Arte Contemporânea

Damien Hirst | Reflexões polêmicas sobre a mortalidade

Entenda como questões humanas centrais - vida, morte e arte - dialogam através da obra do artista.

Por Equipe Editorial - fevereiro 25, 2021
1122 0
Pinterest LinkedIn

Damien Hirst (1965) é um artista contemporâneo inglês nascido em Bristol. Trabalhando com instalações, esculturas, pinturas e desenhos, sua arte conceitual é deliberadamente provocativa, abordando a complexa relação entre arte, vida e morte.

Em suas palavras:

“A arte é sobre a vida e realmente não pode ser sobre outra coisa … não há mais nada”

Biografia e trajetória artística de Damien Hirst

Ele cresceu em Leeds e se mudou para Londres no início dos anos 80, quando começou sua vida artística como pintor e assemblagista.

Hirst teve vários problemas com a lei, incluindo duas prisões por furto em lojas. Ele fracassou em várias disciplinas acadêmicas, mas teve sucesso em artes. No final dos anos 80, iniciou seus estudos de arte na Goldsmiths, Universidade de Londres.

Em 1988, seu segundo ano na Universidade, organizou uma exposição independente para estudantes, intitulada “Freeze”, em um prédio vazio da Autoridade Portuária de Londres com a participação do magnata da publicidade e colecionador de arte britânico Charles Saatchi. Sua reputação como artista e provocador rapidamente aumentou.

A exposição mostrou o trabalho de um grupo de colegas de sua classe, que mais tarde se tornou conhecido como os Jovens Artistas Britânicos de Sucesso (YBAs) dos anos 90.

YBAs no Prêmio Turner (1991)
YBAs no Prêmio Turner (1991)

Começando uma série no início dos anos 90, Hirst decidiu criar um “zoológico de animais mortos”. A série intitulada História Natural é repleta de trabalhos notórios, geralmente seguindo a forma de criaturas preservadas colocadas em tanques de aço e vidro cheios de solução de formaldeído.

Pode-se dizer que a obra que representa não apenas a série, mas a arte britânica contemporânea no final do século XX é A impossibilidade física da morte na mente de alguém que vive (1991). Exibindo um tubarão em uma vitrine imersa em formaldeído, Damien começou a se aprofundar no significado da morte, unindo vida, morte e arte.

A impossibilidade física da morte na mente de alguém que vive (1991) | Vendida por US$ 12 milhões a Steve Cohen

Intitulado como o artista britânico mais rico vivo, o trabalho de Damien Hirst se tornou muito valorizado já no início de sua carreira. Seduzido pela sua instalação “animal”, Charles Saatchi, na época, comprou a obra (mostrada acima) por £50.000, uma quantia surpreendente para alguém que estava começando no mundo da arte.


Banner Instaarts - Transforme

Nos anos seguintes, o artista realizou vários outros trabalhos semelhantes como parte de diferentes exposições. Os mais conhecidos incluem Mãe e Filho Divididos (1993), com uma vaca e seu bezerro cortados ao meio e exibidos em um tanque cheio de formaldeído, e Longe do Rebanho, que incluía uma ovelha exibida nas mesmas condições.

Mae e Filho Divididos (2003) | Tate-Modern

Mae e Filho Divididos (2003) | Tate-Modern

Mae e Filho Divididos (2003) | Tate-Modern

Longe do Rebanho (1994) | Galeria Nacional da Escócia
Longe do Rebanho (1994) | Galeria Nacional da Escócia
Via Tate Modern

Desde 1987, mais de 80 exposições individuais de Damien Hirst foram realizadas em todo o mundo e seu trabalho foi incluído em mais de 260 exposições coletivas.

Sua primeira grande retrospectiva, “A agonia e o êxtase”, foi realizada no Museo Archeologico Nazionale em Nápoles em 2004. Sua contribuição para a arte britânica nas últimas duas décadas e meia foi reconhecida em 2012 com uma importante retrospectiva de seu trabalho realizado no Tate Modern.

Em 2007, Hirst apresentou a peça “For the Love of God”, um crânio humano copiado em platina e cravejado com mais de 8.600 diamantes. A única parte do crânio original incluída são os dentes. O preço do trabalho foi de US $ 100.000.000. Ninguém o comprou na exposição original, mas um consórcio que incluía o próprio Hirst o comprou em agosto de 2008.

Damien Hirst. For the Love of God (2007) | Coleção particular.
Damien Hirst. For the Love of God (2007) | Coleção particular.
Via damienhirst.com

Durante a Bienal de Veneza de 2017, ele realizou simultaneamente sua própria exposição individual, “Tesouros do naufrágio do inacreditável”, em dois locais. A instalação monumental apresentava esculturas e outros objetos apresentados como restos de um naufrágio fictício de 2.000 anos de idade na costa da África.

Banner Instaarts - Amplie

Acusações de plágio

Em 2000, o designer Norman Emms processou Damien Hirst pela escultura “Hymn”, que era uma reprodução do Young Scientist Anatomy Set, desenhado por Emms e fabricado por Humbrol. Hirst pagou um acordo extrajudicial para duas instituições de caridade e Emms.

Em 2007, o artista John LeKay, ex-amigo de Hirst, afirmou que a inspiração para muitas das obras de Hirst veio do catálogo da Carolina Biological Supply Company. Ele também afirmou que o crânio incrustado de diamantes intitulado “For the Love of God” foi inspirado pelo trabalho de crânio de cristal de LeKay em 1993.

Em resposta a várias outras alegações de violação de direitos autorais ou plágio total, Hirst disse: “Como ser humano, ao longo da vida, você apenas coleciona”.

LeKay vs Hirst

Críticas ao seu trabalho

Muitos questionam se há algo de artístico sobre animais mortos e preservados. Brian Sewell, crítico de arte do Evening Standard, disse que a arte de Hirst “não é mais interessante do que um pique empalhado sobre a porta de um pub”.

Um programa Hirst de 2009, intitulado “No Love Lost”, que apresentava suas pinturas, recebeu críticas quase universais. Seus esforços foram descritos como “chocantemente ruins”.

Caproaldehyde (2003)
Caproaldehyde (2003)

Independentemente da maneira como você vê as obras, é difícil ignorar sua intensidade e a forma de suas composições. Ultrapassando os limites com suas ideias, o trabalho de Damien Hirst trata da noção de morte, tanto em sua elegância quanto em detalhes horríveis, apresentando situações de forte valor emocional e questionador.


Veja também


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.


Fontes

Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?

Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica.

Inscrever
Notificar de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários