Movimentos

Saiba mais sobre a técnica de xilogravura

Entenda os diferentes tipos de impressão com blocos de madeira e seus principais expoentes

Por Equipe Editorial - julho 15, 2019
2016 0
Pinterest LinkedIn

A xilogravura é uma técnica de impressão onde o artista esculpe uma imagem em um bloco de madeira, geralmente com goivas (espátulas afiadas feitas para esculpir), para produzir uma chapa que conterá as imagens que ele quer imprimir. A técnica pode ser comparado à produção de um carimbo.

Depois que a matriz fica pronta basta passar um rolo de tinta sobre ela e aplicá-la sobre uma superfície qualquer como papel ou tecido. As partes da madeira que estiverem cavadas ficarão com menos ou nenhuma tinta dando um efeito de negativo na imagem. Há muitas variações no estilo e ferramentas utilizadas de acordo com o gosto de quem a produz.

O Senhor do Dia de Gilvan Samico
O Senhor do Dia de Gilvan Samico

Várias cores podem ser impressas se o autor usar um bloco diferente para cada cor. Os livros feitos através desta técnica se tornaram populares na Europa durante a segunda metade do século XV. Período em que a igreja precisava criar materiais impressos em grande escala.

Desde a sua origem na China, a prática da xilogravura se espalhou pela Europa e outras partes da Ásia e para a América Latina. Tanto na Europa como no Extremo Oriente, tradicionalmente o artista apenas desenhava a xilogravura, e a talha ficava a cargo de artesãos especializados, chamados de cortadores de blocos, ou Formschneider, na Alemanha, alguns dos quais se tornaram conhecidos naquele período. Entre eles, os mais famosos são Hieronymus Andreae, do século XVI (que inclusive usou “Formschneider” como seu sobrenome), Hans Lützelburger e Jost de Negker, todos possuíam oficinas e também operavam como impressores e editores. O responsável pela obra levava o bloco às impressoras especializadas. Havia outros especialistas que faziam blocos em branco também.

Detalhe de uma impressão colorida à mão do xilogravura do Arco do Triunfo, projetado por Dürer e cortado por Andreae

É por isso que xilogravuras às vezes são descritas por museus ou livros como “desenhados por” em vez de “por” um artista; mas a maioria das instituições não fazem essa distinção. A divisão do trabalho teve a vantagem de que um artista treinado poderia adaptar-se ao meio de forma relativamente fácil, sem precisar aprender o uso de ferramentas de carpintaria.

Havia vários métodos para transferir o desenho do artista para o bloco a ser confeccionado pelo cortador. Ou o desenho podia ser feito diretamente no bloco (geralmente embranquecido primeiro), ou um desenho no papel era colado ao bloco. Neste método o desenho do artista era destruído durante o processo de corte.

Xilogravura japonesa

Na Europa e no Extremo Oriente, no início do século XX, alguns artistas começaram a abraçar todas as etapas da produção. No Japão, esse movimento foi chamado sōsaku-hanga (版画 版画 impressões criativas), em oposição a shin-hanga (新 版画 novas impressões), um movimento que manteve as práticas tradicionais. No Ocidente, muitos artistas usaram a técnica mais fácil da linoleogravura.

Otani Oniji III no papel de servo Edobei, Tōshūsai Sharaku, 1794
Otani Oniji III no papel de servo Edobei, Tōshūsai Sharaku, 1794

Xilogravura no Brasil

A técnica foi muito utilizada no país, principalmente na região nordeste. É vista como um traço da cultura medieval que foi mais reproduzida no contexto rural brasileiro. Isso dá à xilogravura popular um status de marca registrada das tradições e folclore nacionais. Seu baixo custo e praticidade levaram a regiões afastadas o costume de consumir as revistas chamadas de literatura de cordel.

Xilogravura de Gilvan Samico exposta na 32ª Bienal de São Paulo
Xilogravura de Gilvan Samico exposta na 32ª Bienal de São Paulo

O nome do estilo se deve ao fato que os impressos eram pendurados em varais para secar e expor à venda em feiras. A prática também foi uma forma de aumentar a qualidade de vida de pessoas que não tinham acesso a mídias mais modernas já existentes e popularizou a alfabetização de alguma forma. Os nossos principais autores são Gilvan Samico, Abraão Batista, José Costa Leite, J. Borges, Amaro Francisco e José Lourenço.

Métodos de impressão

“O caranguejo que brincava no mar”, xilogravura de Rudyard Kipling ilustrando um dos seus livros chamados Just So Stories (1902).
“O caranguejo que brincava no mar”, xilogravura de Rudyard Kipling ilustrando um dos seus livros chamados Just So Stories (1902).

Na Europa, uma variedade de madeiras, incluindo buxo e várias madeiras de nozes e frutas, como pêra ou cereja, eram comumente usadas; [2] no Japão, a madeira da espécie de cerejeira Prunus serrulata era a preferida.

Estamparia: Usada para muitos tecidos e para a maioria das primeiras xilogravuras européias (1400-1440). Estes foram impressos colocando o papel / tecido sobre uma mesa ou outra superfície plana com o bloco no topo, e pressionando ou martelando a parte de trás do bloco.

Técnica de esfregar: Aparentemente, o método mais comum para a impressão do oriente no papel em todos os momentos. Usado para xilogravuras europeias no final do século XV, além de ser utilizado para muitas xilogravuras ocidentais desde 1910 até hoje. O bloco fica virado para cima numa mesa, com o papel ou tecido por cima. A parte de trás é esfregada com um pedaço de madeira, um burnisher, ou um frotton de couro. Uma ferramenta tradicional japonesa usada para isso é chamada de baren. Mais tarde, no Japão, mecanismos complexos de madeira foram usados para ajudar a manter o bloco de madeira perfeitamente imóvel e aplicar a pressão adequada no processo de impressão. Isso foi especialmente útil quando várias cores foram introduzidas e começaram ser aplicadas com precisão sobre camadas de tinta anteriores.

