte conceitual, no entanto, Klein preocupava-se mais com a cor. Em 1956, durante suas férias em Nice, ele experimentou usar um ligante polimérico para preservar a luminescência e a textura de um pigmento azul ultramarino, o que veio a ser sua fórmula patenteada conhecida como International Klein Blue (IKB), em 1960.

yves-klein-900x700

yves-klein-900x423

“Para Klein, a cor pura ofereceu uma maneira de usar a arte não apenas como forma de pintar um quadro, mas como uma maneira de criar uma experiência espiritual, quase alquímica, além do tempo, aproximando-se do imaterial”, explica Kerry Brougher, curador da grande retrospectiva de 2010 Yves Klein: With the Void, Full Powers no Museu Hirshhorn em Washington.

Veja também:

6 técnicas fantásticas de pintura sem o uso de pincéis!

 

 

 

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários