Exposições e Eventos

Pinacoteca de São Paulo apresenta “Marta Minujín: Ao Vivo”

"Marta Minujín: Ao Vivo" reúne trabalhos icônicos recriados especialmente para a mostra; grande nome da arte latino-americana, artista argentina traz para a Pina obras políticas e interativas que prometem surpreender o público

Por Equipe Editorial - agosto 1, 2023
274 0
Pinterest LinkedIn

A Pinacoteca de São Paulo apresenta a primeira mostra panorâmica no Brasil de uma das artistas latino-americanas mais relevantes da sua geração. A exposição tem curadoria de Ana Maria Maia e ocupa as sete salas do primeiro andar da Pinacoteca Luz, tendo como fio condutor a contribuição da artista para uma vanguarda que pensa a América Latina em termos micro e macropolíticos.

A mostra articula mais de cem obras de 1963 até o presente, reapresentando o icônico El batacazo, criado no contexto do Instituto Torcuato Di Tella em 1965, além de trabalhos como Galeria Blanda Galeria Mole e La caída de los mitos universales A queda dos mitos universais. Um inflável recebe o público nos primeiros dias da exposição no estacionamento da Pina Luz. A Escultura de los deseos Escultura dos desejos tem 15 metros de altura e foi um grande sucesso no Lollapalooza Argentino.

Marta Minujín se transformou em um grande fenômeno ainda nos primeiros anos de carreira, na década de 1960. Reconhecida internacionalmente como a pioneira do happening e da arte participativa, Minujín produz incansavelmente até os dias de hoje, transitando entre diversas linguagens, escalas, circuitos artísticos e sociais. Com seus óculos espelhados e a personalidade extravagante, a artista figura em capítulos importantes da história da arte, passando pelo novo realismo, pela pop art, pelos conceitualismos, pela arte pública pelos e multimeios.

“A exposição celebra a potência com que toda essa trajetória não só espelha mas também intensifica as formas de vida. ‘Ao vivo’ é uma expressão que sinaliza vivacidade, presença de corpo, e de maneira ainda mais direta, denota um recurso de comunicação urgente no vocabulário da mídia de massa, plataforma discursiva e tecnológica que sempre atraiu a artista. Seja nas transmissões de rádio e TV na década de 1960 ou em seu canal de Instagram hoje, Marta cria arte como um pretexto para ela própria e para todas as pessoas poderem expressar-se com energia e liberdade”, conta a curadora.

Dos colchões aos monumentos

Marta Minujín: Ao Vivo passa por momentos cruciais da carreira da artista portenha, ainda que não siga uma linha cronológica. A exposição começa pelo conjunto de colchões, que inaugura seu statement criativo nos anos 1960, no âmbito do novo realismo. Retorcidos e pintados em tons vibrantes, o trabalho com colchões é resultado do interesse de Minujín de aproximar a arte das dinâmicas da vida, se apropriando de materiais cotidianos e industriais. O público pode percorrer a galeria de tramas e colhões multicoloridos, com documentação de La chambre d´amour O quarto do amor e obras como Eróticos en technicolor Eróticos em technicolor ou Freaking on fluo Pirando no fluorescente, além de visitar a Galeria Blanda [Galeria Mole] – instalação de 1973, feita com 200 colchões, recriada para a mostra da Pinacoteca. Formando um “cubo branco”, a antigaleria convida as pessoas visitantes a descansar ou brincar.

Na terceira sala da exposição, a instalação histórica da artista, El Batacazo, foi também recriada especialmente para a Pinacoteca, 58 anos depois da apresentação no Instituto Di Tella de Buenos Aires, em 1965. Em consonância com um espírito de tempo de uma geração imersa no fenômeno de uma midiatização crescente, a partir das leituras de Marshall McLuhan, a artista mobilizaria estratégias participativas para se posicionar perante a indústria cultural. À época, quatro tipos de ícones midiáticos conduziam o visitante pela instalação, que passava por jogadores de rúgbi, subia escadas para encontrar playboys e cosmonautas, e descia um escorregador para cair no rosto da atriz italiana Virna Lisi. Na Pinacoteca, os jogadores são agora de futebol do Brasil e da Argentina.

A pesquisa sobre o fenômeno social da comunicação e seu potencial disseminador resultou em diversos trabalhos, cuja documentação se concentra na quarta sala expositiva, em obras como Simultaneidad en simultaneidad Simultaneidade em simultaneidade e Leyendo las noticias en el Río da Plata Lendo notícias no rio da Prata. No contexto político da década de 1970, a proliferação de ditaduras militares pela América Latina levou a práticas artísticas voltadas para a conscientização de uma realidade sociopolítica e para um projeto de integração entre os países da região. O trabalho mais emblemático da artista nesse sentido foi Comunicando con tierra (1976), remontado para esta exposição.

A quinta sala da mostra se volta para trabalhos que usam frutas e vegetais nativos para representar recursos definidores de uma identidade nacional, como a fotoperformance El pago de la deuda externa argentina con maíz O pagamento da dívida externa com milho e Arte agrícola en acción Arte agrícola em ação. Outro caminho que Minujín adotou para intervir no imaginário político nacional foi a atuação no espaço público: para a Bienal Latino-Americana de São Paulo, em 1978, a artista levou a obra El obelisco acostado [O obelisco tombado], emulando a viagem do famoso monumento da praça da República, em Buenos Aires, para o pavilhão da Bienal, “transferindo o mito de um país ao outro”. Agora, o obelisco argentino, recostado e reconfigurado, ocupa a sexta sala expositiva da Pina Luz. A instalação antecipava características do que viria a ser a série La caída de los mitos universales [A caída dos mitos universais], que compreende trabalhos como El obelisco de pan Dulce O obelisco de pão doce e El Partenón de libros O paternon de livros, documentados na galeria.

A mostra termina com uma das videoinstalações mais recentes da artista, Implosión! Implosão!. A nova versão da obra promove a imersão em um cubo musical multicolorido. O projeto parte da animação de fotografias de detalhes de um colchão histórico e reflete a percepção da artista de que a contemporaneidade é como uma bateria de estímulos sensoriais. A circularidade da obra permite vislumbrar os sessenta anos de carreira de Marta Minujín, em toda a sua persistência e repertório.

Marta Minujín: Ao Vivo é uma exposição patrocinada pela Vivo, na cota Platinum, Mattos Filho, na cota Ouro, Ternium, na cota Prata, Iguatemi São Paulo e Ageo, na cota Bronze.

Sobre a artista

Nascida em Buenos Aires, em 1943, Marta Minujín, ainda hoje em franca atividade, alcançou grande consagração na Argentina e internacionalmente. Ao longo da carreira, a artista tornou-se a embaixadora do movimento pop na Argentina, o que envolveu interpretar essas vertentes internacionais com referências portenhas. Embora tenha se identificado com o rótulo, sua produção possui um caráter multidisciplinar, combinando aspectos da arte pop com o happening e a arte conceitual. A despeito dos preconceitos de gênero, Minujín transitou entre ambientes criativos e intelectuais em grandes capitais artísticas do mundo, presente em capítulos importantes da história da arte desde a segunda metade do século XX.

Sobre a Pinacoteca de São Paulo

A Pinacoteca de São Paulo é um museu de artes visuais com ênfase na produção brasileira do século XIX até a contemporaneidade e em diálogo com as culturas do mundo. Museu de arte mais antigo da cidade, fundado em 1905 pelo Governo do Estado de São Paulo, vem realizando mostras de sua renomada coleção de arte brasileira e exposições temporárias de artistas nacionais e internacionais. A Pina também elabora e apresenta projetos públicos multidisciplinares, além de abrigar um programa educativo abrangente e inclusivo.

Serviço

Marta Minujín: Ao Vivo
Período: 29.07.2023 a 28.01.2024
Curadoria: Ana Maria Maia
Pinacoteca Luz (1º andar)
De quarta a segunda, das 10h às 18h (entrada até 17h)
Gratuitos aos sábados – R$ 30,00 (inteira) e R$ 15,00 (meia-entrada), ingresso único com acesso aos três edifícios – válido somente para o dia marcado no ingresso
Quintas-feiras com horário estendido B3 na Pina Luz, das 10h às 20h (gratuito a partir das 18h)

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários