Bienal

Bienal 2016: objetos, linguagem e corpos, vídeos e instalações de Heather Phillipson

Por Joy de Paula - agosto 19, 2016
9444 0
Pinterest LinkedIn

Através de colisões de imagem, o ruído, objetos, linguagem e corpos, vídeos e instalações escultóricas de Heather Phillipson comportar-se como lugares, partituras musicais, poemas e sistemas nervosos – atendendo à forma como física e afetiva ‘eus’ são construídos, manipulados e, acima de tudo, escape . Rendido frequentemente como walk-in conglomerados de materiais de fácil acesso (imagens digitais, pintura, papelão, palavras, loops de áudio e detritos consumidor reprodutível), ela funciona demarcar um território ambíguo em que referências culturais e respostas emocionais são mutuamente contingente e reativa. Colapso distinções entre o franco e o inarticulável, o banal e o êxtase, e entre metáfora e literalização extrema, o trabalho de Phillipson realiza constantes tonais turnos, interrupções e sangra. Ao fazê-lo, ele oscila entre intimidades físicas e distâncias conceptuais – desejo, sensualidade, tocar e ser tocado, vergonha, ansiedade, (excesso) de exposição, superfícies resistentes.
Fonte

Serviço
32ª Bienal de São Paulo – Incerteza viva
10 de setembro a 11 de dezembro de 2016
Mais informações: http://www.bienal.org.br/

Veja também:

Bienal 2016: os desenhos, colagens, pinturas e esculturas de Erika Verzutti

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários