mercado

4 dicas importantes que todo artista iniciante deve saber

Esperamos que elas possam te dar um norte para trilhar e consolidar seu nome no mercado de arte.

Por Equipe Editorial - junho 29, 2020
283 0
Pinterest LinkedIn

Há algumas dicas muito importantes que todo artista iniciante deveria saber antes de tentar se profissionalizar.

Só porque você tem a capacidade criativa de moldar impressões e percepções usando cores, luzes, sons, etc., não significa que você tem o necessário para se profissionalizar como artista e viver disso.

Na verdade, raramente é muito lucrativo ser apenas criativo e talentoso. É preciso muita energia, talento, comprometimento e uma combinação de sorte, tempo e conhecimento de negócios para ter sucesso nessa carreira. Definitivamente, não é fácil, mas também não é impossível – especialmente se você sabe o que esperar quando inicia sua trajetória.


#1 – Seja a sua própria marca

dicas para artista iniciante; Artista Hyon Gyon em seu estúdio
Artista Hyon Gyon em seu estúdio.
Via | news.artnet

O marketing é muito importante, especialmente num amplo e concorrido segmento como o da arte. Existem milhares de pessoas que afirmam ser artistas; todos com carteiras e grandes aspirações. O que eles nem todos têm é uma marca.

Avalie suas habilidades, sua especialidade e tome uma decisão sobre que tipo de imagem você quer transmitir.

  • Você é um fotógrafo? Ótimo. Que tipo? Editorial, viagens, casamento, moda, comida?
  • Você é pintor? Que tipo? Abstrato, realista, impressionista?
  • É músico? Qual estilo você domina?

Concentre-se na sua habilidade. Como tudo na vida, se você tenta se dedicar um pouco em diversas coisas, você não se destaca efetivamente em nenhuma delas.

Tenha objetivos claros. Descubra, fortaleça e promova a sua marca em seu site, redes sociais, marketplaces, galerias, etc.


2# – Tenha um portfólio online e offline

dicas para artista iniciante; Exemplo de portfólio
Exemplo de portfólio.
Via | artworkarchive

Todo artista sério precisa de um portfólio completo, organizado e acessível. Se você quiser ser visto como profissional, você precisará:

  • Compilar e projetar um portfólio para seu site
  • Ter um catálogo físico que retrate suas artes, um livro que reúna fotos das suas pinturas, esculturas, ilustrações, etc.

É muito importante que você forneça uma experiência completa ao público e seus clientes. Informações como: dimensões totais da obra, materiais usados, suas motivações e inspirações, etapas da produção… sempre fazem com que a conexão artista-colecionador seja mais intensificada.

A boa impressão causada pela disponibilização de um portfólio organizado, bonito, facilmente navegável, é extremamente importante para as pessoas terem ideia do tipo de artista que você é. A primeira impressão determina bastante nosso olhar sobre o restante.


#3 – Saiba seu valor

Art pricing

Sim, a arte é subjetiva. O rabisco de um é a obra prima de outro. Quando você está tentando decidir quanto cobrar pelo seu trabalho, muitas variáveis devem ser levadas em consideração.

  • Tempo gasto
  • Custo dos materiais
  • Ativos intangíveis
  • Valor do valor
  • Concorrência

Primeiro: quanto tempo você leva para fazer a obra? Se ela leva 60 horas para ser concluída e você cobra R$ 600,00, significa que você está trabalhando por 10 reais /hora. É um preço justo para você?

Segundo: considere o custo dos materiais envolvidos no processo criativo. Se você gastou R$ 200,00 parar conseguir realizar o trabalho (que te demandou 60 horas e foi cobrado por R$ 600,00), seu lucro na obra será efetivamente de 400 reais. O que, na verdade, significa cerca de 7 reais/hora.

Terceiro: considere os intangíveis da sua obra. Você não “simplesmente” faz uma obra. Você pratica, estuda, experimenta e aprimora seu trabalho. Fatore esses processos, que provavelmente levam anos de preparação, no seu preço final.

Quarto: o valor gera valor. Se você cobra mais dinheiro por algo, as pessoas assumem que vale mais dinheiro. Uma pintura ou escultura incrível sendo vendidas por pouquíssimos reais levanta questionamentos negativos por parte do público. As pessoas certamente vão desvalorizar o trabalho, embora a impressão inicial tenha sido positiva. Cobrar mais caro pode realmente ajudá-lo a vender mais e estabelecer um valor intrínseco que não existia antes.

Quinto: apesar dos quatro pontos anteriores serem muito importantes, ter um valor estipulado previamente ainda é importante. Pesquise como estão avaliadas as obras dos artistas da sua região e dos trabalhos que seguem sua mesma abordagem técnica e temática. Procure quem são, suas redes sociais, websites.


#4 – Networking

Networking

Você precisa atrair novos fãs, investidores e seguidores. Um bom networking é uma ótima maneira de colocar isso em prática.

A construção de uma rede, estabelecimento de relacionamentos, leva tempo, é claro. Mas quanto antes você for atrás disso, melhor será o resultado no futuro.

Participe de exposições e eventos culturais; frequente galerias e museus; entre em grupos nas redes sociais. Conheça e converse com pessoas que estão nesses ambientes. São ótimas oportunidades para você apresentar seu cartão de visitas (quando apropriado) e aumentar sua base de clientes.


Esperamos que essas dicas sejam úteis para você e que possam te dar um norte nessa trajetória de consolidação do seu nome no mercado de arte.


Veja também

Como vender arte online?

Como construir uma marca pessoal?


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários