20 fatos curiosos sobre Van Gogh que você não sabia

0
1510
Fotografia colorizada de Vincent van Gogh feita em Janeiro de 1886
Fotografia colorizada de Vincent van Gogh feita em Janeiro de 1886
Van_Gogh_com 19 anos
Vincent van Gogh com 19 anos.
(Photo: Jacobus Marinus Wilhelmus, 1823-1907)

Um dos pintores mais icônicos do século 19, Vincent Van Gogh é uma dos artistas mais falados da história. Com sua morte prematura aos 37 anos em 1890 acreditando que seu trabalho nunca seria vendido. Acredita-se que ele vendeu somente uma obra em vida. Em sua época Van Gogh não se destacava e passou a vida atormentada pela sua insegurança e dificultada pelas condições psicológicas por que passava.

Para você que já conhece um pouco sobre o artista, aqui vão alguma curiosidades que mostrarão um lado um pouco menos conhecido:

1) Quando Van Gogh completou “A Noite Estrelada”, sem dúvida alguma de seus melhores trabalhos, o artista nem pensou que fosse bom.

No entanto, em 1941, a pintura tornou-se parte da coleção permanente do Museu de Arte Moderna de Nova York; em 1973,

2) Um museu em Amsterdã foi criado especialmente para abrigas abrigar obras de van Gogh.

3) Van Gogh tinha 27 anos quando pintou sua primeira peça.

4) Quando Van Gogh começou a pintar, ele usou camponeses como modelos.

Mais tarde ele pintaria flores, paisagens e a si mesmo, principalmente porque era pobre demais para pagar os modelos.

ilustração de Natalya St Clair

5) Van Gogh sofria de epilepsia do lobo temporal,

uma condição neurológica crônica caracterizada por convulsões recorrentes.

6) Acredita-se que Vincent tenha se matado

Em um campo de trigo em Auvers, França, mas não morreu até dois dias depois, aos 37 anos de idade. Este fato é amplamente contestado, e várias teorias alternativas surgiram, incluindo uma que ele foi baleado. por dois meninos. Seu irmão Theo, ao seu lado quando morreu, disse que as últimas palavras de Vincent foram “La tristesse durera toujours”, que significa “a tristeza durará para sempre”.

ilustração de Natalya St Clair

7) Apenas o lóbulo, não a orelha inteira foi cortada

Acredita-se popularmente que Van Gogh cortou sua orelha, mas na verdade apenas cortou uma parte do lóbulo da orelha. A versão aceita é a de que o artista se mutilou com uma navalha após uma discussão com seu amigo Paul Gauguin em Arles, onde os dois permaneceram durante o Natal de 1888. Ele então correu para um bordel e apresentou o lóbulo cortado a uma prostituta. Um novo livro de dois historiadores alemães sugere que o que realmente aconteceu foi que Gauguin cortou o lóbulo de seu amigo enquanto ele estava lutando espada e a automutilação foi combinada entre os dois para evitar constrangimento e prisão. Van Gogh imortalizou sua ferida em seu auto-retrato com orelha enfaixada.

8) Em menos de 10 anos, ele pintou quase 900 pinturas

De novembro de 1881 a julho de 1890, Van Gogh produziu cerca de 900 pinturas. Aos 27 anos, abandonou suas carreiras fracassadas como negociante de arte e missionário e se concentrou em sua pintura e desenho.

9) Vincent Van Gogh descreveu visualmente a turbulência.

Um princípio matemático incrivelmente complexo (e ainda não resolvido) em várias pinturas durante um período particularmente caótico em sua vida.

Auto-retrato e fotografia de Van Gogh
Auto-retrato e fotografia de Van Gogh

10) Vendeu somente uma pintura enquanto vivo

Vincent vendeu apenas uma pintura durante a sua vida e só ficou famoso depois da sua morte.

Os vinhedos vermelhos em Arles, 1888, por Vincent van Gogh
Os vinhedos vermelhos em Arles, 1888, por Vincent van Gogh. O primeiro quadro vendido pelo artista.

11) Seu ano mais feliz foi em Londres

Em 1873, Vincent viajou para a capital britânica para trabalhar para o negociante de arte Goupil e Cie. Anteriormente, foi contratado por eles em Haia. Este foi o momento mais feliz de sua vida.

Desenho feito por Van Gogh em Londres na Hackford Road
Desenho feito por Van Gogh em Londres na Hackford Road

Ele estava ganhando um salário considerável (mais do que seu pai) e se apaixonou pela filha da proprietária, Eugenie Loyer. Mas ela recusou seus avanços românticos quando ele declarou a ela, dizendo que ela estava secretamente noiva de um ex-pensionista.

Os comedores de batata (Aardappeleters em neerlandês) é um quadro do pintor Vincent van Gogh, terminado em abril de 1885.

Na obra fictícia de Nicholas Wright, Vincent em Brixton, o dramaturgo imagina que o futuro artista teve um caso com a proprietária, uma viúva de 15 anos, em vez de sua filha. Seu tempo em Londres não acabou tão feliz quando ele se tornou mais isolado. Ele se transferiu para Paris, onde ficou irritado com seus chefes por tratar a arte como uma mercadoria e foi demitido em 1876.

12) Um Correspondente Prolífico

Ele escreveu quase tantas cartas quanto criou pinturas. Van Gogh compôs quase 800 cartas em sua vida, principalmente para seu irmão e amigo mais próximo Theo.

ilustração de Natalya St Clair

13) Seu trabalho mais famoso foi feito em um asilo.

Noite Estrelada, sem dúvida sua obra mais famosa, foi pintada em um asilo em Saint-Remy-de-Provence, na França. Ele voluntariamente admitiu-se lá para se recuperar de seu colapso nervoso de 1888. A pintura retrata a vista da janela do seu quarto. Faz parte da coleção permanente do Metropolitan Museum of Art desde 1941.

14) Havia quatro Vincent van Goghs.

Vincent van Gogh, o artista foi nomeado em referência a seu irmão mais velho natimorto Vincent, que por sua vez foi nomeado em referência a seu avô. Outro dos irmãos de Van Gogh, Theo, nomeou seu filho Vincent Willem van Gogh.

Quarto de Van Gogh em Arles
Quarto de Van Gogh em Arles

15) Ele amava e vivia com uma prostituta.

Van Gogh teve algumas paixões, incluindo tanto sua prima viúva quanto uma mulher desinteressada de classe alta chamada Eugenia. Uma vez que ele deixou a casa de sua família na Holanda e se mudou para Haia, no entanto, ele se compadeceu principalmente de prostitutas. Van Gogh tinha uma favorita chamado Sien, com quem ele viveu e cuidou – ele até a ajudou a criar seu bebê por um tempo.

Sien com charuto, sentado no chão ao lado da lareira
Sien com charuto, sentada no chão ao lado da lareira.
Van Gogh desenhou e pintou uma série de obras de Sien durante seu tempo juntos na Holanda. Em particular, o seu desenho Sorrow é amplamente reconhecido como uma obra-prima de desenho, o culminar de um longo e por vezes incerto aprendizado na aprendizagem do seu ofício.

Van Gogh desenhou muitos retratos de Sien e cuidou muito dela, mas ela criou um problema entre o artista e sua família. A pedido de seu irmão Theo, van Gogh a deixou e mudou-se para Drenthe, outra província na Holanda. Embora ele tivesse alguns outros relacionamentos mal sucedidos, ele morreu sozinho.

16) As cores que vemos em suas pinturas não são como ele pretendia.

Os amantes da arte se deleitam com os ricos tons presentes no trabalho de van Gogh, mas as cores que vemos não são, na verdade, o que o artista quis dizer para nós – especificamente os tons amarelos. Como muitos artistas da época, van Gogh usava um pigmento instável chamado amarelo cromo, que era propenso a desbotamento ou escurecimento ao longo do tempo. A mudança química é irreversível, então só podemos imaginar a luminosidade que as pinturas uma vez tiveram.

ilustração de Natalya St Clair

Quanto ao uso comum de van Gogh da cor amarela, o biógrafo Charles Moffatt acredita que isso reflete pontos do tempo em que van Gogh estava em ascensão bipolar.

17) Sua relação com o pintor Paul Gauguin era provavelmente homossexual.

Os dois viveram como companheiros de quarto por um tempo no sul da França. Um artigo na Harvard Magazine afirma que “os biógrafos médicos [de Van Gogh] concordam que sua vida adulta incluiu períodos de hipersexualidade, hipossexualidade, bissexualidade e homossexualidade”, e que “seu tormentoso caso homossexual com o pintor Paul Gauguin incluiu discussões intermináveis e muitas vezes argumentativas. “

Retrato de Van Gogh por Paul Gauguin
Retrato de Van Gogh por Paul Gauguin

18) A cunhada de Van Gogh o tornou famoso.

Sem a insistência da esposa de Theo, Johanna, o nome de Van Gogh provavelmente teria caído no esquecimento. Ao herdar centenas de pinturas após as mortes de Vincent e Theo, ela assumiu a missão de promover o trabalho de van Gogh e emprestou peças para várias exposições. Ela também tinha todas as cartas de van Gogh publicadas em um esforço para ter sua história de vida ouvida.

Depois que Johanna morreu, seu único filho com Theo (quem você se lembra, também foi chamado Vincent) fundou o Museu Van Gogh em Amsterdã em 1973. Todas as pinturas, que agora lhe pertenciam oficialmente, acabaram sendo transferidas para este local.

Van Gogh Museum
Van Gogh Museum

19) Vincent van Gogh aparentemente colocava velas acesas em seu chapéu para que ele pudesse pintar à noite.

20) A pessoa viva mais velha da França conheceu Vincent van Gogh

Em vida e lembrou-se dele como “sujo, mal vestido e desagradável”.

Jeanne Calment, (Photo by GEORGES GOBET/ AFP FILES / AFP)

Nascida em 1875, Jeanne Calment teve a vida mais longa confirmada quando morreu em 122, em 1997. Ela viveu em Arles, na França, onde Van Gogh passou o seu tempo em 1888. Durante esse ano, Van Gogh chegou a uma loja do tio de Calment. para comprar tintas. Calment mais tarde descreveu Van Gogh como “sujo, mal vestido e desagradável”.

Calment tinha 12 ou 13 anos na época e, de acordo com um obituário do New York Times, também disse que Van Gogh era:

“Ele era muito feio, indelicado, doente – e me perdoem, eles o chamavam de louco”.

Jeanne Calment
Esta é uma das várias pinturas de íris do artista holandês Vincent van Gogh, e uma de uma série de pinturas que ele fez no asilo de Saint Paul-de-Mausole em Saint-Rémy-de-Provence, França, no último ano antes sua morte em 1890.

Veja também:

fonte: allthatsinteresting , harvard magazine, sothebys, biography.com, huffpost, wikipedia

Artigo anterior38 equívocos que artistas pensam sobre as galerias
Próximo artigoDentro do estranho mundo dos leilões de arte em navios
Avatar
Estudou cinema na NTFS (UK), Administração na FGV e Química na USP. Trabalhou com fotografia, cinema autoral e publicitário em Londres nos anos 90 e no Brasil nos anos seguintes. Sua formação lhe conferiu entre muitas qualidades, uma expertise em estética da imagem, habilidade na administração de conteúdo e pessoas e conhecimento profundo sobre materiais. Por muito tempo Paulo participou do cenário da produção artística em Londres, Paris e Hamburgo de onde veio a inspiração para iniciar o Arteref no Brasil. Paulo dirigiu 3 galerias de arte e hoje se dedica em ajudar artistas, galeristas e colecionadores a terem um aspecto mais profissional dentro do mercado de arte internacional.

Comente:

Please enter your comment!
Please enter your name here