Baren, ferramenta japonesa que ajudava a esfregar o papel sobre o bloco de madeira
Baren, ferramenta japonesa que ajudava a esfregar o papel sobre o bloco de madeira

Com impressoras arcaicas: as prensas parecem ter sido usadas na Ásia em tempos relativamente recentes. Elas foram usadas a partir de cerca de 1480 para impressões europeias e livros, e antes disso para ilustrações de livros de xilogravura. Prensas simples podem ter servido para isso na Europa antes da impressão, mas faltam provas. Uma falecida abadessa de Mechelen em 1465 tinha “um instrumento para imprimir textos e imagens com 14 pedras para impressão”. Contudo, talvez seja cedo demais para ser uma impressora tipográfica do tipo Gutenberg naquele local.

Prensa antiga usada em xilogravuras e outros impressos
Prensa antiga usada em xilogravuras e outros impressos

História da xilogravura

A xilogravura originou-se na China na antiguidade como um método de impressão em têxteis e depois em papel. Os primeiros fragmentos impressos em xilogravura a sobreviver são da China, da dinastia Han (antes de 220 d. C.) e são de seda impressa com flores em três cores. No século XIII, a técnica chinesa de blockprinting foi transmitida para a Europa. O papel chegou à Europa, também da China, um pouco mais tarde, e estava sendo fabricado na Itália no final do século XIII.

Xilogravura de Erhard Reuwich (1486)
Xilogravura de Erhard Reuwich (1486)

Na Europa, a xilogravura é a técnica mais antiga usada para impressões, desenvolvendo-se por volta de 1400, usando, no papel, técnicas já existentes. Uma das mais antigas xilogravuras no papel que pode ser vista hoje é A Madona do Fogo (Madonna del Fuoco, em italiano), na Catedral de Forlì, na Itália.

Madonna del Fuoco (Madonna do fogo, c. 1425), Catedral de Forlì, na Itália
Madonna del Fuoco (Madonna do fogo, c. 1425), Catedral de Forlì, na Itália

A explosão de vendas de xilogravuras baratas no meio do século XV levou a uma queda nos padrões, e muitas impressões populares eram muito amadoras. Michael Wolgemut foi significativo ao tornar as xilogravuras alemãs mais sofisticadas a partir de 1475, e Erhard Reuwich foi o primeiro a usar a técnica de hachura cruzada (muito mais difícil de fazer). Ambas produziam principalmente ilustrações de livros, assim como vários artistas italianos que também estavam elevando os padrões lá no mesmo período. No final do século, Albrecht Dürer levou a xilogravura ocidental a um nível que, indiscutivelmente, nunca foi superado, e aumentou consideravelmente o status da xilogravura de “folha única”.

 “Circe e Ulysses” de Michael Wolgemut (1493)
“Circe e Ulysses” de Michael Wolgemut (1493)

Como as xilogravuras e o tipo móvel são impressos em relevo, eles podem ser facilmente impressos juntos. Consequentemente, a xilogravura foi o principal meio de ilustrações de livros até o final do século XVI. A primeira ilustração do livro xilogravura data de cerca de 1461, apenas alguns anos após o início da impressão com o tipo móvel, feita por Albrecht Pfister em Bamberg. A xilogravura era usada com menos frequência para impressões de belas artes em “folha única” de cerca de 1550 até o final do século XIX. Permaneceu importante para impressões populares até o século XIX na maior parte da Europa e, posteriormente, em outros lugares.

Rinoceronte de Albrecht Dürer (1515)
Rinoceronte de Albrecht Dürer (1515)

A arte alcançou um alto nível de desenvolvimento técnico e artístico no leste da Ásia e no Irã. A xilogravura no Japão é chamada moku-hanga e foi introduzida no século XVII, tanto para livros quanto para obras de arte. O popular gênero “mundo flutuante” de ukiyo-e (estampa japonesa) originou-se na segunda metade do século XVII, com impressões monocromáticas ou duas cores. Às vezes, estas eram coloridas à mão após a impressão. Mais tarde, impressões com muitas cores foram desenvolvidas. A xilogravura japonesa tornou-se uma forma artística importante, embora na época fosse concedido um status muito inferior à pintura.

A grande onda de Kanagawa, do artista Katsushika Hokusai.png
A grande onda de Kanagawa, do artista Katsushika Hokusai

Xilogravura de linha branca

Neste tipo o design era esboçado em giz sobre uma face pintada da madeira compensada. Esta técnica apenas esculpe a imagem em linhas mais finas, não muito diferente de uma gravura grosseira. O bloco é impresso de maneira normal, de modo que a maior parte da impressão fica preta com a imagem criada por linhas brancas.

Batalha dos Lansquenets de Urs Graf
Batalha dos Lansquenets de Urs Graf

O processo foi inventado pelo artista suíço do século XVI, Urs Graf, mas tornou-se mais popular nos séculos XIX e XX, muitas vezes de forma modificada, onde as imagens ocupavam grandes áreas de linhas brancas contrastadas com áreas no estilo normal da linha preta. Este foi iniciado por Félix Vallotton.

Fontes

Você gostaria de receber nossos e-books sobre o mercado de arte?

[sibwp_form id=1]

Leia também

https://arteref.com/arte/artes-visuais-conheca-as-tecnicas-e-os-materiais-artisticos-que-remetem-essa-expressao/
Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários