Museu

Museus: As transformações digitais necessárias para o século XXI

Quais são os desafios que as organizações culturais enfrentam para se adaptarem às necessidades do público no século XXI?

Por Paulo Varella - maio 2, 2021
65 0
Pinterest LinkedIn

O que a transformação digital significa para organizações culturais, museus e instituições? Neste texto vamos falar sobre as mudanças necessárias nas instituições de arte para acompanhar a mudança na forma como todos nós absorvemos informação.

A pergunta mais importante que devemos fazer neste momento histórico é: Que oportunidades apresentam e quais são os principais desafios que as organizações culturais enfrentam ao se adaptarem para atender às necessidades do público no século XXI?

Como elas podem desenvolver estratégias digitais eficazes e adotar novas tecnologias para se conectar com seu público e apresentar novos tipos de trabalho artístico?

Transformação digital’ como uma frase pode significar uma grande variedade de coisas, dependendo da sua interpretação. Aqui vamos nos concentrar nas oportunidades da tecnologia digital e como ela pode trazer mais abertura, transparência e compartilhamento para as organizações artísticas e instituições culturais.

Em primeiro lugar, os artistas hoje em dia têm uma ampla gama de novas ferramentas, mídias e fontes de inspiração para trabalhar. A Internet, sua cultura e estética inspiraram muitos escritores, artistas, designers e músicos a trabalhar de novas maneiras e a experimentar novos formatos e materiais.

A Internet permitiu que uma geração de pessoas criativas, que talvez nunca se considerassem artistas antes, criassem trabalhos criativos.

A relação entre artistas, organizações culturais e seu público mudou radicalmente

A relação entre artistas, organizações culturais e seu público mudou radicalmente, e há muitas maneiras pelas quais as organizações podem capitalizar essas mudanças para criar uma conexão mais forte e mais profunda com seu público.

Redes digitais e canais de comunicação nos permitem obter insights mais profundos sobre o comportamento e as preferências de um público e nos ajudam a falar com eles como iguais, como parceiros e co-produtores, não apenas como consumidores ou clientes.

Um bom exemplo de um museu que se esforça para construir sobre essas novas relações é o Museu do Brooklyn em Nova York, que desenvolveu o ASK, um novo aplicativo que visa melhorar a experiência do visitante com bate-papos ao vivo, informações e recursos enquanto eles visitam a coleção.

Uso aprimorado de análise de dados

“Open data” (dados abertos) e o uso aprimorado de análises estão ajudando organizações culturais e empresas do setor criativo a se tornarem mais eficazes no que fazem, melhorar o retorno de seus investimentos e atender às necessidades de seus públicos. Os dados abertos também estão levando ao desenvolvimento de novos aplicativos e serviços baseados em ‘hacks’ ou na reutilização criativa de dados compartilhados.

Embora a “tomada de decisão baseada em dados” como estratégia ainda não tenha sido amplamente implementada em todo o setor cultural, as implicações dos dados e seu potencial para melhorar a eficiência da tomada de decisão nas organizações estão cada vez mais sendo reconhecidas.

Em 2011/12, o Arts Council England, juntamente com a Nesta e o Arts and Humanities Research Council, lançou o Fundo Digital R&D para as Artes – um importante programa de financiamento de pesquisa e desenvolvimento de 3 anos para organizações artísticas e instituições culturais para trabalhar ao lado de um parceiro de tecnologia e pesquisadores acadêmicos.

O objetivo desse programa era permitir a experimentação e o desenvolvimento digital em duas direções principais: testar novos modelos de negócios e novos métodos de engajamento de públicos; além de promover uma abordagem mais rigorosa da pesquisa e avaliação no setor cultural. O relatório de avaliação é uma leitura muito interessante sobre a abordagem das organizações culturais às mudanças que foram provocadas pela tecnologia digital.

É claro que mudar os modelos de negócios das organizações culturais (ou seja, obter novas fontes de receita de canais / conteúdos digitais) é mais desafiador do que encontrar maneiras novas e criativas de aprofundar o relacionamento com o público. O programa resultou na publicação de um kit de ferramentas para organizações artísticas para ajudá-las a desenvolver novos modelos de negócios baseados em conteúdo digital, e este guia pode ser baixado aqui:

The national theatre

Os relativamente poucos exemplos bem-sucedidos de comércio eletrônico ou geração de renda por meio da distribuição digital (por exemplo, National Theatre Live, Berliner Philharmoniker Digital Concert Hall) apontam para um desafio quando se trata de ganhar dinheiro com conteúdo digital no setor cultural, especialmente para pequenas e médias empresas organizações de grande escala.

Berliner digital concert hall

O custo inicial de construção de um site, mais a manutenção contínua, pode tornar difícil para organizações menores se beneficiarem do potencial de novos fluxos de receita.

Dito isto, a inovação é frequentemente liderada por organizações menores e mais ágeis do setor, que encontram soluções criativas e adaptativas para oferecer seu trabalho online ou para aumentar a conexão com seu público (por exemplo, LUX, Beaconsfield, The Poetry School, para citar apenas alguns).

“Crowdfunding” e doações online têm sido usados com sucesso e regularidade cada vez maiores, mas não são uma fonte confiável de financiamento de longo prazo para organizações culturais na ausência de receita comercial sustentável.

Paralelamente à avaliação do Fundo de P&D, Nesta e MTM London publicaram os resultados de um estudo de 3 anos sobre os hábitos digitais de organizações culturais no Reino Unido e como sua ‘transformação’ digital evoluiu ao longo deste período, mostrando como o uso de a tecnologia digital e a adoção de estratégias digitais têm impactado o setor cultural.

Estratégia digital

Então, quais são alguns dos passos mais importantes que as organizações culturais devem tomar ao responder a essas oportunidades e planejar suas próprias estratégias digitais?

Faça as perguntas certas.

Esta primeira fase é absolutamente vital, embora infelizmente seja ignorada ou deixada de lado com frequência. As organizações devem ser muito práticas ao considerar como construir uma estratégia digital eficaz e como aproveitar ao máximo as oportunidades oferecidas pelas novas tecnologias.

Acima de tudo, elas devem se perguntar: como isso pode nos ajudar a alcançar nossos objetivos? Como isso pode contribuir ou melhorar nosso modelo de negócios?

Seja prático.

Não crie um novo site ou aplicativo apenas porque acha que precisa de um. Faça o uso mais eficaz de suas ferramentas existentes.

Certifique-se de que seu investimento em estratégia digital seja sustentável e contribua para os objetivos e modelo de negócios da sua organização.

Integre o componente digital em toda a estratégia da organização,

Não apenas como um complemento. Esta forma de pensar (que envolve abertura, compartilhamento, melhor comunicação e colaboração com o público) deve permear todas as partes do trabalho da organização: da produção à bilheteria, do marketing ao design e da avaliação à pesquisa.

Se todos na organização aceitarem a estratégia e compreenderem como ela os beneficiará, o processo de transformação será muito mais eficaz.

Compreenda o poder dos dados.

Os dados podem ser extremamente úteis se forem coletados e usados da maneira certa. Mas entender os dados que uma organização mantém, coletá-los e ‘limpá-los’ para que possam ser usados para informar a tomada de decisão, leva tempo e requer uma compreensão clara da análise.

Baseie sua estratégia no comportamento do público e em percepções baseadas em evidências sobre as necessidades e preferências de seu público.

Entenda como o público usa seu(s) site(s) existente(s) ou responde à sua presença nas mídias sociais e descubra o que eles querem antes de investir em novas plataformas.

Crie um plano de ação claro.

Inclua revisões regulares e responsabilidades claras para cada pessoa envolvida.

Crie uma uma nova relação com o público

Acima de tudo, pense em ‘digital’ não apenas em termos de novas tecnologias ou infraestrutura, mas em termos de uma nova relação com o público (colaboração, co-criação, compartilhamento e abertura) e uma oportunidade de produzir e apresentar novos tipos de trabalho para a era digital.

Este artigo faz parte de uma série que eu escreverei sobre como o uso de tecnologia digital pode transformar as instituições culturais


Links:

Digital benchmarks for the culture sector

CCCB.lab

Texto retirado do original de. CCCB.lab: Charles Beckett (especialista em gestão de artes digitais, já participou de projetos no fundo digital de P&D para as Artes, Nesta, no AHRC e na BBC.)

Avatar

Estudou cinema na NFTS (UK), administração na FGV e química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo, pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica a ajudar artistas, galeristas e colecionadores a melhorarem o acesso no mercado internacional.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários