Aura
À venda

Fragmento: 1 56” – 1 58” [marqué par une image d’enfance.]

Galeria Aura
fragmento

Bruno WeilemannSeguir

Categoria ,
Ano da Obra 2019
Tamanho 44 x 34

Fragmento: 1 56” – 1 58” [marqué par une image d’enfance.]

Nesta obra foram usados pó de grafite, resina sobre tela e projetor de madeira. 

Série:  Dead Layer – objeto pintura

Os trabalhos que compõem a série Dead Layer – objeto pintura traçam um paralelo entre a construção pictórica por meio do que seria o método de pintura indireta, o Underpainting ou Dead Layer (priorizam a construção pela sobreposição de camadas), com a imagem cinematográfica e fotográfica. Para a série, o artista articula diferentes conteúdos, fragmentos de filmes como La Jatée  (curta-metragem de 1962) e Hard to be a god (longa-metragem de 2013) – filmes de ficção científica em preto e branco, que exploram a existência de uma dimensão paralela, um outro tempo – e referências à gravuras e fotografias documentais antigas.

Bruno Weilemann

Bruno Weilemann

Bruno Weilemann, artista carioca radicado em Petrópolis, região serrana do estado do Rio de Janeiro, parte da pintura para investigar modos de sedimentação das imagens, das memórias e de todo um universo de fatos e ficções que surgem quando ativamos as lembranças e recordações. Assim, sua pintura se aproxima da ideia de projeção, própria ao filme e à fotografia, e passa a testar ela mesma processos de revelações que jogam com luzes, frames e sequências de imagens. Ao somar fragmentos de episódios corriqueiros com citações de outras autorias, conversando com o cinema e com a literatura, Bruno Weilemann permite a coexistência de narrativas, tempos e espacialidades que se atravessam sutilmente, desvelando-se aos poucos para cada um de nós.

Seus trabalhos em tela e papel, que misturam aquarela, grafite, tinta a óleo e acrílica, aproximam os raciocínios de esboço e rascunho próprios do desenho com a mancha da pintura. Desse modo, as produções do artista surgem desse entrecruzamento entre imagem e esquema, deixando sempre em dúvida o grau de realismo que participa dessas cenas. Ainda, suas pinturas e desenhos escorrem sobre a superfície, denotando uma submersão em efeitos de aguados. Essa liquidez da imagem de Bruno Weilemann aporta um certo teor de transitoriedade em suas narrativas, o que se contrapõe à perenidade da matéria que as constroem.

Minibiografia de Bruno Weilemann

Graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Santa Úrsula, teve sua formação artística através de cursos livres e pelo acompanhamento e orientação de Luiz Ernesto, João Magalhães, Anna Bella Geiger, Fernando Cocchiarale, Glória Ferreira, Bruno Miguel e Daniela Labra. Foi selecionado para os programas da EAV e do Governo do Estado – Aprofundamento 2011; e Projeto de Pesquisa 2012. Participou de exposições no Brasil e no exterior, dentre elas: Bienal do Recôncavo (BA); Declaring Independence (Eric Fischl Gallery, Phoenix, USA); 45º Salão De Arte Contemporânea (Piracicaba, SP); 13º Salão Nacional De Arte (Jataí, GO); Visão Fontana – Edital 2016 (Ibeu, RJ).

Galeria Aura

Aura

Criada em 2015 como uma plataforma digital, a Aura dedicou seus primeiros anos de existência a mapear e inserir no mercado artistas do novíssimo cenário de arte contemporânea brasileiro.

Gradualmente, a experiência on-line desdobrou-se em eventos presenciais, com exposições pop-up e a participação em feiras de arte contemporânea. Em 2017, esse processo culminou na abertura de um espaço físico próprio, na Vila Madalena, em São Paulo.

Dirigida por sua sócia fundadora, a arquiteta Bruna Bailune, em seus primeiros anos de funcionamento a Galeria Aura realizou exposições ambiciosas de jovens artistas: nomes selecionados de sua plataforma digital, colaborando com diferentes curadores, novos ou renomados. A galeria também intensificou sua presença nas feiras de arte, com stands na SP-Arte, SP-Arte Foto, Parte e Art Rio.

Em 2019 a Aura se reposiciona, associando-se à BASA, uma articuladora de núcleos de pesquisa e plataformas culturais dirigida por Luisa Dantas e Lucas Ribeiro Pexão. Surge então um programa curatorial inspirado nas hiperconexões e na atemporalidade da era digital, materializando exposições que favorecem o cruzamento de circuitos, de públicos e de momentos da produção artística.

Entre os artistas representados nesta fase atual, estão nomes que se desenvolveram junto com a história da Aura, da experiência digital à galeria de arte. Ao time, somam-se representações de artistas que chamam atenção pelo trânsito híbrido entre diferentes áreas da cultura contemporânea.

Categorias mais vendidas

  • pintura
  • fotografia
  • instalação

https://www.aura.art.br