Bienal

Bienal 2016: Anawana Haloba e os ditadores da África

Por Gabriel Cardozo - agosto 9, 2016
36345 0
Pinterest LinkedIn

Haloba trabalha com som e vídeo instalações baseadas no desempenho que são frequentemente o resultado de longos períodos de pesquisa. No processo, ela também produz material textual e escrita poética. Em suas exposições Haloba reflete sobre a presença corporal do público, convidando as pessoas a entrar e explorar suas instalações através de movimentos e interação.

Anawana Haloba nasceu na Zâmbia. Ela investigou os quadros econômicos, ideológicos, sociais e culturais que ajudaram a moldar a sociedade zambiana de sua infância na década de 1980.Com a Zâmbia como ponto de partida, a exposição reflete sobre os desenvolvimentos pós-coloniais em partes do sul da África na década de 1960, 70 e 80. No entanto Haloba vai ainda mais longe, olhando para alguns dos problemas na história da independência, entre outros temas, a ascensão e queda das ideologias do pan-africanismo e do socialismo Africano, de reprimir a liberdade de expressão, a ditadura e a influência da China na região.

O principal trabalho na exposição no SKMU ostenta o título Confissões de um ditador delirante e um museu de culpa . Haloba construiu um bunker de segurança para um presidente fictício. Com base em sua pesquisa sobre vários ditadores africanos, o bunker prende uma caixa de confissão de mármore contendo um trabalho de vídeo de dois canais. Nele um ditador delirante está dando sua confissão contraditório a um sacerdote do sexo feminino. O bunker também contém museu pessoal do presidente; entre o que está em exposição aqui estão memorabilia e troféus como material de propaganda, recortes de notícias, informações sobre as vítimas de tortura e de mercadorias confiscadas de apoiantes de seus oponentes.

Para o segundo trabalho na exposição, Haloba tem, pela primeira vez fez um vídeo de animação. Um Rei Dragão na sonolento Pride Rock é uma tomada satírico sobre a presença da China em África como um todo e Zâmbia em particular. O vídeo é o primeiro de uma série de obras com base em pesquisas de Haloba em mitos e fatos sobre a relação entre a China e os Estados africanos, tanto de um histórico e uma perspectiva contemporânea.

Anawana Haloba (nascido em 1978, em Livingstone, Zâmbia) vive e trabalha em Oslo, Noruega. Tendo estudado na arte academias Kunstakademiet em Oslo (2002-06) e Rijksakademie van beeldende kunsten em Amesterdão (2007-08), ela já expôs em várias bienais e nas instituições de arte na Noruega e no estrangeiro.Em 2016 Haloba é convidado a participar na 32ª Bienal de São Paulo e no grupo maior mostra na África, Europa e EUA.

Fonte

Veja também:

Mês da fotografia – Concurso de Fotografia Photoarts

 

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários