A arte nos escritórios aumenta a produtividade, veja como

0
896
cortesia do Deutsche Bank

Ao contrário do que seu chefe pode dizer, distrair-se no trabalho nem sempre é algo ruim. Se o objeto de sua distração é uma obra de arte, ela pode realmente aumentar a produtividade, diminuir o estresse e aumentar o bem-estar.

Quem fala isto é Dr. Craig Knight, que estudou a psicologia dos ambientes de trabalho por 12 anos na Universidade de Exeter, e hoje lidera um grupo de pesquisa chamado Identity Realization (IDR).

“Existe uma tendência real de optar por espaços de trabalho neutros e sóbrios, projetados para incentivar os funcionários trabalharem sem distrações”, explica ele. Mas não existe um ramo da ciência no mundo que acredite que essa abordagem aumente a produtividade ou faça com que os trabalhadores sejam mais felizes, de acordo com Knight. “Se você enriquece um espaço, as pessoas se sentem muito mais felizes e trabalham melhor; uma maneira muito boa de fazer isso é usando arte ”.

Dr. Craig Knight

É certamente uma filosofia com a qual o Deutsche Bank acredita muito. O banco de investimento alemão tem a maior coleção de arte corporativa do mundo, com cerca de 60.000 obras de arte em 900 escritórios em 40 países. Existe um site do banco que informa aos funcionários mais sobre as obras que estão olhando e um lugar que as pessoas podem  pedir conselhos a um especialista quando se trata de escolher uma obra de arte para o escritório. Além disto,  o banco também recebe palestras de artistas.

12 Harmônicos por Keith Tyson na recepção do Deutsche Bank em Londres. Foto: Deutsche Bank

“Não é comum que os banqueiros conversem com artistas”, diz Friedhelm Hütte, diretor global de arte do Deutsche Bank. “A arte oferece uma janela para a estética social, política e econômica em todo o mundo e isso termina sendo uma fonte de inspiração para o nosso negócio, porque vivemos no desenvolvimento de novas ideias para os clientes e na reação ao que está acontecendo no mundo.”

O banco gosta de comprar obras de artistas contemporâneas, com foco em desenhos e fotografias originais. “Gostamos de coisas inovadoras e espontâneas, que captam aquele momento em que uma ideia se torna visível pela primeira vez”, explica Hütte.

Friedhelm Hütte. Foto: Bernd Roselieb

Não acredito que a arte faça com que cada pessoa  seja mais criativa, mas ela ajuda a envolver as pessoas em um nível mais intelectual com relação à inovação “.

Knight e sua equipe conduziram estudos sobre os ambientes de trabalho mais eficazes, pedindo aos participantes que façam uma hora de trabalho em quatro tipos diferentes de escritórios:

  • Ambiente enxuto: contendo apenas as coisas necessárias para realizar as tarefas.
  • Ambiente Enriquecido: com arte e plantas que já foram arranjadas.
  • Enriquecido com participação: a mesma arte e plantas, mas os funcionários puderam escolher onde colocá-las.
  • Enriquecido sem participação: os funcionários puderam organizar a arte e as plantas – mas o experimentador então desfez esses toques pessoais e voltou ao layout enriquecido.

A equipe descobriu que as pessoas que trabalhavam no escritório enriquecido trabalhavam cerca de 15% mais rapidamente do que as do escritório enxuto e tinham menos queixas de saúde – esse número, então, dobrou para as pessoas que trabalhavam no espaço com participação. Quanto àqueles que viram seus toques pessoais minados; seus níveis de produtividade eram os mesmos que os do espaço enxuto.

Escritório do Deutsche Bank em Londres

Em 12 anos de pesquisa, nunca os escritórios enxutos geraram melhores resultados; e quanto mais pessoas envolvidas estiverem no processo de enriquecimento, mais elas serão capazes de realizar uma parte de si mesmas no espaço ”, explica Knight.

Ele é enfático ao dizer que, por arte, ele não significa os chamados “cartazes motivacionais”, que dizem coisas como “somos uma equipe” ou “seja qual for o problema, faça parte da solução“, porque eles não funcionam de forma alguma.

A arte é uma forma de reter o pessoal e encorajá-lo a fica no escritório, em um momento em que as pessoas querem cada vez mais trabalhar remotamente, diz Alex Heath, diretor administrativo da International Art Consultants, que aconselha locais de trabalho na arte.

cortesia do Deutsche Bank

“Algumas empresas conscientemente usam a arte como parte de sua estratégia de retenção”, diz ele. “A estética, no sentido mais verdadeiro, significa dar energia, que é o que um local de trabalho precisa, em vez de um ambiente industrial sem graça, que termina sendo como dar  uma dose de anestesia aos funcionários.”

A empresa de Heath ajudou a agência Moody’s a colher dados sobre os benefícios de ter arte no local de trabalho. Um comitê de arte de funcionários surgiu com o slogan “dando sentido ao que você vê” e os escritórios foram decorados com fotografia, o que requereu exame e decodificação cuidadosos das imagens por um profissional.

Em outros lugares, Heath diz que eles encomendaram peças contemporâneas brilhantes e arrojadas para salas de espera ou espaços recreativos, porque eles criam bons pontos de conversa, enquanto esculturas e enormes trabalhos têxteis com propriedades acústicas são bons para amortecer o som em ambientes grandes com de mármore.

cortesia do Deutsche Bank

Obras de arte cinéticas e instalações de luz são populares entre algumas corporações, diz Heath; pois elas podem injetar dinamismo em ambientes muito estreitos.

“As pessoas passam a maior parte de suas vidas no trabalho e estar em um escritório pode se tornar muito rotineiro; mas, se houver arte interativa em todo o lugar, isso oferece uma sensação contínua de intriga e engajamento ”, diz ele.

“Uma distração momentânea definitivamente não é uma coisa ruim no ambiente de trabalho. Historicamente, a arte sempre foi sobre fuga, e todos nós precisamos de uma fuga às vezes. ”

 

publicidade

Fonte: The Guardian

Artigo anterior“Cidades Invisíveis” de Luiz Martins no Museus de Arte Sacra
Próximo artigoConheças as fotoformas e sombras de Geraldo de Barros
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here