Jeff Koons é culpado de plágio e condenado a pagar US $ 168.000, veja aqui

0
3323
(Photo by Adam Berry/Getty Images)

Um juiz francês considerou Jeff Koons culpado em sua batalha judicial de quatro anos com o criador de uma campanha publicitária surrealista dos anos 1980 que afirma que o artista americano se aprppriou de seu trabalho.

O publicitário francês Franck Davidovici criou a campanha intitulada Fait d’Hiver, em 1985, para a marca de roupas francesa Naf Naf.

Depois de ver o trabalho de Koons exibido no Centro Pompidou em 2014, processou o artista norte-americano por violação de direitos autorais, acusando-o de plagiar seu anúncio criando uma escultura em 1988 com o mesmo nome; Fait d’Hiver.

“Fait d’Hiver” by Jeff Koons at Christie’s auction house .PHOTO/EMMANUEL DUNAND/AFP/Getty Images

Davidovici pediu € 300.000 em danos e que a escultura de Koons fosse confiscada pelo estado. Na quinta-feira, um tribunal de Paris ordenou que o artista e o museu francês pagassem a Davidovici um total de € 135.000 ($ 153.000).

Jeff Koons LLC também foi multado em € 11.000 por reproduzir o trabalho no site de Koons, enquanto uma editora que vendia um livro no qual o trabalho foi reproduzido foi multada em € 2.000. O tribunal, no entanto, não ordenou a captura da escultura.

A Artnet News entrou em contato com o advogado de Davidovici, o estúdio de Jeff Koons, e o Centre Pompidou para comentar, mas não ouviu de volta até o momento.

(Photo by Ralph Orlowski/Getty Images)

A campanha de Davidovici para a marca feminina apresentava um porco (o mascote de Naf Naf) com um barril de brandy em volta do pescoço, vindo em auxílio de uma modelo enterrada em uma avalanche.

O trabalho de porcelana de Koons, realizado três anos depois, retrata uma cena semelhante, embora a versão de Koons retrate a estrela pornô italiana Ilona Staller (sua ex-esposa) usando uma blusa de rede de pesca no lugar de uma jaqueta.

O barril de brandy do porco foi substituído por uma guirlanda de flores, e há um pingüim na cena. De acordo com o jornal francês Le Figaro, o advogado de Davidovici, Jean Aittouares, diz que o trabalho de Koons é uma “cópia fiel”.

“É o mesmo trabalho em três dimensões, ao qual Jeff Koons acrescentou flores, e dois pinguins [sic] para evocar o frio, que visa manter o trabalho original.” Aittouares disse ao jornal. “Ele completa o plágio dando ao seu trabalho o mesmo título que o anúncio, Fait d’Hiver”.

O título, que se traduz em “fato do inverno”, é um homônimo dos ” fait divers”, significando uma notícia curta.

O processo estava em andamento desde dezembro de 2014, quando Davidovici ficou sabendo da escultura de Koons antes de uma retrospectiva no Centre Pompidou, em Paris.

Ela foi mostrado como parte de sua série “Banality”, para a qual o artista criou esculturas de itens kitsch, cenas de anúncios e outros materiais protegidos por direitos autorais.

Na época, o então presidente do Pompidou, Alain Seban, defendeu o trabalho de Koons. “O ponto principal é trabalhar com objetos ou imagens comercialmente comprados que vêm de publicidade ou revistas”, disse Seban. Apesar do apoio de Seban, no entanto, o dono da escultura retirou o trabalho do show em meio à controvérsia.

Uma edição do Fait d’Hiver vendida por US $ 4,3 milhões na Christie’s New York em 2007. Agora está na coleção da Fundação Prada. (Há três edições do trabalho no total, além de uma prova do artista.)

Esta não é a primeira queixa apresentada a Koons sobre uma escultura desta série. De fato, um total de cinco processos surgiram da “Banalidade”: Koons perdeu três, enquanto outro se estabeleceu fora dos tribunais. (Notavelmente, a lei de direitos autorais francesa geralmente não é tão simpática aos apropriadores e tem uma definição mais estrita de “apropriação” do que a lei dos EUA).

A mais recente das três derrotas de Koons ocorreu em março de 2017, quando a Alta Corte de Paris decidiu em favor da propriedade do fotógrafo francês Jean-François Bauret, que tirou uma foto de duas crianças que formaram a base da escultura Naked de Koons. O tribunal afirmou que Jeff Koons LLC e o Centre Pompidou, onde o trabalho foi mostrado, precisariam pagar indenização.

 

Fonte: Artnet

Artigo anteriorFar From Home, vida no exílio
Próximo artigoA mostra “Cine 35mm” no SESC Paulista
Estudou cinema na NTFS( UK), Administração de Empresas na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil desde então. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil: Um local para unir pessoas com um mesmo interesse, a arte contemporânea. Faz o contato e organiza encontros com os curadores, artistas e colecionadores que representam o conteúdo do qual falamos no Arte Ref

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here