Carta de uma grande amiga

Carta de uma grande amiga

Parabéns, você foi condicionado a não procrastinar rotinas, para ter sucesso é preciso que a sua vida seja um roteiro pontual, sem brechas para improvisos, assim você vai conseguir chegar lá. Enquanto isso eu luto para não procrastinar o “existir”.

Você aprendeu a salvar a própria vida, cultivando o hábito de sempre perguntar ao seu chefe ou ao professor qual será o nome do arquivo que vai salvar, o saldo é positivo pois sua foto entra no quadro de funcionários do mês, também ganhou um bombom Sonho de Valsa por ter batido a meta… é essa premiação que te faz me ver como uma vagabunda…

Você é mestre de disfarce e prova isso escondendo o seu predicado de obediente atrás da máscara da resiliência, encalacra um sorriso de coragem escondendo as presas ancestrais da sua covardia, pagando suas contas em dia e dormindo em travesseiro de pedra você acusa a contraproducência da minha insônia.

Sempre… sempre necessitou de alguém, e sempre teve uma referência, para saber se dobra à esquerda ou à direita, se gaba por ter tido sempre um pastor ou um anjo ao seu lado, aponta o que crê ser meus erros e diz que eu mereço ser abandonada.

Consolo? Por pior ser humano que você possa vir a ser, se você conquistar uma conta nem tão grande, mas cujo histórico lhe permita que o gerente de seu banco lhe ceda um empréstimo bancário, você será o cidadão digno que eu jamais consegui ser.

Quando já tiver o tal sucesso você até já saberá ler nos olhos de alguns a diferença entre o respeito que te declaram e a cobiça que os corrói, mas fingir que o alvo deles é a sua dignidade justifica cada mazela que você cultivou enquanto cercado de pessoas ou coisas “inúteis” como eu.

Você me considera tão fraca que você me tirou das escolas, não satisfeito, me toma os espaços que eu ocupo nas ruas, você não é capaz de perceber que eu sou o sorriso que você arranca da garganta do seu filho! Você amarra as mãos dele quando não deixa eu me manifestar. Um dia a sua razão vai te mostrar que só eu posso te salvar.

Ass: Arte

Veja também:

Pensar é um ato solitário

 

Erika Pessanha8 Posts

Dirige uma ONG com foco em arte e cultura na cidade de Maricá-RJ, a Casa Amarela Maricá. Auto-didata, a vida e as paixões levaram à estudos solitários de artes, design, cultura, cinema, escrita, filosofia e arte terapia. Ministra uma oficina de escrita criativa em sua cidade com foco na produção autoral digital (ebooks e áudio livros). Escreve, produz e distribui contos e poesias de sua autoria e de outros autores.

0 Comments

Leave a Comment

Login

Welcome! Login in to your account

Remember me Lost your password?

Lost Password