14 imagens onde a arte está a serviço da ciência.

0
4764
This artist’s impression shows how Mars may have looked about four billion years ago. The young planet Mars would have had enough water to cover its entire surface in a liquid layer about 140 metres deep, but it is more likely that the liquid would have pooled to form an ocean occupying almost half of Mars’s northern hemisphere, and in some regions reaching depths greater than 1.6 kilometres.

A grande maioria das imagens que vemos do espaço são reconstruções de imagens captadas por rádio telescópios e não frutos de um grande telescópio com lentes como se fosse uma câmera fotográfica super poderosa

Você poderá entender o processo de captação através desta matéria( em inglês) publicada dor Emily Lakdawalla.

Entretanto, estas imagens nem sempre são muito atrativas e precisam de uma ajudinha de um artista para torna-la mais interessante ou para dar um aspecto mais realista.

Abaixo, você vai ver algumas imagens fantásticas criadas em grande maioria por Luis Calçada e M. Kornmesser para o ESO (Observatório Europeu do Sul)

1) Numa cerimônia realizada a 25 de maio de 2016 em Garching bei München, na Alemanha, o ESO assinou um contrato com o Consórcio ACe, composto pelas empresas Astaldi, Cimolai e o sub-contratado Grupo EIE, para a construção da cúpula e estrutura do European Extremely Large Telescope (E-ELT). Trata-se do maior contrato já assinado no âmbito da astronomia terrestre. Nesta ocasião também foram comunicados os planos de construção do E-ELT.
baby star
2) A impressão do artista de uma estrela bebê ainda cercada por um disco protoplanetário no qual os planetas estão se formando. Utilizando o espectrógrafo HARPS de muito sucesso do ESO, uma equipa de astrónomos descobriu que as estrelas semelhantes ao Sol que hospedam planetas destruíram o seu lítio de forma muito mais eficiente do que as estrelas livres de planetas. Esta descoberta não só lança luz sobre os baixos níveis desse elemento químico no Sol, resolvendo um mistério de longa data, mas também fornece aos astrônomos uma maneira muito eficiente de identificar as estrelas com maior probabilidade de hospedar planetas. Não está claro o que faz com que o lítio seja destruído. A idéia geral é que os planetas ou a presença do disco protoplanetário perturbam o interior da estrela, levando o lítio mais fundo para a estrela do que o habitual, em regiões onde a temperatura é tão alta que é destruída. Crédito: ESO / L. Calçada
3) A impressão do artista de como a superfície de Plutão pode parecer, de acordo com um dos dois modelos que uma equipe de astrônomos desenvolveu para explicar as propriedades observadas da atmosfera de Plutão, como estudado com o CRIRES. A imagem mostra manchas de metano puro na superfície. Na distância de Plutão, o Sol aparece cerca de 1.000 vezes mais fraco que na Terra. Crédito: ESO / L. Calçada
4) Esta concepção artística mostra como ULAS J1120+0641, um quasar muito distante alimentado por um buraco negro com massa dois bilhões de vezes maior que a do Sol, pode parecer. Este quasar é o mais distante já encontrado e é observado como estava a apenas 770 milhões de anos após o Big Bang. Este objeto é de longe o mais brilhante objeto descoberto até agora no universo primordial. Crédito: ESO/M. Kornmesser
Marte no passado
5) Esta concepção artística mostra como Marte poderia ter sido há quatro bilhões de anos atrás. O jovem planeta poderia ter tido água suficiente para cobrir toda a sua superfície com uma camada liquida de cerca de 140 metros de profundidade, mas o mais provável é que o liquido se tenha juntado para formar um oceano que ocuparia quase metade do hemisfério norte de Marte, onde algumas zonas teriam atingido uma profundidade de mais de 1,6 quilômetros. Crédito: ESO/M. Kornmesser
6) Esta concepção artística mostra VFTS 352 — o sistema binário mais quente e mais massivo descoberto até hoje onde as duas componentes estão em contato, compartilhando material. As duas estrelas deste sistema extremo, que se situa a cerca de 160 000 anos-luz de distância na Grande Nuvem de Magalhães, podem estar rumo a um final dramático, no qual se fundirão para formar uma única estrela gigante ou então dar origem a um buraco negro binário. Crédito: ESO/L. Calçada
7) Esta concepção artística mostra a estrela supergigante vermelha na constelação do Escorpião. Com o auxílio do Interferômetro do Very Large Telescope do ESO, astrônomos construíram a imagem mais detalhada até hojedesta estrela — ou de qualquer outra diferente do Sol. Com os mesmos dados, os astrônomos criaram também o primeiro mapa de velocidades do material na atmosfera de uma estrela que não o Sol. Crédito: ESO/M. Kornmesser
8) O exoplaneta Corot-7b está tão próximo da sua estrela hospedeira que se encontra seguramente sujeito a condições extremas. O planeta tem uma massa de cinco massas terrestres e é o exoplaneta que se conhece mais próximo da sua estrela, o que também o torna no mais rápido – orbita a estrela com uma velocidade de mais de 750 000 quilómetros por hora. A temperatura provável do seu lado diurno é superior a 2000 graus e terá no lado nocturno uns – 200 graus de temperatura. Modelos teóricos sugerem que o planeta possa ter lava ou oceanos escaldantes à sua superfície. O nosso artista compôs uma imagem de como seria o planeta se estivesse coberto de lava. O seu mundo irmão, Corot-7c, pode ser visto ao longe. Crédito: ESO/L. Calçada
9) Esta concepção artística mostra o material ejetado da região em torno do buraco negro de elevada massa no quasar SDSS J1106+1939. Este objeto possui os jatos mais energéticos já observados, com pelo menos cinco vezes mais energia do que qualquer outro observado até hoje. Os quasares são núcleos galácticos extremamente brilhantes, alimentados por um buraco negro de elevada massa. Muitos deles libertam enormes quantidades de material para as galáxias hospedeiras, sendo que esta expulsão de matéria desempenha um papel fundamental na evolução das galáxias. No entanto e antes deste objeto ser estudado, os jatos dos quasares observados não eram tão potentes como previsto pela teoria. O quasar muito brilhante aparece no centro da imagem e o jato estende-se até cerca de 1000 anos-luz na galáxia circundante.
10) A impressão artística de um disco empoeirado circundando de perto uma enorme estrela do bebê. Os astrônomos conseguiram obter a primeira imagem de tal disco, fornecendo evidências diretas de que estrelas massivas se formam da mesma forma que seus irmãos menores – e fechando um debate duradouro. O disco alargado se estende a cerca de 130 vezes a distância Terra-Sol. – ou unidades astronômicas (AU) – e tem uma massa semelhante à da estrela, cerca de vinte vezes o sol. Além disso, as partes internas do disco são mostradas como desprovidas de poeira. Crédito: ESO / L. Calçada / M. Kornmesser
11) A impressão deste artista da galáxia distante SMM J2135-0102 mostra grandes nuvens brilhantes com algumas centenas de anos-luz de tamanho, que são regiões de formação de estrelas ativas. Estas “fábricas de estrelas” são semelhantes em tamanho às da Via Láctea, mas cem vezes mais luminosas, sugerindo que a formação de estrelas no início da vida destas galáxias é um processo muito mais vigoroso do que o tipicamente encontrado em galáxias locais. Crédito: ESO / M. Kornmesser
13) As galáxias do Universo distante são observadas durante a sua juventude e por isso apresentam histórias de formação estelar relativamente curtas e rotineiras, o que as torna um laboratório ideal para estudar as épocas mais precoces da formação estelar. No entanto, estes objetos encontram-se muitas vezes obscurecidos por poeira, o que impede a correta interpretação das observações. Crédito: ESO/M. Kornmesser
13) A impressão deste artista mostra o exoplaneta da super-Terra GJ 1214b passando em frente à sua fraca estrela vermelha. Este é o primeiro exoplaneta super-terrestre a ter sua atmosfera analisada. O exoplaneta, em órbita de uma pequena estrela a apenas 40 anos-luz de distância de nós, tem uma massa cerca de seis vezes a massa da Terra. O GJ 1214b parece estar cercado por uma atmosfera que é dominada pelo vapor ou coberta por nuvens espessas ou neblinas. Crédito: ESO / L. Calçada
A impressão deste artista mostra a superfície do distante planeta anão Makemake. Este planeta anão tem cerca de dois terços do tamanho de Plutão e viaja ao redor do Sol em um caminho distante que fica além do de Plutão, mas mais perto do Sol do que Eris, o planeta anão conhecido mais massivo do Sistema Solar. Makemake era esperado para ter uma atmosfera como Plutão, mas isso agora foi mostrado para não ser o caso. Crédito: ESO / L. Calçada / Nick Risinger (skysurvey.org)

Você gostaria de ter estas e mais outras centenas de imagens para você?

Aqui você pode baixa-las gratuitamente no link abaixo

https://www.eso.org/public/images/

Aqui você pode produzir quadros com estas fotos clicando no link abaixo.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here