Exposições

As engraçadas obras de Erwin Wurm

Por Paulo Varella - agosto 9, 2020
3336 0
Pinterest LinkedIn

Quem é Erwin Wurm?

Erwin Wurm
Foto: Eva Würdinger

Erwin Wurm é um artista contemporâneo austríaco que trabalha em várias mídias. A atitude cômica de Wurm em relação à representação aparece fortemente em sua série Fat Car, na qual ele propositadamente desfigura modelos de carros considerados símbolos de status pela cultura de massa.

“O humor é principalmente um método para chamar a atenção das pessoas – em última análise, deve levar as pessoas a olhar as coisas com mais cuidado”, refletiu o artista.

erwin-wurm-Fat_Convertible_2005

Nascido em 27 de julho de 1954 em Bruck an der Mur, na Áustria, Erwin Wurm estudou na Universidade de Artes Aplicadas de Viena. Seguindo a tradição de Joseph Beuys, o artista contribuiu com sua própria opinião sobre o meio da escultura com suas esculturas de um minuto. Nessas apresentações, Wurm convida a participação e a interação do público para reavaliar o meio. Suas obras foram exibidas no Museu Solomon R. Guggenheim, em Nova York e Viena, no Musée d’Art Contemporain, em Lyon, e no Centre Georges Pompidou, em Paris. Atualmente, Wurm vive e trabalha entre Viena e Limburgo, na Áustria. Hoje, as obras do artista são realizadas nas coleções do Museu de Arte Moderna de Nova York, no Walker Art Center em Minneapolis, na Albertina em Viena e na Tate Gallery em Londres, entre outros.

Esculturas de 1 minuto

Desde o final dos anos 80, ele desenvolveu uma série contínua de esculturas de um minuto, na qual ele coloca seus modelos em relacionamentos inesperados com objetos do cotidiano, levando o espectador a questionar a própria definição de escultura. [3] Ele procura usar o “caminho mais curto” para criar uma escultura – uma forma de expressão clara e rápida, às vezes bem-humorada. Como as esculturas são fugazes e devem ser espontâneas e temporárias, as imagens são capturadas apenas em fotos ou em filme.

one minute sculpure
One minute sculpure

Para fazer uma escultura de um minuto, o espectador precisa se desvencilhar de seus hábitos. As instruções de Wurm para seu público são escritas à mão em um estilo de desenho animado. O próprio Wurm ou um voluntário seguem as instruções da escultura, cujo objetivo é colocar o corpo em um relacionamento absurdo e ridículo com objetos do cotidiano.

https://youtu.be/c3s3OH5QmI8

Quem escolhe fazer uma das esculturas de um minuto de Wurm mantém a pose por um minuto ou o tempo necessário para capturar a cena fotograficamente. Essas posições geralmente são difíceis de manter; embora um minuto seja muito curto, um minuto para uma escultura de um minuto pode parecer uma eternidade.

Sua Filosofia

Em O artista que engoliu o mundo, Wurm é citado como tendo dito: “Estou interessado na vida cotidiana. Todos os materiais que me cercavam poderiam ser úteis, bem como os objetos, tópicos envolvidos na sociedade contemporânea. Meu trabalho fala sobre o entidade inteira de um ser humano: o físico, o espiritual, o psicológico e o político “.

erwin-wurm-the-artist-who-swallowed-the-world
O artista que engoliu o mundo

Wurm é conhecido por sua abordagem humorística ao formalismo. Sobre o uso do humor em seu trabalho, Wurm diz em uma entrevista:

“Se você abordar as coisas com senso de humor, as pessoas imediatamente assumem que você não deve ser levado a sério. Mas acho que as verdades sobre a sociedade e a existência humana podem ser abordadas de maneiras diferentes. Você nem sempre precisa ser sério. O sarcasmo e o humor podem ajudá-lo a ver as coisas de maneira mais leve. “

Embora as imagens sejam levemente engraçadas, elas ampliam ou manipulam a realidade de maneiras que podem ser perturbadoras. O trabalho de Wurm retrata imagens manipuladas de coisas na vida cotidiana, coisas que parecem familiares, mas que se tornam distorcidas. Peças como Truck, onde um caminhão se curva contra o prédio ou a Narrow House, uma casa fina e claustrofóbica, pega algo familiar a todos e distorce-o ampliando, curvando-o ou diminuindo-o.

“Costumo usar o humor para seduzir as pessoas”, admite Wurm. “Para que eles se aproximem, mas nunca é muito bom quando parecem mais próximos”.[1]

O trabalho de Wurm é frequentemente crítico da sociedade ocidental e da mentalidade e estilo de vida de sua infância durante a Áustria após a Segunda Guerra Mundial. Embora as esculturas de Wurm sejam engraçadas e ridículas, elas são realmente muito sérias. Suas críticas são divertidas, mas não devem ser confundidas com bondade. Ele representa suas críticas a objetos, como roupas, móveis, carros, casas e objetos do cotidiano para seu público. Temas comuns em seu trabalho incluem não apenas nossa relação com objetos cotidianos banais, mas também filósofos e a vida na Áustria do pós-guerra.

Ao falar sobre seus tópicos frequentemente mencionados sobre ganho e perda de peso e filosofia, Wurm afirmou:

“Trata-se da dificuldade de lidar com a vida. Seja com dieta ou com uma filosofia”. [2]

O que se fala aqui é como a dieta e a filosofia são duas partes do nosso estilo de vida diário: por um lado, fisicamente, e por outro, espiritualmente. No contexto da citação, essa “dieta” pode dizer respeito a carros, roupas ou alimentos: uma dieta na qual você consome muito garante que você exista em excesso. Suas obras inchadas falam da maneira como as pessoas compram coisas que simbolizam um status elevado com o qual gerenciam sua vida. Mas seu trabalho também lida com a filosofia, concentrando-se nos filósofos que viveram no tempo do início do século XX.

https://arteref.com/performance/o-que-e-performance-saiba-tudo-aqui/

fonte:

Avatar

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários