Curiosidades

O que acontece se você quebrar uma obra de arte?

Por Equipe Editorial - outubro 13, 2020
5598 1
Pinterest LinkedIn

Quebrar uma obra de arte é o pesadelo de muitos que põem o pé em um museu. Você tropeça, perde o equilíbrio, e cai bem em cima de uma obra de arte caríssima. Caos, destruição e vergonha é o que sobram.

Não precisa ir muito longe para encontrar alguns exemplos. Um brasileiro quebrou uma estátua barroca de mais de 300 anos ao tirar uma selfie em um museu de Lisboa.

estatua quebrada em um museu de Lisboa

Histórias como essas foram discutidas em inúmeros artigos e imortalizados em vídeos de filmagens de vigilância, embora não seja dito muitas vezes o que acontece a seguir – ou o que fazer se isso acontecer com você.

Então o que acontece quando  você  quebra uma obra de arte? O que (você deveria) fazer?


O Incidente

A escritora Alison Kinney gosta de colocar uma versão desta pergunta para estranhos em jantares. “É um teste moral com novos amigos, para descobrir o que eles fariam nesta situação”, ela disse, acrescentando com uma risada, “e a resposta certa é:”Eu iria correr.”

Para Kinney, a questão do que fazer depois de quebrar uma obra de arte é mais do que hipotética. Em 2014, enquanto visitava uma galeria em Nova York, ela queria ter uma vista melhor de algumas pinturas.

incidente no National Watch & Clock Museum

Voltando a contemplar os trabalhos à distância, Kinney sentou-se no que ela pensava ser um banco. Seu marido tentou avisá-la, dizendo que era uma obra de arte (feita de isopor e fio de galinha para parecer um banco), mas era tarde demais. Quando ela percebeu seu erro, Kinney tinha quebrado um canto da peça.

Pensando hoje, as emoções do momento fatídico ainda estão frescas. “Eu me senti aterrorizada de ser pega”, disse ela. Apesar do que ela espera que os outros façam na mesma situação, Kinney não correu – não porque ela seja moral, ela disse, mas porque estava com medo. Ainda assim, ela não se expressou imediatamente.

“O que eu fiz, e me envergonho disso, é que eu olhei ao redor da sala como se alguém tivesse feito isso”, disse Kinney. “Então eu entrei em uma outra sala para olhar algumas pinturas. Mas eu estava apenas tremendo de ansiedade e pânico.”

Eventualmente, o medo a levou a confessar o acidente a um atendente de galeria, que lhe agradeceu pela honestidade e depois a deixou partir. Mas quando já estava saindo, outro funcionário da galeria veio e a levou de volta “para enfrentar o julgamento de seu chefe superior.”

Ela foi convidada a anotar seu nome, endereço e outras informações de identificação. O trabalho que Kinney quebrou, de um artista anônimo, custou cerca de US $ 8.000. Independentemente disso, era dinheiro que Kinney não tinha. E embora ela pudesse ter mentido para evitar pagar pelos danos, ela não mentiu.


O Seguro

Depois que uma obra de arte é danificada, a galeria ou instituição irá preencher um relatório de incidente, que documenta o que aconteceu exatamente e quem estava envolvido.

Na grande maioria dos casos, uma visitante, como Kinney, que quebra uma arte por acidente não será responsabilizada por pagar pelo reparo ou pelo valor do trabalho.

Assumindo que a instituição tomou medidas razoáveis para proteger a peça em questão, uma companhia de seguros vai cobrir qualquer dano acidental de uma obra de arte. A situação é, naturalmente, diferente se uma pessoa intencionalmente danifica uma obra de arte, caso em que ela teria que pagar as reparações do trabalho ou cobrir o seu valor, além de enfrentar penalidades criminais.

Porém, após um relatório de incidente ser arquivado, a companhia de seguros irá enviar um representante para inspecionar o trabalho. Eles vão avaliar o dano e obter uma proposta de um curador para a reparação.

A AXA assegura trabalhos em cerca de 4.000 museus e instituições internacionais, das quais 600 estão nas Américas. Das reclamações anuais, trabalhos danificados ou destruídos pelos visitantes das instituições representam menos de 10%.

Essas situações são muito raras. Guardas de museus profissionais, layouts de exposições e o uso de pilares para proteger os trabalhos reduzem os riscos potenciais para uma obra de arte sendo exibida em público.

Um menino taiwanês fez um buraco em uma pintura extremamente valiosa de Paolo Porpora em uma exposição de Taipei, depois de aparentemente tropeçar e tentar recuperar o equilíbrio na obra de arte, de acordo com a fita de vigilância fornecida pelos organizadores.

O reparo

Mas o que acontece com a obra em si?

Em janeiro de 2010, uma mulher caiu sobre um importante tela de Pablo Picasso – O Ator (1904) – enquanto ela estava em exibição no Metropolitan Museum of Art, fazendo um buraco de 15 centímetros na tela.

A pintura foi rapidamente levada para o estúdio de conservação, onde os conservadores já contavam com o dano, reparando com pesos durante seis semanas para manter a lona plana. Em seguida, foi aplicado um adesivo e o trabalho foi retocado com uma resina pigmentar e sintética que se assemelhava às tintas usadas por Picasso. Quando retornou ao museu três meses mais tarde, foi exibido atrás de uma chapa de acrílico.

Ainda mais complicado foi um caso de 2016, por uma mulher de 91 anos que preenchia um jogo de palavras cruzadas num museu de Nuremberg. O problema? Essa palavra cruzada foi na verdade uma obra de arte de 80.000 euros de Arthur Köpcke. A idosa frequentadora de museu ficou confusa com Reading-work-piece (1977), que incluía a frase “inserir palavras”. A polícia a questionou por meia hora depois que o incidente se tornou conhecido. Ela disse que estava apenas seguindo instruções.

O museu teria processado a mulher, por razões de seguro, mesmo sabendo que ela não tinha intenção maliciosa. Contra atacando, o advogado da acusada afirmou que o museu tinha violado seus direitos autorais por restaurar o trabalho e apagando as palavras que ela tinha acrescentado.

Reivindicar um trabalho que você danificou é realmente muita audácia – ou cara de pau. Kinney certamente nunca sonhou em fazer algo assim, e esperamos que ela nunca será responsável por danificar uma obra de arte mais uma vez.

“Eu não vou perto de nada agora. E quando estou com amigos que estão vendo arte comigo, eles não me deixam chegar perto de certas coisas “, disse ela. Desde o incidente, ela teve uma nova visão sobre os riscos que os artistas assumem ao deixar seu trabalho ser exibido ao público. “Eu tento pensar mais sobre o que significa ser um artista, fazendo este trabalho terrivelmente frágil que você coloca para o público”.

E o quê você faria se quebrasse uma peça de museu? Conta pra gente nos comentários!


Veja também


Não foi possível salvar sua inscrição. Por favor, tente novamente.
Sua inscrição foi bem sucedida.

Você quer receber informações sobre cultura, eventos e mercado de arte?


Selecione abaixo o perfil que você mais se identifica 

(Atenção: Os e-mails podem ir para sua caixa de promoções)


Fonte

Texto de Isaac Kaplan

Inscrever
Notificar de
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
Veja todos os comentários
Nado
Nado
2 meses atrás

Na época da escola, um aluno quebrou uma pinha portuguesa, no Museu do Estado de Pernambuco, devido a bolsa das costas que estava com ele. Depois disso proibiram a entrada de estudantes com a bolsa escolar.